Cuiabá - MT, 09-08-2022 às 10:53

Mestre Clovis é imortalizado em livro infantojuvenil

A vida e as andanças do criador do projeto Inclusão Literária em Mato Grosso agora poderão ser conhecidas em uma narrativa literária.

Clovis Matos um exemplo | Creditos: Divulgação montagem

Rosiceli de Arruda (Madona) é a proponente de Clovis Matos como Mestre da Cultura pelo edital da Lei Aldir Blanc, promovido pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso. Um dos resultados desse trabalho poderá ser conhecido a partir do dia 12 de agosto, as 19 horas, no Cine Teatro Cuiabá, quando “Vovô Clovis: o espalhador de livros” estará sendo lançado.

Quem nos conta sobre como o livro foi realizado, é a autora Anna Maria:

 

“A escolha por esse projeto foi certeira! Sem dúvida! Dados na área da formação escolar de crianças e jovens, já sabemos, são alarmantes. O Brasil possui 11 milhões de pessoas que não sabem ler e escrever. Apresenta uma média anual de 2,43 livros lidos por pessoa, número considerado baixo se comparado a Índia e a China, países que mais leem no mundo. O número de crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos fora da escola atinge 2,8 milhões. Sem falar de outro número assustador de crianças e adolescentes que deixam a escola sem concluir as etapas do Ensino Fundamental e Médio.

Para além do âmbito do Estado, muitas iniciativas têm contribuído para reverter essa situação envolta em desigualdades sociais que parecem ser insuperáveis. Nesse quadro, Clovis Rezendes Matos há mais de uma década vem incentivando crianças e jovens a gostar de livros, a adquirir o hábito de leitura. À frente do Projeto Inclusão Literária, com Furiosa, Branquinha e Lobo Guará, veículos que conduzem o vovô conhecido por “espalhador de livros”, semeia novos leitores por este Mato Grosso afora e outros Estados.

Clovis, radiante de alegria ao saber que seu nome fora contemplado no Edital Conexão Mestres da Cultura, me convidou para escrever sua biografia. Logo logo formamos uma equipe integrada por Ruth Albernaz, ilustradora, e Maria Teresa Carrión Carracedo, da Entrelinhas Editora, na arte de ligar afetivamente escrita e desenhos e realizar o sonho de ver a história do “espalhador de livros” cuidadosamente guardada nas páginas de um livro, ávido por leitores.

Em tempos de pandemia, por meses nossos encontros aconteceram em reuniões on-line, nas tardes das sextas-feiras. De comum acordo, eu e Clovis elegemos uma menina traquina de cabelos longos e ondulados para narrar a história. Na leitura do livro, sua identidade é revelada logo na primeira página.

Nossos encontros semanais, que duravam quase duas horas, não foram gravados. Assim, mais à vontade, em estado de fantasia, nos imaginamos presencialmente juntos. Os primeiros encontros foram em torno de seus dados biográficos: sua infância em São Gonçalo do Abaeté junto aos seus pais Bolivar e Iracema e seus sete irmãos. Depois em Uberaba, São Luís de Montes Belos, Iporá, Goiânia até chegar em Cuiabá. 

Em um caderno de capa azul celeste, anotei, anotei, anotei. Memórias de sua cidade natal, conheci pelos vívidos olhos verdes de Clovis uma Uberaba, São Luís de Montes Belos, Iporá, Goiânia, Cuiabá. Nessa caminhada, revisitou seu percurso de escolha profissional, sua passagem pelo curso de Engenharia Elétrica até sua formação em História; seus encontros com Marília Beatriz, Moema, Epaminondas, Márcio, Fábio Rogério, Flávio do Cena Onze, José Limeira, Maria Antônia, Tânia, Zilda Zompero, Luciano Huck e tantas outras pessoas. A vida em família com Martha e as filhas Maíra e Luíza. Depois, a netinha Júlia. 

