logomarca
Cuiabá, 21 de Junho de 2024.

Variedade Segunda-feira, 10 de Junho de 2024, 21:00 - A | A

Segunda-feira, 10 de Junho de 2024, 21h:00 - A | A

Aumento de vendas

Seja o cupido do seu negócio: veja dicas para aumentar as vendas no Dia dos Namorados

Segundo executivos, a chave para a data consiste em investir no visual, adaptar o e-commerce e promover novas experiências no comércio físico

Divulgação

IMG_2043.png

 


O Dia dos Namorados se aproxima e, com ele, as vitrines ficam tomadas pelo vermelho, pelos corações e flores, símbolos característicos do romance. A data
deve levar 96 milhões de consumidores às compras, segundo uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em parceria com a Offerwise Pesquisas. 

Por isso, os lojistas do varejo físico e online já estão se preparando para atender à crescente demanda e proporcionar uma experiência ainda mais especial aos clientes. Pensando nisso, executivos da Nexaas, VarejOnline e Simples Inovação, empresas voltadas aos setores do varejo e e-commerce reuniram algumas dicas de ações pertinentes que varejistas ainda podem investir para a data. Confira:

 

1- Visual Merchandising 

Julgar um livro pela capa não é legal, mas quando tratamos do varejo físico, tal atitude é inevitável. Nossos olhos tendem, sim, a se atrair por vitrines chamativas e bonitas. "Aplicar o visual merchandising, especialmente em datas comemorativas em que as pessoas saem às compras com objetivos específicos, é essencial para lojistas que tenham em seus escopos artigos voltados às datas", pontua Andrei Dias, head de vendas da Nexaas, retail tech especializada em inovação para o varejo.

 

Atente-se aos detalhes

O executivo reforça, no entanto, que não basta focar em itens decorativos para atrair clientes às lojas. Vale dar uma atenção especial aos detalhes dos produtos pensados para a data, e verificar se eles se comunicam de fato com o público-alvo que a loja quer atingir.

 

Cuidado com a poluição visual

Cuidado também para não pecar por excesso! "É preciso expor o atrativo ideal de forma 'limpa', tomando cuidado com exageros que podem acabar poluindo a vitrine", ressalta Dias. Logo, é recomendável que se escolha alguns itens considerados mais certeiros para a exposição na data, deixando-os em pontos estratégicos da vitrine e interior da loja.

 

2- Promova ações com experiências 

 

Para esta etapa, é importante compreender quem são os clientes da loja, isso envolve a coleta e análise de dados, além do comportamento de compra do consumidor. Ao conhecer o perfil de cada um deles, o comerciante oferece uma experiência mais personalizada e relevante. Dessa maneira, é possível assegurar que todos os momentos da interação, desde o primeiro atendimento até a previsão de necessidades futuras, sejam otimizados. 

“Estratégias que despertam curiosidade e interagem diretamente com os clientes têm um grande poder de atração. Uma iniciativa bem executada pode resultar em vendas espontâneas, simplesmente por capturar a atenção dos consumidores que passam pela loja”, comenta Juliano Mortari, CEO e fundador da VarejOnline.

 

Personalização excessiva

Embora seja frequentemente vista como uma ferramenta poderosa para melhorar a experiência do cliente, quando feita em excesso, pode ter efeitos negativos fazendo com que os consumidores se sintam desconfortáveis ou até mesmo manipulados. “É importante que as marcas encontrem um equilíbrio entre a personalização e o respeito à privacidade e autonomia dos clientes”, destaca Mortari. 

 

 

3- Desenvolva seu e-commerce

 

A concorrência está cada vez mais acirrada no ambiente online –  o comércio eletrônico está em franco crescimento e deve atingir o valor de  70 trilhões de dólares até 2028, um crescimento de cerca de 27% comparado a 2023, de acordo com a IMARC Group. Por isso, é necessário que os negócios tenham consciência da qualidade de seus e-commerces e consigam promover jornadas de compra fluidas, intuitivas e seguras. 

"A experiência do cliente deve ser prioridade, especialmente com a grande oferta de produtos e serviços pela internet. Os ambientes online de compra das marcas devem estar em constante evolução com o objetivo de se destacarem entre os demais", diz Daniela Torres, Sócia e CEO da Simples Inovação, empresa com foco em modelagem de negócios para o e-commerce. 

 

Inteligência artificial no e-commerce

As IAs pensam e aprendem padrões através da análise de algoritmos e machine learning, e podem ser usadas nos e-commerces para fazer atendimentos via chatbots, oferecer itens específicos a um usuário que já demonstrou interesse num semelhante e analisar dados de comportamento de navegação. "A inteligência artificial vem sendo aplicada com sucesso nos negócios, sugerindo produtos, respondendo a perguntas de forma mais humanizada e personalizando as jornadas online", finaliza Moraes.




Comente esta notícia