logomarca
Cuiabá, 15 de Julho de 2024.

Gastronomia Segunda-feira, 08 de Julho de 2024, 21:23 - A | A

Segunda-feira, 08 de Julho de 2024, 21h:23 - A | A

Prevenção

Chocolate e cacau na saúde e prevenção de doenças

No dia do chocolate, especialistas abordam os benefícios do alimento para a saúde

Divulgação

IMG_3012.jpeg

 

 

Em 7 de julho, foi comemorado o dia do chocolate, uma data dedicada a um dos alimentos mais amados e consumidos no mundo. O tão amado chocolate é comumente conhecido por adornar datas como a Páscoa e estar presente no cotidiano das pessoas como sobremesas ou simples doces responsáveis por aumentar a serotonina e melhorar seu humor, sendo uma aposta constante nessas circunstâncias. 

O que não é de mútuo conhecimento popular, contudo, é o fato de que o chocolate também pode ser extremamente benéfico para a saúde na prevenção de doenças e auxílio em outras partes do corpo. Por isso, é bom saber os benefícios que ele e o cacau podem trazer para sua saúde. Consultamos especialistas que mostram evidências acerca dos benefícios do consumo do chocolate que vão da melhora do fluxo sanguíneo para o cérebro até a melhora da saúde intestinal. Confira:

Guilherme Renke (@endocrinorenke), sócio fundador do Instituto Nutrindo Ideais(@nutrindoideais), endocrinologista e médico do esporte, mestre em cardiologia, explica que o cacau contém mais antioxidantes fenólicos do que a maioria dos alimentos. "Flavonoides, incluindo catequina, epicatequina e procianidinas predominam na atividade antioxidante. A estrutura tricíclica dos flavonoides determina os efeitos antioxidantes que eliminam as espécies reativas de oxigênio. O conteúdo de epicatequina do cacau é o principal responsável por seu impacto favorável no endotélio vascular devido ao seu efeito na supra regulação aguda e crônica da produção de óxido nítrico", ressalta. Além disso, seus efeitos antioxidantes podem influenciar diretamente a resistência à insulina e, com isso, reduzir o risco de diabetes.  

De acordo com Francisco Tostes (@doutortostes), especialista em medicina do esporte, atuante em endocrinologia, sócio do Instituto Nutrindo Ideais(@nutrindoideais), o consumo de chocolate também pode estimular mudanças nas vias de sinalização sensíveis ao redox envolvidas na expressão gênica e na resposta imune. "O cacau pode proteger os nervos de lesões e inflamação, proteger a pele dos danos oxidativos da radiação UV em preparações tópicas e ter efeitos benéficos na saciedade, função cognitiva do humor", comenta o profissional.

 

Chocolate na dieta

Segundo Leticia Canelada, nutricionista do Instituto Nutrindo Ideais(@nutrindoideais)/SP, com especialização em Nutrição Clínica Funcional e Genômica Nutricional, quando consumido de forma moderada e dentro de uma dieta equilibrada, o chocolate pode ser benéfico para a saúde. 

“Ele é rico em antioxidantes, que ajudam a proteger as células do corpo contra danos. Além disso, o consumo de chocolate com alto teor de cacau pode melhorar a saúde do coração ao relaxar as artérias e melhorar o fluxo sanguíneo, o que também pode auxiliar na redução da pressão arterial. O chocolate também pode melhorar a função cerebral, promover a saúde intestinal ao aumentar as bactérias boas no intestino e melhorar o humor, devido às substâncias que influenciam positivamente o cérebro”, diz.

 

Tipos de chocolate

Os benefícios do chocolate variam conforme o tipo. O chocolate amargo, que tem uma alta porcentagem de cacau (igual ou acima de 70%) e menos açúcar, é o mais benéfico devido ao seu alto teor de antioxidantes. O chocolate ao leite, que tem menos cacau e mais açúcar e leite, oferece menos benefícios. O chocolate branco, que não tem sólidos de cacau, apenas manteiga de cacau, açúcar e leite, não tem os mesmos benefícios antioxidantes, além de ter potencial pró-inflamatório devido à caseína A1. Portanto, o chocolate amargo é o mais indicado para obter os melhores benefícios para a saúde, defende a nutricionista.