Para mim, o ponto culminante das tardes encantadas de sextas-feiras foi identificar nas lembranças de Clovis a circunstância em que os livros passaram a fazer parte de seu dia a dia. Identificar o momento em que se apegou aos livros e, de ora em diante, não os largou mais. E a folhear páginas e páginas dos livros, conheceu tantos lugares, tantas pessoas, tantas histórias. Chegou até à cidadezinha Macondo, do colombiano Gabriel García Marquez. Também, com um pai chamado Bolivar e uma mãe Iracema, não podia dar em outra coisa...

Dedicamos o livro à Júlia e às crianças e jovens tocados pelo projeto Inclusão Literária. Às crianças que vivem no coração das gentes grandes, todos a caminhar com os livros e seus poderes mágicos... 

Sem dúvida, um livro escrito a quatro mãos, narrado por uma garotinha muito esperta que conta as peripécias literárias de Clovis e seu Projeto de Inclusão Literária, seu instrumento de militância em apoio à democratização do acesso ao livro e à leitura,” conclui a autora Anna Maria.

Trecho do livro destacado na quarta capa:

“Gosto mais da distribuição de livros ao ar livre. É bem mais divertida. Vovô estaciona Furiosa, Branquinha ou Lobo-guará em um lugar bem central da cidade visitada, para chamar a atenção das pessoas. As crianças que já conhecem o projeto saem de suas casas e, às carreiras, seguem o carro atrás de livros. É tão bonito de ver.”

 

....................

 

Sobre as autoras

Anna Maria Ribeiro Costa

[ Rio de Janeiro, RJ • 1957 ] Pós-doutora em Ciências Sociais, professora e escritora.

Anna é uma waluta, uma espécie do Cerrado. Nome que recebeu dos indígenas da etnia Nambiquara ao observarem seus hábitos alimentares. Em 1982, ao deixar o Rio de Janeiro, sua cidade natal, com o canudo de professora de História nas mãos, chegou em Mato Grosso para morar com o povo Nambiquara. A vivência de Anna com seus amigos indígenas e com a natureza do Cerrado a transformaram. Aprendeu que os jeitos tão diferentes de viver dos indígenas estavam em misturas com o Cerrado, com seus bichos, rios de águas cristalinas, buritizais e, ao fundo, a majestosa floresta Amazônica. Dedica-se aos livros e a escrever histórias de seres sobrenaturais e de gentes que querem mudar o mundo, colorir com revelações de respeito ao próximo e à natureza. Esse caminhar levou Anna até Clovis e ao seu projeto Inclusão Literária, a espalhar livros por este Mato Grosso afora e em outros estados do Brasil.

 

Ruth Albernaz Silveira

[ Cuiabá, MT • 1972 ] Doutora em Biodiversidade e artista visual interdisciplinar.

 

Ruth é “uma grande passarinha”, como muitos acreditam. Sua espécie? Talvez seja do Cerrado, do Pantanal. Ou dos dois. Ou de outros mais biomas, por ter nascido em Chapada dos Guimarães, região desenhada por vegetação muito variada. Pode ser também porque sabe do que pássaros e outros bichos gostam, não gostam. Pode ser porque sabe das plantas em seus tantos tons de verde. Ruth é uma estudiosa da biodiversidade amazônica, conhecimento que se junta às Artes Plásticas e à Educação Ambiental. Para entender sua Arte basta movimentar os olhos para acompanhar o voo de seu pincel. Para quem quiser conhecê-la, se deixe levar pelo vento do bater das asas de seus pássaros imaginários que deixam rastros frescos de poesia. Pensando bem, Ruth deve pertencer à espécie Arara Amarela, por seu parentesco com o povo indígena Rikbaktsa, da metade Arara Amarela.

 

 

Serviço

 

O quê?
Lançamento do livro “Vovô Clovis: o espalhador de livros”
Edição ilustrada, em policromia.

 

Onde? Quando?
No Cine Teatro Cuiabá, dia 12 de Agosto, às 19 horas.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.