logomarca
Cuiabá, 18 de Julho de 2024.

Mulher em Destaque Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024, 12:42 - A | A

Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024, 12h:42 - A | A

representatividade

A ascensão do movimento "midsize" e a busca por representatividade corporal

Divulgação

80cbf7ae52ca7305dbfcc3eac75e4516.jpg

 

O termo "midsize" tem ganhado destaque nas redes sociais, especialmente no TikTok, com quase 7 bilhões de visualizações na hashtag #midsize. A expressão refere-se a mulheres que não se veem enquadradas nos padrões convencionais de magreza ou gordura, representando uma categoria intermediária.

Embora já utilizado no universo da moda, o conceito ganhou notoriedade em 2016, quando a comediante norte-americana Amy Schumer rejeitou a classificação de "plus size" e se identificou como "midsize". O movimento também está ligado a iniciativas de autoaceitação e positividade corporal, promovendo uma visão positiva de corpos de todos os tamanhos, formas, raças, sexos e capacidades físicas.

As mulheres midsize geralmente enfrentam dificuldades para encontrar roupas que atendam às suas necessidades em lojas convencionais e plus size. Esta categoria abrange mulheres que não se consideram magras, mas também não se identificam com o movimento plus size, escapando dos estigmas associados à gordofobia.

Com variações de tamanho entre 42 e 50, a falta de padronização nas numerações das lojas torna difícil definir critérios absolutos. A identificação com o termo é mais uma questão pessoal. Em comum, as mulheres midsize compartilham a experiência de não se enquadrarem nos padrões convencionais de magreza ou gordura, proporcionando uma perspectiva única em um mundo que historicamente polarizou essas categorias.




Comente esta notícia