O chocolate amargo, por ser o mais indicado, com alto teor de cacau (70% ou mais), oferece diversos benefícios à saúde. Os antioxidantes que protegem o corpo contra danos, melhoram a saúde cardiovascular ao otimizar a função das artérias e reduzir a pressão arterial. Além disso, tem o aumento da sensibilidade à insulina, promove o crescimento de bactérias benéficas para a saúde intestinal e influencia positivamente o humor, o bem-estar e a função cerebral, incluindo a memória.

 

Melhora do humor

Higor Caldato (@drhigorcaldato), médico psiquiatra e sócio do Instituto Nutrindo Ideais (@nutrindoideais), especialista em psicoterapias e transtornos alimentares, aponta que além de todos os benefícios físicos, o chocolate pode ser devidamente positivo para a mente, visto que os aminoácidos bioativos triptofano, fenilalanina e tirosina podem ajudar a mudar a neuroquímica, culminando no efeito de "sensação boa" que um pedaço de chocolate geralmente proporciona. 

Apesar de todos os benefícios, o consumo excessivo de chocolate também oferece potenciais efeitos prejudiciais, incluindo o aumento do risco de ganho de peso, obesidade e outros malefícios. "O grande desafio relacionado ao chocolate está ligado ao comportamento alimentar”. Tamanho prazer gerado pelo alimento, ele pode estar na lista dos mais procurados diante das compulsões alimentares.

"A ingestão deve ser consciente, e não exagerada. Em uma dosagem responsável e consumo moderado, no entanto, os benefícios provavelmente superam os riscos", finaliza o psiquiatra.

 

FONTES:

Guilherme Renke (@endocrinorenke), sócio fundador do Instituto Nutrindo Ideais(@nutrindoideais), endocrinologista e médico do esporte, mestre em cardiologia. 

Sócio fundador do Instituto Nutrindo Ideais, médico formado pela Universidade Estácio de Sá, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), Médico do Esporte com Título de Especialista pela Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, Pós Graduado em Cardiologia pelo Instituto Nacional de Cardiologia do Rio de Janeiro, Mestre em Cardiologia (INC). Também possui aprimoramento em Endocrinologia pela Harvard Medical School, Post Graduate Course Obesity Medicine (Boston, EUA) e pelo American Board of Obesity Medicine (EUA). Dr. Renke também é pesquisador aprovado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ (Inovações no esporte 2012).

 

Francisco Tostes (@doutortostes), especialista em medicina do esporte, atuante em endocrinologia, sócio do Instituto Nutrindo Ideais(@nutrindoideais).

O médico e sócio do Instituto Nutrindo Ideais, maior clínica multidisciplinar do Brasil, Dr. Francisco Tostes (@doutortostes) é formado há mais de 20 anos. Pós-graduado em Clínica Médica, Endocrinologia e especialista em Medicina do Esporte, mestre em Bioquímica pela UFRJ. Pesquisador em terapias hormonais, possui publicações científicas na área. Tem como foco de atuação a melhora na qualidade de vida de seus pacientes, seja através da prevenção como no tratamento de doenças.

 

Leticia Canelada, nutricionista do Instituto Nutrindo Ideais (@nutrindoideais)/SP, com especialização em Nutrição Clínica Funcional e Genômica Nutricional.

Formada pela Universidade São Camilo com especialização em Nutrição Clínica Funcional e Genômica Nutricional na Prática Clínica – CRN:64672. 

Atua em casos de emagrecimento, hipertrofia, síndrome metabólica, doenças autoimunes, transtornos alimentares, reeducação alimentar e qualidade de vida.

 

Higor Caldato (@drhigorcaldato), médico psiquiatra e sócio do Instituto Nutrindo Ideais (@nutrindoideais), especialista em psicoterapias e transtornos alimentares.

Graduado em medicina pelo Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos (ITPAC/FAHESA) e fez sua residência médica em psiquiatria pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), bem como suas especializações de psicoterapias e transtornos alimentares também pela universidade carioca.




Comente esta notícia