logomarca
Cuiabá, 18 de Julho de 2024.

Saúde Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024, 10:35 - A | A

Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024, 10h:35 - A | A

esclarecimento

Mentiras sobre amamentação podem prejudicar mãe e bebê

Falsas teorias sobre aleitamento materno podem causar insegurança e riscos à saúde, saiba o que é mentira sobre o tema.

FREEPIK

mae-amamentando-bebe-em-posicao-confortavel.jpg

 

A amamentação proporciona diversos benefícios para a mãe e o bebê, segundo o Ministério da Saúde. É por meio do leite materno que a criança recebe todos os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento, aumentando a imunidade e reduzindo os riscos de alergias, hipertensão, diabetes, obesidade e mortalidade infantil. Amamentar contribui para a saúde física e mental da mulher, ajudando na recuperação pós-parto, na prevenção de doenças e no fortalecimento do vínculo com o bebê.

No entanto, muitas mães podem encontrar uma série de desafios durante o processo. Conforme a Secretaria de Saúde do Governo do Paraná, seis em cada dez mulheres têm dificuldade para amamentar seus filhos. Esta realidade, somada à importância do aleitamento materno, faz com que falsas teorias sejam criadas sobre o assunto. 

Na internet, por exemplo, é fácil se deparar com mentiras sobre o tema, o que só prejudica a mãe e o bebê. Distinguir o que é informação correta e o que é mito contribui para combater a desinformação e evitar riscos à saúde das mães e dos bebês. 

Beber cerveja preta aumenta o volume do leite

O consumo da cerveja preta como um agente para o aumento do volume do leite materno é uma das principais mentiras difundidas sobre a amamentação. Segundo o Ministério da Saúde, não há evidências científicas de que a teoria seja verdadeira. 

A circulação da informação incorreta pode induzir as mulheres ao consumo de cerveja durante o período da amamentação, o que pode ser prejudicial para a saúde do bebê. 

Assim como qualquer outro tipo de bebida alcoólica, o produto não deve ser ingerido nesta fase, principalmente, em grandes quantidades. 

O Ministério da Saúde aponta que, para as mulheres que bebem cerveja para relaxar, a solução é encontrar outras alternativas que não prejudiquem a saúde da criança. 

Alimentação não interfere no leito materno 

Esta é mais uma mentira sobre o assunto. De acordo com o Ministério da Saúde, além das bebidas alcoólicas, o café e os alimentos muito gordurosos, como o chocolate, devem ser evitados ou consumidos em poucas quantidades no período da amamentação. 

A mesma recomendação é válida para alimentos ultraprocessados, que costumam ter uma grande presença de sódio na composição, agente contribuinte para doenças do coração, diabetes e vários tipos de câncer. 

Dessa forma, a orientação das autoridades de saúde é para que as mulheres tenham uma alimentação saudável, equilibrada e rica em nutrientes desde a gestação. O ideal é adotar um estilo de vida com consumo de alimentos in natura, como frutas, legumes, verduras e carnes, com preparações feitas em casa. 

Para manter os níveis de nutrientes em dia, é possível recorrer aos suplementos como o Ogestan Gold, ômega 3, ferro e vitaminas. A suplementação deve ser feita com supervisão médica.

Algumas mães produzem leite mais fraco 

Lado a lado às teorias sobre alimentação está a ideia de que algumas mulheres produzem leite mais fraco do que outras. Conforme explica a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), todas as mães garantem o alimento de qualidade para seu bebê.   

Esta é uma das falsas crenças que deixam as mães inseguras durante a amamentação, o que pode não ser benéfico para a saúde mental. Segundo a Fiocruz, o que pode acontecer é o bebê ingerir uma quantidade insuficiente de leite materno, o que contribui para diminuir a produção, sendo necessária uma avaliação para identificar a origem do problema: pega, posicionamento ou alterações no freio da língua da criança, por exemplo. 

Ainda segundo a Fiocruz, a capacidade nutricional do leite só ficará comprometida em casos severos de desnutrição das mães, o que é raro de acontecer. 

O tamanho dos seios interfere na produção de leite  

Outra mentira sobre a amamentação acompanha as mulheres desde a gestação, pois está ligado à questão estética. Há a falsa teoria que o tamanho dos seios interfere na produção de leite, responsável por causar insegurança. 

Entretanto, a Secretaria de Saúde da Prefeitura de Canoas, no Rio Grande do Sul, informa que o tamanho dos seios não interfere na produção de leite materno e não gera impactos na nutrição do bebê.

A única questão que pode acontecer em relação ao tamanho dos seios é a adaptação à posição e ao manejo, principalmente, nos primeiros meses em que a mãe e o bebê estão aprendendo o processo de amamentação. 

Mulheres com hipomastia — quando não há desenvolvimento do tecido mamário — ou que passaram por cirurgias de redução ou aumento das mamas também podem enfrentar esse tipo de dificuldade para amamentar. 




Comente esta notícia