logomarca
Cuiabá, 14 de Julho de 2024.

Mulher em Destaque Domingo, 10 de Março de 2024, 00:31 - A | A

Domingo, 10 de Março de 2024, 00h:31 - A | A

Mulheres à frente

elas são maioria entre chefes de família, mas enfrentam os maiores índices de desemprego no país

Nos últimos dez anos, 51% dos lares brasileiros passaram a ser chefiados por mulheres. Ao mesmo tempo, elas ainda precisam lutar mais para garantir o sustento de suas famílias e superar o desemprego acima da média nacional

Divulgação

IMG_8909.jpeg

 


As mulheres são maioria na população brasileira, têm nível de escolaridade maior que os homens e assumiram a chefia de 51% dos lares brasileiros nos últimos dez anos, mas são elas também que enfrentam, ao lado das pessoas negras, o maior índice de desocupação no país, fechando 2023 com taxa acima da média nacional. Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) indicam um cenário que coloca as mulheres brasileiras em uma verdadeira corrida de obstáculos para conquistarem seus espaços, reflexo da construção social que ainda as desfavorece.

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua apontou que, no último trimestre de 2023, as mulheres registraram uma taxa de desemprego de 9,2%, enquanto os homens alcançaram o índice de 6%. Nem mesmo a maior escolaridade feminina — na população com 25 anos ou mais, 19,4% das mulheres  tinham nível superior completo em 2019 e somente 15,1% dos homens tinham esta formação — tem sido capaz de equiparar o acesso aos postos de trabalho. Como extensão deste mesmo panorama, a desigualdade de renda no Brasil faz com que as mulheres recebam 26,2% menos que os homens.

 

“Não contrata mulher, ela vai engravidar”

Uma pesquisa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) revelou que, no Brasil, 84,5% das pessoas têm ao menos um preconceito contra mulheres. O estudo revelou ainda que 31% dos brasileiros acreditam que os homens têm mais direito ao trabalho do que as mulheres ou que homens fazem melhores negócios do que as mulheres.

Para a orientadora de carreira da Refuturiza, Ellen Murray, os principais motivos que levam as mulheres a viverem a maior taxa de desemprego são, justamente, culturais. “Se você, mulher, é mãe, é questionada com quem deixa seu filho. Eu já ouvi: não contrata mulher porque se ela está casada, vai engravidar. ‘Não vou te contratar porque você é mãe, você vai procriar’. É assim, você pode trabalhar, mas vai ter um piso salarial menor”, diz Murray. 

A especialista afirma ainda que o estigma de associar o trabalho como algo ‘difícil demais’ para a mulher que é mãe é a primeira barreira utilizada para não seguir com uma contratação. “É preciso enxergar que para a mulher sempre vai ser mais difícil, principalmente para a que tem filho, uma mãe solo. E é difícil porque a sociedade impõe que é, não porque ela vê assim. Eu sou mãe solo e para mim essa jornada [na carreira] é prazerosa, mas a sociedade impõe que é difícil", aponta Ellen Murray. 

A cultura permeada pelo machismo e patriarcado é um fator destacado pela profissional como agravante para o desenvolvimento profissional das mulheres. “O mercado de trabalho ainda é muito machista, com ambientes onde a mulher sofre abusos, às vezes em um tom de brincadeira, uma olhada, e isso faz com que nós deixemos a área profissional de lado para nos dedicarmos dentro de casa. Assim acabamos reproduzindo aquela visão antiga de que a mulher serve somente para o trabalho doméstico”, destaca. 

Como reflexo de uma sociedade que ainda privilegia os homens, Murray ressalta que a falta de oportunidades também dificulta o acesso das mulheres aos postos de trabalho. “A gente não tem as mesmas oportunidades, porque para você ser vista como um homem executivo é visto, por exemplo, tem que vestir uma persona que não é sua e, por mais que você tenha os mesmos conhecimentos e as mesmas competências, é dado um valor menor”.

Para mudar o cenário que desfavorece as mulheres, Murray defende que é preciso que as empresas entendam seu papel e seu lugar na agenda da diversidade. “Temos de entender o perfil de empresa que nós somos para que tudo flua e tenhamos colaboradores que compartilhem da mesma visão que a nossa. Conhecendo a cultura da empresa e tendo paixão pela diversidade, é possível criar ações afirmativas considerando a história das pessoas”. 

