logomarca
Cuiabá, 14 de Julho de 2024.

Saúde Domingo, 25 de Fevereiro de 2024, 15:31 - A | A

Domingo, 25 de Fevereiro de 2024, 15h:31 - A | A

Alerta

O que fazer após descobrir um nódulo na mama?

Nem sempre, o aparecimento de nódulos ou cistos é sinônimo de câncer. Saiba quais exames ajudam no diagnóstico.

Quando as mulheres percebem um caroço no seio, é comum ficarem assustadas. Geralmente, trata-se de uma lesão na mama, podendo ser um cisto ou nódulo. Neste caso, a orientação é procurar o ginecologista ou mastologista. Nem sempre, a alteração é sinal de câncer de mama, podendo ocorrer devido às oscilações hormonais que acontecem durante o ciclo menstrual. Por isso, a importância da avaliação profissional.

 

Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de mama é o segundo tipo da doença mais comum em mulheres, ficando atrás apenas do câncer de pele não melanoma. Segundo o órgão, a estimativa é que sejam registrados 74 mil novos casos até 2025.

As informações acendem o alerta sobre a necessidade de atenção aos sinais da doença. De acordo com o Inca, quanto mais cedo é feito o diagnóstico, maiores são as chances de cura e a qualidade de vida das pacientes durante o tratamento.

 

Em caso de suspeita da doença, os exames de imagem e a realização da biópsia do nódulo são indicados pelo Ministério da Saúde para a definição do diagnóstico. Além disso, o acompanhamento médico regular ajuda na identificação precoce de possíveis tumores malignos e na realização dos tratamentos de câncer de mama ainda no estágio inicial da doença.

 

Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), a mamografia deve ser realizada todo ano por mulheres acima de 40 anos. Para aquelas com histórico de câncer de mama na família, o exame é indicado a partir dos 30 anos. Manter-se bem informada e saber realizar de forma adequada o autoexame também podem ajudar no monitoramento.

Quais exames fazer?

Os exames são indicados para ter maior precisão no diagnóstico. A depender do caso, diferentes tipos de avaliações podem ser solicitadas.

Ultrassonografia

É uma avaliação complementar para rastrear a presença de nódulos, cistos e qualquer alteração na mama. Por meio de ondas sonoras de alta frequência, é possível obter imagens de toda estrutura interna dos seios. O exame pode ser realizado em mulheres jovens, porém, não substitui a mamografia.

Mamografia

É um exame radiológico para a identificação precoce de câncer de mama, nódulos, cistos e calcificações. O mamógrafo realiza a captação das imagens, para isso, a paciente deve ficar de pé e comprimir os seios sobre as placas do aparelho, facilitando a detecção de possíveis alterações.

A mamografia é capaz de descobrir alterações nos seios antes mesmo de serem sentidas no toque e, por isso, é aconselhável manter a frequência na sua realização.

Biópsia

Consiste na retirada de uma pequena parte do nódulo. Normalmente, o exame é realizado com o auxílio de uma agulha fina, que aspira o material dos tecidos. Entretanto, se o nódulo estiver em uma região de difícil acesso, pode ser indicada a realização de uma pequena cirurgia. É comum que a solicitação da biópsia surja após outros exames, a fim de confirmar o diagnóstico de câncer de mama.

Ressonância magnética

Trata-se de um exame mais específico, com uso de ímãs e ondas de rádio para gerar imagens detalhadas da região dos seios. Pode ser indicado para confirmar o diagnóstico de câncer de mama, investigar a extensão do tumor e identificar novos focos de lesões.

Textura, tamanho e forma: como saber se um nódulo na mama é cancerígeno?

Os nódulos apresentam diferentes aspectos: podem ser duros ou macios, irregulares ou com bordas bem definidas, fixos ou com a capacidade de se moverem pela pele. Além disso, as pessoas podem descrever as características de forma distinta. Por isso, os médicos reforçam a importância dos exames para a determinação da presença de nódulos malignos.

 

A mastologista, Isabella Figueiredo, explica que é comum o aparecimento de nódulos e cistos nas mamas. A principal diferença entre eles está na composição: os cistos contêm líquido em seu interior, já os nódulos são sólidos. Assim, ao notar uma lesão na região, é possível perceber as diferenças.

 

Além disso, não existe a possibilidade de um nódulo ou cisto benigno transformar-se em maligno. “Um nódulo maligno já nasce assim, nenhum nódulo benigno ou cisto vira câncer. Já os cistos podem surgir dos 20 aos 50 anos, e não precisa se preocupar, só é preciso acompanhar”, afirmou a mastologista em entrevista à imprensa.

 

Após a realização dos exames, existe uma escala de classificação para as lesões. O sistema Bi-Rads classifica um cisto ou nódulo como:

 

Categoria 0: o exame foi inconclusivo, sendo necessário refazer as avaliações.

Categoria 1: apresenta resultado normal, devendo ser mantidas as checagens de rotina.

Categoria 2: caracteriza alterações benignas, sem risco de câncer de mama.

Categoria 3: decretação de alterações benignas, porém o risco de câncer de mama pode chegar a 3%. É aconselhável o acompanhamento a cada 6 meses

Categoria 4: achado suspeito, sendo necessários outros exames e biópsia para investigação.

Categoria 5: altas chances de malignidade do nódulo, com risco de câncer de 95%.

Categoria 6: conclusão do diagnóstico de câncer de mama, sendo necessário dar início ao tratamento.

 




Comente esta notícia