logomarca
Cuiabá, 20 de Julho de 2024.

Saúde Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2024, 09:11 - A | A

Quinta-feira, 15 de Fevereiro de 2024, 09h:11 - A | A

Dicas

De chás à drenagem: 6 dicas para fazer um detox pós-folia

Os excessos geram uma sobrecarga nos órgãos responsáveis por processar e eliminar as toxinas

Divulgação

unnamed (9).png

 

Se você se esbaldou no carnaval, com direito a muitos drinques e comidas gordurosas, é hora de cuidar do corpo, que já está sob efeito do acúmulo de toxinas, estimulando a formação de radicais livres.

Segundo Claudia Chang, doutora e pós-doutora em Endocrinologia e Metabologia pela USP, e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM); os radicais livres provocam o estresse oxidativo, interferindo nos processos metabólicos do organismo.

*Um estudo publicado na Revista Brasileira de Psiquiatria, em 2023, revelou que 40% dos foliões costumam ingerir bebidas alcoólicas em doses muito mais elevadas do que o habitual.

“O excesso de álcool nessa época, somado à má alimentação e à redução na qualidade do sono, sobrecarrega os órgãos responsáveis por processar e eliminar as toxinas, como fígado, rins e intestinos, prejudicando todo o funcionamento do corpo, incluindo a digestão, imunidade e até o desempenho cognitivo”, diz a especialista.

Para ajudar no processo de desintoxicação, confira 6 dicas que irão renovar seu organismo:

 

Hidrate-se mais do que o habitual: após o carnaval, ingerir muita água ao longo do dia se torna regra. Segundo a endocrinologista, além de repor a hidratação perdida, o aumento do consumo de água estimula o funcionamento dos rins e, consequentemente, a produção de urina, eliminando o excesso de líquidos, sódio e toxinas.

“Sucos e água de coco também são recomendados, mas precisam ser naturais. Os industrializados possuem alto teor de sódio, corantes, aromatizantes e outras substâncias que vão sabotar sua desintoxicação”, reforça Claudia, que também é coordenadora e professora da pós-graduação em Endocrinologia do Instituto Superior de Medicina (ISMD).

 

Aposte nos chás digestivos: os chás à base de ervas naturais também são aliados do detox. Segundo Paula Molari Abdo, farmacêutica pela USP e diretora técnica da Formularium, o chá de boldo, por exemplo, é tradicionalmente conhecido por suas propriedades benéficas para a saúde do fígado.

“O boldo possui efeitos hepatoprotetores, auxiliando na função hepática, além de estimular a produção de bile, essencial para facilitar a digestão, principalmente de alimentos gordurosos”, conta Paula Molari, também especialista em Atenção Farmacêutica pela USP e membro da ANFARMAG (Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais).

Já a erva-doce, frequentemente associada a problemas digestivos, possui anetol e fenchona, componentes com efeito carminativo, que exerce ação antiespasmódica nos músculos estomacais, evitando gases e cólicas. Por fim, o chá de alcachofra, cuja erva é rica em cinarina e ácido clorogênico, também contribui com a função hepática e a produção de bile, além de ter propriedades diuréticas, ajudando a eliminar urina e a reduzir o inchaço abdominal”, conclui Paula Molari Abdo.

 

Consuma sementes e folhas verde-escuras: sementes proporcionam uma maior ingestão de vitamina E (com ação antioxidante) e ômega-3 (ácido graxo com poder anti-inflamatório). “Além disso, elas oferecem minerais como cálcio, cobre, magnésio, manganês e selênio, essenciais para o equilíbrio das reações bioquímicas do organismo”, pontua a endocrinologista.

Entre eles, estão amêndoas, castanhas, avelãs, castanha-do-pará, castanha-de-caju, nozes, pistache, semente de chia e de girassol. “Também consuma brócolis, espinafre, chicória e couve, além das verduras amargas, como rúcula e agrião. São fontes de fibras importantes, que ajudam a limpar o organismo, melhoram a digestão e diminuem a absorção de gorduras e toxinas”.

 

Invista nas frutas certas: frutas ricas em água e com baixas calorias, como melancia e melão, devolvem a hidratação perdida. “Já a laranja, o mamão e o morango podem ser eficazes por conter enzimas benéficas à drenagem de impurezas, potencializando a renovação do fígado”, diz Claudia Chang.

 

Retome sua rotina de sono: depois dos dias de folia, dormindo tarde e com má qualidade de sono, é hora de reajustar seu relógio biológico. “É durante o sono que o corpo trabalha para equilibrar diversas funções do organismo. Uma noite bem dormida regula os processos metabólicos e hormonais do corpo, além de ter função restauradora ao eliminar toxinas e fortalecer o sistema imunológico”, ressalta Chang.

 

Reforce os cuidados com a pele: o cirurgião plástico Luís Maatz, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), que também atua com procedimentos estéticos não invasivos, sugere redobrar os cuidados com a pele após o carnaval.

Ele afirma que o consumo em excesso de bebidas alcoólicas causa desidratação cutânea e acelera o envelhecimento. “Para metabolizar uma molécula de álcool, o organismo precisa abrir mão de nove moléculas de água. A partir do momento em que não há moléculas de água o suficiente para a hidratação, o corpo começa a retirar da pele, deixando-a desidratada e sem viço”, explica Luís Maatz.

Sendo assim, o médico recomenda alguns procedimentos para reaver a pele saudável. Um deles é a aplicação do ácido hialurônico, uma substância injetável que, além de corrigir rugas já formadas, devolve perdas de volume e contribui para a hidratação da pele.

Outro tratamento indicado são os bioestimuladores de colágeno, substâncias aplicadas na face para estimular a produção de novas fibras de colágeno, proporcionando a reestruturação da pele. “Com a aplicação, a pele retoma a produção das fibras de elastina e do próprio colágeno, responsável pelo equilíbrio e viço da pele”.

Por fim, a drenagem linfática ajuda a eliminar toxinas e líquidos acumulados em excesso nos tecidos corporais. “A massagem estimula o funcionamento do sistema linfático através de movimentos circulares, favorecendo a eliminação de toxinas e metabólitos, aumentando a oxigenação dos tecidos e a absorção de nutrientes por meio do trato digestório”, finaliza Luís Maatz.

 Consumo de bebidas alcoólicas no Carnaval: prevalência e fatores associados, Revista Brasileira de Psiquiatria (2023).

 




Comente esta notícia