logomarca
Cuiabá, 14 de Julho de 2024.

Mulher em Destaque Quinta-feira, 27 de Junho de 2024, 14:57 - A | A

Quinta-feira, 27 de Junho de 2024, 14h:57 - A | A

Pink tax

Fenômeno "Pink Tax" levanta discussão sobre maior tributação para produtos e serviços femininos

A diferença de valores impacta diretamente o orçamento familiar e pode restringir o acesso a produtos essenciais, como itens básicos de higiene e saúde

Divulgação

73301ed2-dfc6-45d8-85aa-776356c15a73.jpeg

 


Reconhecido globalmente, o "Pink Tax", ou "Taxa Rosa", refere-se ao aumento dos preços de produtos e serviços voltados para mulheres, em comparação com os equivalentes para homens. Para a Grant Thornton, uma das maiores empresas de consultoria, auditoria e tributos do mundo, o tema tem grande relevância e deve ser pautado na Reforma Tributária.
Na prática, artigos como roupas e acessórios femininos, remédios anticoncepcionais e itens de higiene pessoal têm a carga tributária até 30% maior, de acordo com o relatório da Secretaria de Política Econômica. Por isso, a analista em tributos e mobilidade global da Grant Thornton Brasil, Sabrina Lawder, alerta para o impacto do fenômeno nos orçamentos familiares.


"O efeito do Pink Tax pode impedir que as mulheres tenham acesso a produtos básicos e serviços específicos. Por isso, a Reforma Tributária precisa atender a produção e o empresariado brasileiro, com foco no crescimento necessário, mas acima de tudo deve favorecer a população e garantir a inclusão", afirma a executiva.
Esse fenômeno não é exclusivo no Brasil. Em 2015, a questão recebeu muita atenção quando o Departamento de Defesa do Consumidor de Nova Iorque encontrou muitos casos de preços baseados no gênero, ao examinar 794 produtos vendidos na cidade para consumidores de todas as idades. Vários estados aprovaram leis contra preços discriminatórios de produtos e serviços com base no gênero, houve também várias tentativas de aprovar tal lei em nível federal.
Mulheres ganham menos e ocupam menos cargos de liderança
Essa postura do mercado reflete toda uma infraestrutura que apresenta diversos fatores que contribuem para que as mulheres enfrentem mais desafios.
Além de tributos mais altos, existe ainda o agravante da diferença salarial. Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2022, as mulheres receberam salários menores que os homens em 82% das principais áreas de atuação no Brasil. Dessa participação de mercado, apenas 33% das lideranças das empresas é feminina, aponta o estudo da Grant Thornton, Women in Business 2024.

Divulgação

600158a9-227c-432b-a5c9-48ae225beef0.jpeg

Sabrina


"A liderança da mulher a partir do topo é fundamental para impulsionar cada vez mais mudanças no mercado. Quanto maior a presença nesses cargos, maior é o número de profissionais femininas nas empresas e, assim, tornar as discussões sobre igualdade ainda mais presente nas organizações", completa Sabrina.

Sobre a Grant Thornton


A Grant Thornton é uma das maiores empresas globais de auditoria, consultoria e tributos. Está presente em mais de 149 países e conta com mais de 68.000 colaboradores. No Brasil, está posicionada nos 16 principais centros de negócios do país, contando com mais de 1.700 pessoas, atendendo empresas nas mais variadas etapas de crescimento, desde startups a companhias abertas. Com uma forma de trabalho customizada, auxilia empresas dinâmicas a atingirem seus potenciais de crescimento de forma sustentável, gerando a melhor proposta de valor para o negócio por meio de recomendações significativas, voltadas para o futuro.




Comente esta notícia