logomarca
Cuiabá, 19 de Julho de 2024.

Palavra de Profissional Quarta-feira, 27 de Março de 2024, 17:18 - A | A

Quarta-feira, 27 de Março de 2024, 17h:18 - A | A

reprodução

Planejamento familiar no século XXI: reprodução assistida avança e número de embriões congelados aumenta mais de 125% em dez anos

 

Em uma memorável noite de 1978, a ciência apresentou ao mundo um de seus mais esperançosos milagres: o nascimento de Louise Brown, a primeira pessoa concebida por meio da fertilização in vitro (FIV). Esse evento histórico não somente marcou um triunfo da engenhosidade humana, mas também acendeu um farol de esperança para milhões de pessoas que enfrentam a infertilidade. Anos mais tarde, o Brasil celebrou a chegada de Anna Paula Caldeira, a pioneira bebê de proveta da América Latina.

Desde aqueles primeiros dias, a reprodução assistida evoluiu incessantemente. O termo "bebê de proveta" agora evoca um amplo espectro de técnicas avançadas, expandindo as possibilidades de formação da família. Técnicas como a inseminação intrauterina e a gestação de substituição têm aberto novos caminhos para uma diversidade de estruturas familiares — incluindo casais LGBTQIA+, mulheres solteiras e outros — alcançarem o sonho da parentalidade.

Congelamento de óvulos

Um dos avanços mais notáveis nesse campo é o congelamento de óvulos e embriões, uma revolução poderosa em uma era onde muitos optam por adiar a maternidade. No Brasil, os números são expressivos: o total de embriões congelados aumentou em 125,52% entre 2014 e 2023, saltando de 47.812 para 107.830 procedimentos anuais, de acordo com o Sistema Nacional de Produção de Embriões (SisEmbrio) da Anvisa. Esse progresso não apenas oferece uma liberdade inédita, mas permite que a jornada para a parentalidade se ajuste aos sonhos e necessidades individuais. Só nos últimos quatro anos, entre 2020 e 2023, foram congelados mais de 390 mil embriões.

Reforma do Código Civil

A atualização da legislação no país também reflete um compromisso com práticas de reprodução assistida mais seguras, inclusivas e acessíveis. A reforma do Código Civil, encabeçada por uma comissão de 38 juristas, e, com votação prevista para a primeira semana de abril, propõe reconhecer a multiplicidade de estruturas familiares e estabelecer regulamentações inovadoras na área. Isso inclui desde o congelamento de embriões até a gestação por substituição, evidenciando um esforço legislativo para se alinhar às evoluções familiares e tecnológicas contemporâneas.

Assim, contemplamos um futuro repleto de possibilidades, inspirados pelo passado e pelo presente da medicina reprodutiva. Cada avanço, cada história de sucesso é um testemunho do poder da ciência em transformar vidas, oferecendo novas esperanças e possibilidades a todos que sonham em formar uma família. A reprodução assistida não é apenas uma conquista científica; é uma celebração da diversidade, da inclusão e da capacidade humana de superar obstáculos.

Olhando para frente, a promessa de novas descobertas e inovações continua a inspirar. Esse é um convite não apenas para refletir sobre o impacto da reprodução assistida, mas também para apoiar fervorosamente a pesquisa e a inovação que moldam e moldarão o futuro da formação de milhares de famílias. 

 

Sobre Cláudia Navarro

Cláudia Navarro é especialista em reprodução assistida. Graduada em Medicina pela UFMG, titulou-se Mestre e Doutora em Medicina (obstetrícia e ginecologia) pela instituição federal. E, durante muitos anos, trabalhou ao lado do Prof. Aroldo Fernando Camargos, desde a fundação do Laboratório de Reprodução Humana do Hospital das Clínicas da UFMG – HC. Atualmente, a médica atua na área de reprodução humana na Life Search, trabalhando principalmente os seguintes temas: infertilidade, reprodução assistida, doação e congelamento de gametas.   

 




Comente esta notícia