logomarca
Cuiabá, 14 de Julho de 2024.

Palavra de Profissional Sexta-feira, 26 de Abril de 2024, 19:03 - A | A

Sexta-feira, 26 de Abril de 2024, 19h:03 - A | A

Educação positiva

Educar com amor: 5 formas de praticar a parentalidade positiva

Abordagem carinhosa para criar filhos confiantes e responsáveis é ensinada no livro "Por uma Infância Feliz"

IMG_0769.jpeg

 


Em um mundo onde a parentalidade muitas vezes é associada à autoridade e à imposição, surge a necessidade urgente de redefinir os padrões de criação. Em Por uma Infância Feliz, a pediatra francesa Catherine Gueguen convida pais e mães a tornarem-se não apenas chefes, mas guias amorosos na jornada em direção à independência e à autoconfiança.

Por meio da parentalidade positiva, tema do qual a autora é referência mundial, é possível construir um ambiente de respeito mútuo, compreensão e amor. Em vez de meramente impor regras, os pais são encorajados a se tornarem modelos de comportamento, definindo limites com gentileza e empatia. Vale lembrar que parentalidade positiva não é sinônimo de permissividade. Envolve definir limites claros e consistentes, sem recorrer à violência física ou psicológica.

Divulgação

IMG_0771.jpeg

 



Os pais são incentivados a elogiar o bom comportamento e a buscar soluções pacíficas aos conflitos. Em dúvida de como colocar em prática essa abordagem? Neste lançamento da nVersos Editora, a especialista descreve cinco maneiras – cientificamente comprovadas – para criar um ambiente acolhedor que contribua para o desenvolvimento de adultos confiantes e emocionalmente responsáveis no futuro.

  1. Mantenha uma comunicação empática: ouça atentamente as emoções e preocupações, além de demonstrar empatia e validar os sentimentos. Evite impor a opinião de forma autoritária, busque entender o ponto de vista da criança.

  2. Promova segurança afetiva: esteja verdadeiramente presente e disponível, ofereça apoio nos momentos difíceis. Crescer cercada de carinho desenvolve a inteligência emocional e social e evita a emergência de perturbações fisiológicas cerebrais, que uma vez instaladas são a origem de dificuldades afetivas na idade adulta.

  3. Estabeleça limites claros e consistentes: defina regras e expectativas de comportamento de forma clara e consistente. Explique as razões por trás das regras e ajude a criança a entender as consequências das ações.

  4. Seja um modelo de comportamento: demonstre os valores que deseja ensinar por meio do exemplo. Cultive um ambiente familiar onde o respeito mútuo e a cooperação são valorizados. Promova a resolução pacífica de conflitos através do diálogo aberto.

  5. Dedique tempo de qualidade: reserve momentos especiais para estar com seus filhos, participando de atividades que eles gostem. Priorize o tempo de qualidade em detrimento da quantidade de tempo dedicado. Esteja presente e envolvido nas vidas dos filhos, mostre interesse genuíno por suas experiências e interesses.

Divulgação

IMG_0770.jpeg

 

Sobre a autora: Catherine Gueguen é pediatra há 27 anos no Hospital Franco-Britânico, localizado em Levallois-Perret, França. É especializada em apoio parental, com formação em haptonomia (ligação por meio do contato físico) e comunicação não violenta. Ministra conferências e lidera grupos de trabalho sobre o apoio na educação de crianças pelo viés da neurociência para médicos, psicólogos, educadores e doulas. Tornou-se referência mundial na área da educação e da infância após o sucesso do livro Pour une child bonne.

 




Comente esta notícia