logomarca
Cuiabá, 15 de Julho de 2024.

Arte e Cultura Quarta-feira, 26 de Junho de 2024, 16:39 - A | A

Quarta-feira, 26 de Junho de 2024, 16h:39 - A | A

estreia

Obra Deusas, bruxas e feiticeiras estuda como e quando a sabedoria natural feminina passou a ser ligada ao mal

A professora Julia Myara estreia na literatura e busca entender os mecanismos de apagamento do poder feminino em narrativas históricas

Divulgação

handler (3).png

 

“Assim como o filósofo grego Heráclito colocou, aos pés da deusa Ártemis no templo de Éfeso, sua contribuição filosófica, eu coloco, aos pés das leitoras deste livro, algumas das minhas pesquisas e reflexões – sempre parciais, históricas e apaixonadas.”

 - Julia Myara

 

“Se poucas mulheres aparecem na narrativa histórica normativa como agentes, o que isso quer dizer? Será que essas mulheres não existiram ou será que foram impedidas por algum motivo? Será que foram deliberadamente apagadas?”, é o que questiona a professora da pós-graduação de Filosofia Antiga na PUC-Rio Julia Myara, que estreia na literatura com a obra Deusas, bruxas e feiticeiras, publicada pela Editora Planeta.

Ao longo das páginas, Julia reúne 10 anos de pesquisa sobre cultura, história e papéis de gênero, e analisa os mecanismos que apagaram grandes figuras femininas, resgatando e recontando narrativas mítico-religiosas que evidenciam o protagonismo da mulher. De acordo com a professora, por meio dessas histórias desordenadas, é possível encontrar a presença social da figura feminina, como elas próprias se viam e como eram vistas.

É no movimento de recuperação de narrativas apagadas e esquecidas que a autora propõe uma reflexão sobre a representação da mulher no passado e nos dias de hoje. “Resgataremos histórias que talvez iluminem o nosso caminho; narrativas que nos deem dicas e nos revelem outros modos de vida, outros afetos, outras formas de organização política e social, outras maneiras de existir neste planeta.”, escreve. Durante a obra, a professora passa pela Deusa neolítica, pela cultura que a desenvolveu, por conceitos como matriarcado e matrilinearidade, revolução neolítica, paz primitiva, pelas mulheres nas narrativas sumérias, babilônicas, canaanitas e bíblicas, além de, pela figura da bruxa.

Para Julia Myara, Deusa, bruxas e feiticeiras é a primeira publicação de um amplo estudo, o resultado da união entre pesquisa acadêmica, arte e reflexão. Em um ato de resistência, a autora relembra e evidencia um longo período da história humana em que as mulheres tinham prestígio e protagonismo social. É por meio da análise de textos mitológicos, de narrativas sagradas e dos contos de fadas que Julia reencontra a força e o conhecimento feminino para reconstruir a trajetória. “Sobre as figurações do feminino, no corpo simbólico de deusas, bruxas e feiticeiras, resgataremos histórias que talvez iluminem o nosso caminho.”, finaliza.

 

Divulgação

handler (3).png

 

FICHA TÉCNICA

Título: Deusas, bruxas e feiticeiras

Autor: Julia Myara
ISBN: 978-85-422-2712-3

Páginas: 224 p.

Preço livro físico: R$ 57,90

Editora Planeta

 

SOBRE A AUTORA

Julia Myara é professora da pós-graduação de Filosofia Antiga na PUC-Rio, na qual concluiu seu doutorado, e de pós-graduação em Psicologia Analítica e o Sujeito Contemporâneo pelo Centro de Estudos Junguianos Analistas Associados (CEJAA). Também é terapeuta pela mesma instituição. Além disso, ministra cursos na Casa do Saber e desenvolve pesquisas nas áreas de estudo de gênero, religiões, narrativas míticas comparadas e filosofia na Antiguidade.

 

SOBRE A EDITORA

Fundado há 70 anos em Barcelona, o Grupo Planeta é um dos maiores conglomerados editoriais do mundo, além de uma das maiores corporações de comunicação e educação do cenário global. A Editora Planeta, criada em 2003, é o braço brasileiro do Grupo Planeta. Com mais de 1.500 livros publicados, a Planeta Brasil conta com nove selos editoriais, que abrangem o melhor dos gêneros de ficção e não ficção: Planeta, Crítica, Tusquets, Paidós, Planeta Minotauro, Planeta Estratégia, Outro Planeta, Academia e Essência.




Comente esta notícia