Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 24-09-2021 às 17:27

A relação da moda e olimpíadas: uma conversa de séculos!

No artigo da jornalista Sueli Pereira, uma estudiosa do comportamento humano ela deixa claro que a mmoda vai além da necessidade de vestir construindo entre performance e identidades, entre o corpo físico e emocional, sendo grande condutora da transformaç

Uniforme da delegação do Canadá nos Jogos Olímpicos de Tóquio de 2021 Team Canadá | Creditos: Divulgação

Enfim chegamos aos jogos olímpicos, um evento que já começa marcado por superação mental, física para organizadores e atletas que tiveram que adaptar as condições impostas pela pandemia. Esta provavelmente será a Olimpíada de mais histórias de superação do que de recordes e performance.  

Fato ou lenda, o curioso é que a primeira disputa olímpica, do que hoje seria próximo ao atletismo, foi vencida por Corobeu, cidadão de Olímpia, que correu despido por crer que assim teria melhor desempenho. O desafio da performance com menor ou melhor impacto por meio da roupa nasceu com a própria competição e este desafio vem sendo o propulsor de inovação tecnológica no vestuário atlético se expandindo para outros segmentos.

A moda absorve todos estes movimentos e transforma em estilo, é o caso da roupa para a prática do skate, antes um esporte marginalizado e agora oficialmente olímpico, com isso ela ganha maior evidência na moda por meio das marcas sportswear.

A demanda por peças confortáveis, levaram os skatistas a usar o moletom, logo no final da década de 70, quando Norma Kamali estilista nova-iorquina, começou a fazer roupas com o tecido, já usado desde a década de 30 para aquecer os trabalhadores de frigoríficos de Nova York, porém com modelagem e design mais atual para a época. O moletom que oferecia conforto, mas não resistência, passa a dar lugar as calças cargo e jeans pesados bem amplos, já que não existia jeans stretch e nada poderia impedir seus movimentos. Logo, foi redefinido a cara do esporte de rua. É obvio que isso foi absorvido pela moda que aos poucos passou a oferecer cada vez mais atributos necessários de resistência, conforto térmico e flexibilidade à detalhes de costura, entre outros.

A construção dessa estética acontece nos espaços olímpicos e esportivos, mas também nas academias e ruas que revelam os atletas urbanos com seus corpos normais, seus sobrepesos, ou seus músculos conquistados com muita disciplina. O esporte tomou nossas vidas numa busca pelo equilíbrio, saúde e bem-estar; e a moda abraça seu papel nessa empreitada. Uma pesquisa realizada pela agência Grey mostrou quatro estilos predominantes de beleza, o esportivo está entre eles e representa para os adeptos o autocontrole, num mundo que pouco podemos controlar. O esporte é mais que uma onda, é um norteador permanente que tem a ver com estilo de vida e com valores comportamentais que evolui e avança para as principais marcas.

Cada vez mais nossas identidades são múltiplas, o belo é mais do que um estado físico -- descontruir o belo o corpo escultural que tanto perseguimos, é um desafio nada fácil, mas esta olimpíada promete ser  palco desta nova inclusão de atletas como Ana Patrícia Ramos, jogadora de vôlei de praia, que sofria bullying quando criança pelo seu tamanho e na equipe era vista com limitação pelos seus 1m94cm de altura. Ana distingue-se da barriga tanquinho e do corpo de beleza simétrica impecável idealizada, mas despontou entre as atletas, sendo a primeira a garantir a vaga nas olimpíadas de Tóquio.

Por outro lado, a atleta amadora Ellen Valias (@atleta_de_peso) luta para conscientizar a sociedade de que é possível ser gorda e praticar esportes. Ellen não se profissionalizou por não se “enquadrar” no padrão imposto.  Hoje ela é patrocinada pela Adidas, uma marca esportiva que entendeu que o corpo gordo tem o direito de se movimentar e que como outras marcas vêm atendo estas demandas que, além de gerar bem-estar, geram grandes negócios e movimentam toda a cadeia. 

A indústria têxtil também corre atrás da alta performance. Hoje vemos tecidos com quase 100% de power stretch, se adaptando aos mais diversos corpos e reproduzindo as roupas esportivas, seja com aspectos do moletom ou leggings, permitindo que a roupa caia como uma luva, inclusive nos tamanhos ofertados em PMG, como na moda esportiva.  

Entre as mídias e atletas dando voz ao diverso, o movimento da positividade corporal vem crescendo e atingindo o mainstream, marcas American Eagle, Nike e Torrid ofertando tamanhos estendidos. A rede americana Athleta, do grupo Gap treinará todos os funcionários de suas lojas com a certificação bodySTRONG® para ensinar linguagem corporal positiva além de um grande plano para clientes plus size, com oferta de tamanhos em todas  categorias até 2022, o que representará 70% da oferta da marca sem diferenciar as linhas convencionais de plus size.

Enquanto isso, os atletas americanos usarão Skims, a marca de shapewear lançado por Kim Kardashian em 2019, por baixo de sua Ralph Lauren e Nike. Com mensagem corporal e racialmente inclusiva, a marca está firmando sua reivindicação como a abordagem americana da próxima geração

E falando em skims, retomo à Corobeu, séculos se passaram e o seu desafio ainda está na pauta do têxtil, desenvolver tecidos que façam as pessoas sentirem-se tão leves e confortáveis como em suas próprias peles, independente da forma e contexto, numa espécie de simbiose.

A moda vai além da necessidade de vestir construindo entre performance e identidades, entre o corpo físico e emocional, sendo grande condutora da transformação e acolhimento do diverso. E você ainda acha que a moda é apenas um jogo estético ou sistema poderoso que mobiliza massa como os jogos olímpicos?   

*Sueli Pereira tem mais de 20 anos de experiência no setor têxtil e formada em jornalismo, história da moda e gestão empresarial, e uma estudiosa do comportamento humano.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.