logomarca
Cuiabá, 15 de Julho de 2024.

Variedade Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 12:05 - A | A

Quinta-feira, 16 de Maio de 2024, 12h:05 - A | A

Dicas

6 DICAS DO QUE NÃO FAZER NO E-COMMERCE PARA VÊ-LO PROSPERAR

Divulgação

IMG_1333.jpeg

 


Deixar de investir em pontos como planejamento, segurança, marketing, canais de atendimento e meios de pagamento e frete pode provocar perda de clientes e a consequente queda no faturamento
 

 

De acordo com a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o e-commerce deve alcançar um faturamento da ordem de R$ 205,11 bilhões em 2024, o que representa um aumento de 10,45% na comparação com a previsão de vendas anotada para 2023. A expectativa da entidade é de que as lojas online somem aproximadamente 418,6 milhões de pedidos, feitos por cerca de 91 milhões de consumidores. 

 

Para Felipe Rodrigues, fundador e CEO da Enviou - plataforma especializada em ferramentas e soluções para automatizar o marketing para e-commerce – as lojas online precisam se preparar para alcançar os bons resultados almejados. Para isso, ele recomenda que alguns pontos sejam observados atentamente a fim de evitar problemas e, consequentemente, atrair mais consumidores. 

 

Se a equipe do e-commerce conseguir estruturar um bom planejamento, fizer ajustes em pontos de atrito e souber combinar as ferramentas certas para criar campanhas estratégicas e ações que tenham sinergia com o público consumidor, o sucesso – e o faturamento – certamente virão”, destaca Rodrigues. 

 

O especialista em e-commerce destaca 6 dicas do que os empreendedores e varejistas online não devem fazer se quiserem conquistar clientes e, consequentemente, garantir bons resultados. A primeira delas, de acordo com o CEO da Enviou, é não fazer um planejamento para o ano. “Planejar significa minimizar riscos e trabalhar da melhor maneira possível com os recursos disponíveis”, pontua. Por isso, Rodrigues indica que todo negócio tenha objetivos e metas pré-estabelecidas e que o planejamento seja revisitado diversas vezes durante o ano para possíveis ajustes de rota. Ao se antecipar, o e-commerce pode chegar em um novo nível. 

 

O segundo ponto a ser evitado é a falta de investimento em segurança para a loja virtual. Não ter certificação SSL e ferramentas de pagamentos seguras pode ser um ponto crítico para as vendas. “Muitos consumidores ficam preocupados em compartilhar suas informações e redobram a atenção na hora de efetuar compras pela internet. Oferecer segurança é essencial nesse negócio”, explica. 

 

Outro aspecto relevante é a questão da prova social. A falta de avaliações feitas por outros consumidores a respeito da experiência de compra no e-commerce ou mesmo sobre o produto em questão pode deixar o consumidor com um pé atrás. Por isso, a recomendação é estabelecer conexão com o cliente de forma que ele se sinta engajado a publicar suas impressões e, então, colocar os feedbacks mais interessantes em destaque. 

 

Felipe Rodrigues também chama a atenção para as imagens dos produtos ofertados e para a descrição de cada item vendido. As fotos expostas no e-commerce precisam transmitir ao máximo a originalidade da marca. Além disso, o consumidor gosta de ter uma visão 360º do produto para ter certeza de que a escolha está realmente certa. Dessa forma, é de extrema importância publicar fotos detalhadas e que demonstrem a maior exatidão possível de cada item. Isso também ajuda a evitar possíveis trocas. O descritivo também ajuda nesse processo. Por isso, descreva cada produto com o máximo de detalhes, características e especificações. 

 

O 5º ponto a ser observado tem a ver com a falta de opções de pagamento e frete. “Não é necessário oferecer todas as opções disponíveis no mercado. Basta pesquisar entre o público aqueles que são mais utilizados ou os seus preferidos e se concentrar em disponibilizar esses meios”, orienta Rodrigues. No caso do frete, procure oferecer algumas alternativas também. Para isso, firme parceria com uma empresa de logística, com os Correios e ofereça, se possível, a opção de retirada em um ponto físico. 

 

Por fim, o fundador da Enviou chama a atenção para outros dois aspectos: a falta de canais de atendimento ao cliente e a ausência de ferramentas e estratégias de marketing. Segundo o executivo, mesmo com um bom descritivo e com boas fotos, é possível que o consumidor manifeste alguma dúvida no momento da realização das compras. Uma forma de não perder uma venda eminente é ter um canal de atendimento disponível. Além de auxiliar no momento exato, a existência desse meio também propiciará mais segurança ao cliente, especialmente se for um novo consumidor. 

 

Além disso, ao deixar de investir em ferramentas estratégicas para o desenvolvimento do marketing do e-commerce, a loja online pode perder oportunidades importantes. “A tecnologia é uma importante aliada do marketing, especialmente quando a loja investe em ferramentas que promovem a recuperação de carrinhos abandonados, a recompra inteligente ou mesmo o retorno à navegação. Aliadas ao e-mail marketing e trabalhando com todas elas de maneira integrada, é possível facilitar a vida dos gerentes de e-commerce e dos times de marketing e, principalmente, agregar ao desempenho de vendas das lojas online”, finaliza Felipe Rodrigues, fundador e CEO da Enviou. 

 

Mais sobre o Enviou – www.enviou.com.br: 

O Enviou nasceu no início do ano de 2016 por uma necessidade identificada por Felipe Rodrigues: aumentar as vendas, fidelizar clientes, bem como recuperar carrinhos abandonados nas lojas virtuais. A empresa já está integrada a mais de 106 mil plataformas de e-commerce em atuação no mercado e oferece ao lojista online uma série de soluções, além de relatórios que não só auxiliam na alavancagem de vendas, como na tomada de decisões estratégicas para o crescimento das lojas. O Enviou vem crescendo de forma significativa: já são mais de 100 mil lojas atendidas e mais de R$ 1 bilhão em vendas geradas, somando todas as operações. A empresa recebeu em 2017, 2018 e 2021, o reconhecimento como uma das melhores ferramentas de marketing digital, concedido pela ABCOMM – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico no Prêmio ABCOMM de Inovação Digital. 




Comente esta notícia