logomarca
Cuiabá, 15 de Julho de 2024.

Saúde Quinta-feira, 04 de Janeiro de 2024, 13:58 - A | A

Quinta-feira, 04 de Janeiro de 2024, 13h:58 - A | A

Médico explica

Entenda a cirurgia cardíaca do cantor sertanejo João Carreiro

A música sertaneja perdeu um jovem e talentoso cantor na noite de ontem aos 41 anos por não resistir a troca da válvula mitral no coração.

Reprodução: INSTAGRAM

John

 


João Carreiro tinha um problema no coração chamado de prolapso da válvula mitral (PVM). Essa alteração na estrutura dessa válvula faz com que o coração não consiga controlar o bombeamento do sangue que entra e sai dos seus átrios e válvulas. Provocando vazamento para o átrio por conta da incapacidade de vedação adequada, por isso ele se submeteu ao procedimento cardíaco no intuito de trocar essa válvula.

A cirurgia da válvula mitral é um procedimento crucial para tratar condições como o prolapso de valva mitral, restaurando a função normal do coração e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Existem diferentes abordagens cirúrgicas, cada uma adaptada às necessidades específicas do paciente e à gravidade da doença.

A técnica mais comum para reparo da válvula mitral é a plastia valvar. Nesse procedimento, o cirurgião corrige a válvula mitral danificada sem a necessidade de substituição. Isso é feito através da remodelação da própria valva ou com o uso de anéis valvares para garantir o fechamento adequado da válvula.

Em casos mais graves, quando a reparação não é viável, a substituição da válvula mitral pode ser necessária. Isso pode envolver a utilização de uma válvula biológica, geralmente feita de tecido animal, ou uma válvula mecânica. A escolha entre essas opções depende de vários fatores, como a idade do paciente, a presença de condições médicas adicionais e a preferência do próprio paciente.

A cirurgia da válvula mitral pode ser realizada por meio de diferentes abordagens, incluindo a cirurgia a céu aberto (esternotomia) ou procedimentos minimamente invasivos, nos quais pequenas incisões são feitas, muitas vezes resultando em uma recuperação mais rápida e menor tempo de internação hospitalar.

Toda cirurgia há risco principalmente se tratando do coração. Por isso é sempre importante fazer acompanhamento com cardiologista que vai ver se o paciente tem alguma anomalia e precisa de tratamento medicamentoso ou cirurgia.

Divulgação

19E7D55C-5EE3-4D4D-A399-E74211E95331.jpeg

 


Max Lima é médico especialista em cardiologia e terapia intensiva, conselheiro do CFM,  ex-presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia de Mato Grosso(SBCMT), Médico Cardiologista do Heart Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida Diagnóstico e Saúde. CRMT 6194




Comente esta notícia