logomarca
Cuiabá, 19 de Julho de 2024.

Variedade Terça-feira, 12 de Março de 2024, 21:55 - A | A

Terça-feira, 12 de Março de 2024, 21h:55 - A | A

Expressão corporal

Ballet Fly: mulheres encontram na dança e nas acrobacias aéreas a liberdade de ser quem são

De idades diferentes, elas alcançaram força, vitalidade e conexão consigo mesmas por meio das figuras de circo feitas no tecido acrobático; conheça histórias

Divulgação

20fa49d8-348b-4ced-9e8a-7e639464ed82.jpeg

Gabrielle de Carvalho Gomes

“Através do movimento, exploramos novas sensações e ampliamos nossa consciência corporal. Na dança, encontrei uma possibilidade de expressão que ultrapassa o treino individual e cria uma conexão com o outro”. Isso é o que diz Letícia Marchetto, dançarina, formada em educação física, e criadora do método Ballet Fly, uma atividade física lúdica que mistura dança com acrobacias aéreas e figuras no tecido. Para a dançarina, o movimento dançado é uma forma de aprender mais sobre si e sobre o corpo.

Divulgação

2c21dee7-3c9f-438e-a2ec-5bfd539f19a7.jpeg

Ana Righetti

Ana Cristina Soares Righetti, 54 anos, é consultora em gestão de Tecnologia da Informação e aluna do Ballet Fly. Ela encontrou na metodologia desenvolvida para adultos iniciantes sem experiência prévia com acrobacias, uma nova jornada de autocuidado e superação. "Comecei a praticar o Ballet Fly no ano passado, buscando melhorar minha saúde física e enfrentar a falta de mobilidade que a idade e a menopausa trouxeram. O ambiente acolhedor e as pessoas que encontrei nas aulas me fizeram sentir segura e motivada a continuar".

Com uma faixa etária diversificada que abrange pessoas de 25, 40 e até mais de 60 anos, o Ballet Fly oferece o treino de força necessário para condicionar o corpo adequadamente, deixando-o apto a executar as acrobacias em segurança. Dentre os benefícios da metodologia, estão: fortalecimento global, ou seja, braços, pernas, core e costas; ganho de flexibilidade, em especial da coluna, dos ombros e das pernas; melhora da consciência corporal e entre outros.

Ana conta que antes de iniciar as aulas de Ballet Fly, se considerava muito sedentária e nunca praticou muitos exercícios físicos. “Em uma certa idade, diversos fatores me fizeram tomar a iniciativa de começar a realizar exercícios físicos, como a falta de mobilidade e de força, a perda muscular, entre outros”, desabafa.

Para a consultora, que sempre teve resistência a fazer atividade física, o Ballet Fly foi uma grande transformação pessoal. “É muito prazeroso observar a evolução ao longo do tempo. Desde o fortalecimento do corpo até a sensação de acessar todo seu potencial, o Ballet Fly revela sua liberdade a cada aula”. Antes, Ana enfrentava dificuldades simples, como abaixar para pegar uma panela ou calçar sapatos. Ela conta que sua mobilidade estava comprometida e as dores eram constantes.

“Hoje, após me dedicar a essa prática, recuperei minha força muscular. Sinto que sou capaz de realizar tarefas antes impossíveis, como levantar uma mala para colocá-la no compartimento de um avião e caminhar por longos períodos sem desconforto. O Ballet Fly não apenas me ajudou a superar minhas limitações físicas, mas também me trouxe uma sensação renovada de força e bem-estar", compartilha Ana.

Para Gabrielle Gomes, designer de 31 anos, o Ballet Fly foi um resgate de sua conexão consigo mesma. Ela comenta ter começado a prática em um momento de fragilidade, buscando se reconectar com a sua feminilidade. A cada aula, Gabrielle diz que pode descobrir novas possibilidades em seu corpo e conhecer ainda mais o seu feminino. “Nesses momentos pude materializar e ter a certeza de que ‘sim, sou eu e é poético o que meu corpo pode fazer’. O Ballet Fly me ensina constantemente que tudo é construção, que cada avanço é para algo maior ainda que às vezes nem temos ideia”, desabafa.

Segundo uma análise da autoestima feminina no Brasil “What Women Want?”, realizada pela Kantar, quase 20% das mulheres se sentem com baixa autoestima e apenas 10% dos homens declaram o mesmo. O estudo mostra que as mulheres ainda sentem que estão encurraladas quando se trata de autonomia e auto expressão e tem o objetivo de entender melhor o empoderamento feminino brasileiro e a relação das mulheres com a autoestima.

"É bonito demais ver as trocas que construímos durante as aulas, o apoio, a motivação, as novas amizades que vão surgindo. A endorfina vai à milhão e ainda quero vibrar muito pelas minhas conquistas e de todas as mulheres do Ballet Fly", diz Gabrielle. Hoje, a designer afirma ter a liberdade de explorar novas formas de se movimentar, conhecer outros tipos de exercícios físicos e de se enxergar. “Ter a consciência de que nosso bem-estar não pode ser atrelado a padrões e saber acolher nosso corpo as inúmeras mudanças”, finaliza.

Letícia Marchetto também expressa o real significado da modalidade: o primeiro trabalho que o Ballet Fly faz é diretamente na mente. “A gente já começa na primeira aula com a sensação de superação, empoderamento, pois a força está dentro dessas mulheres. Elas possuem força e poder, cabendo-nos apenas exercitá-los para desencadear sua expressão e amplitude”, complementa.




Comente esta notícia