 

Iniciativas que transformam

Diante do paradoxo que impacta as brasileiras — são a maioria entre chefes de família, mas têm a maior taxa de desemprego e menor renda —, oferecer alternativas de economia no dia a dia é um dos esforços do Cartão de TODOS, maior cartão de descontos em saúde, educação e lazer do país. “As mulheres são maioria em nossa base de filiados e pensar como podemos ajudá-las a enfrentar essa desigualdade é crucial. O cuidado com a saúde e educação da família tende a ser uma preocupação muito mais da mulher, por isso, a missão do Cartão de TODOS é facilitar o acesso a consultas médicas, exames, cursos e formações por meio de valores que cabem no bolso. Com a administração solidária, acreditamos que podemos gerar um impacto positivo para a população que mais precisa, e esse é nosso objetivo número um”, afirma Mariana Rangel, Diretora de Marketing do Cartão de TODOS.

Com a inflação do país acelerando no mês de fevereiro — alta de 0,78%, mais que o dobro do que foi verificado em janeiro —, planos de saúde com previsão de reajustes de até 25%  e a compra do mercado mais cara, em razão da alta nos preços do arroz, feijão e itens básicos na mesa do brasileiro, a conta não fecha para a mulher que chefia seu lar. “Pensar estratégias de economia doméstica para que essas mulheres consigam prover e cuidar de suas famílias é muito mais do que ‘fazer negócio’, é ser humano, buscando meios para amenizar e reparar uma situação que é, desde sempre, desigual”, afirma Rangel.

 

Elas são potência

Líderes sobrecarregadas na economia do cuidado, as mulheres são responsáveis por 65% do trabalho doméstico e de cuidado com seus dependentes. Este trabalho invisível, se contabilizado, subiria o PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro em 8,5%, de acordo com pesquisa do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas). Elas são indispensáveis e se destacam em casa e no mercado de trabalho, potências que movimentam a economia do país.

Vislumbrando uma outra realidade, Ellen Murray acredita que é possível romper com o círculo cultural vicioso que há tanto tempo — e desde sempre — silencia as mulheres. “Podemos enxergar um lado positivo: estamos nos posicionando cada vez mais e isso é muito importante. Então eu torço e acredito muito — porque se eu não acreditasse, acho que não trabalharia mais nessa área [de recrutamento e pessoas e cultura] — que daqui há uns cinco ou seis anos, a gente não vai ter ainda esse ambiente de igualdade, porque é uma questão social e cultural e nós precisamos romper com tudo isso, mas vamos conseguir nos desenvolver sim”. A especialista acrescenta ainda que “não fomos criadas e preparadas para o mercado de trabalho, mas já conseguimos romper com isso, porque a criação da geração de hoje é totalmente diferente, coisas que nós passávamos, essa geração não precisa mais passar e ainda bem”.

Para Mariana Rangel, o desejo para este 8 de Março é que cada mulher conquiste um presente e futuro que impulsione sua potência. “Neste Dia da Mulher, em meio a obstáculos e desafios, o objetivo é poder construir vivências mais justas, para que nossa capacidade, nosso preparo e nossa atuação sejam reconhecidos e abram espaço para novas oportunidades. Conquistamos muito, mas podemos e vamos conquistar ainda mais”, afirma Rangel.

 

 

Sobre o Cartão de TODOS

O Cartão de TODOS é referência no mercado de cartões de descontos. Criado em 2001 por Altair Vilar, em Ipatinga (MG), a empresa oferece a intermediação de descontos entre os usuários do cartão e as empresas parceiras. A adesão ao Cartão de TODOS dá direito a descontos nas mais de 420 clínicas médico-odontológicas parceiras, permitindo o acesso da população à saúde primária de qualidade, além de oferecer descontos em atividades que englobam serviços voltados à educação e ao lazer e, ainda, a itens essenciais. A empresa atende, hoje, o equivalente a mais de 16 milhões de pessoas, e possui uma rede com mais de 12.000 estabelecimentos parceiros em todo o Brasil.




Comente esta notícia