Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 22-10-2021 às 19:15

Oriana, uma mulher de fibra

Oriana Paes de Barros foi a primeira mulher no Brasil a presidir, por eleição, uma Federação de Pescadores.

Uma mulher que deixou seu nome indelével não história | Creditos:

* Por João Carlos Vicente Ferreira
As mulheres têm sido líderes em todos os principais movimentos, embora suas contribuições muitas vezes não sejam reconhecidas. O movimento ambientalista não é exceção. As mulheres que se esforçam para melhorar neste campo enfrentaram muitos desafios, mas com habilidade e determinação, elas perseveraram.
No mundo, o movimento ambientalista tem mais de dois séculos com gerações de mulheres moldando políticas e leis no campo, resultado da poluição ambiental cada vez mais evidente e da degradação do ar e das águas.
Em Mato Grosso não temos uma data para determinar o período exato do começo do movimento ambientalista, mas temos um nome para ser perpetuado na história por levantar a bandeira à defesa do meio ambiente, muitas vezes correndo grande risco pessoal: Oriana Paes de Barros, que foi a primeira mulher no Brasil a presidir, por eleição, uma Federação de Pescadores.
Falo dessa excepcional mulher em nome de amigos, admiradores e de membros do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, à qual pertenceu como sócia efetiva até seu falecimento, em 8 de junho de 2021. Desde que adentrou à Casa Barão de Melgaço pretendeu mover céus e terras pela perpetuação da memória histórica de Mato Grosso. Tinha muitos planos, projetos e desejos de realiza-los. Compartilhou muito desses sonhos comigo, eu sabia do seu intento e tinha convicção de sua realização. No entanto, ainda em 2017, ela já não andava lá muito bem com a sua saúde. Isso atrapalhou seus planos.
Oriana tinha duas grandes paixões em sua vida. A primeira era o Pantanal de Mato Grosso e a segunda Antônio Paes de Barros, do qual descende sua família.
Ela sentia-se à vontade quando estava no Pantanal. Ali era o seu verdadeiro lar. A sua morada estava em cada curva de corixo, recheado de aguapé, ou no topo das árvores, arqueadas pelo peso dos ninhais e dos barulhentos bugios. Quando colocava sua bota no assoalho de uma voadeira a cortar as águas do Cuiabá seu semblante se transformava, era outra mulher: “Isso que é vida, amo o Pantanal”, dizia a si mesma e a quem quisesse ouvir. Eu ouvi essas palavras, por ela proferida. Quando ditas que amava aquela imensa planície alagada parecia que seus braços queriam abraçar toda a extensão daquelas águas e tudo o que tinha dentro, inclusive o cavalo e o povo pantaneiro.
Ela brigou com o sistema pela preservação do meio ambiente poconeano, subiu em barrancos e criticou a forma criminosa do extrativismo aurífero daquela cidade. De certa forma perdeu a batalha, mas não a admiração de muita gente que passou a respeitá-la ainda mais.
Falava com muito orgulho de sua descendência de Antônio Paes de Barros - o Totó Paes, o homem que imaginou e criou a Usina do Itayci, às margens do rio Cuiabá, em Santo Antônio de Leverger. Totó Paes é considerado o “Pai da Indústria em Mato Grosso”. Esse amor que Oriana tinha por Totó Paes levou-a a pesquisar bastante sobre sua vida, tinha ideia de escrever um livro mostrando uma outra face do parente industrial e político. Ocorre que Totó Paes enfrentou inimigos poderosos que não admitiam o fato dele ser um portentoso industrial e exitoso político. Por conta disso o assassinaram quando exercia o cargo de presidente do Estado de Mato Grosso. Pior, fizeram de tudo para manchar a sua reputação com publicações apócrifas e a completa ruína financeira de patrimônio. Tentaram apagá-lo da história de Mato Grosso, e isso Oriana não permitia. Em vida fez todo o possível para elevar o nome de Antônio Paes de Barros ao patamar que ele merece. Conseguiu muito de seu intento. No entanto, queria mais. Acho que ainda vai conseguir realizar o seu desejo.

------------------------------

Joao Carlos Ferreira é escritor e historiador, ocupante da Cadeira 27 da Academia Mato-Grossense de Letras. Presidiu o Instituto Historico e Geográfico de Mato Grosso e foi secretário de Estado da Cultura de Mato Grosso.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.