Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 22-10-2021 às 20:40

Agora somos todas “mocinhas”

A presidente da Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais- BPW Cuiabá, Andréa Barbosa crítica o termo “mocinhas” da forma pejorativa dita por um ministro do STF

A mulher poder no símbolo da justiça | Creditos: Pixabay

Qual será o ministro que disse, que o Supremo Tribunal Federal não seria lugar “para mocinhas”, ao advogado-geral da União, André Mendonça, quando este fazia sua peregrinação em busca de apoio ao STF? 
A pergunta que não quer calar e que remete a uma indignação,  não só para a única mulher indicada para concorrer a vaga aberta no STF, a juíza Amini Haddad, 47 anos de idade e 23 anos de magistratura, como também para a nossa organização, a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais - BPW Cuiabá e cremos para todas as mulheres mesmo as que não atuam em linhas de frente na justiça. 
A instituição na semana passada conseguiu a articulação para o engajamento da BPW Brasil, ao apoio para Amini Haddad, indo ao encontro da sua indicação pelo movimento nacional  “Virada Feminina”, e não gostou do que leu na mídia nacional. 
Consideramos inoportuno o termo, que em nossa visão não teve nada de subliminar, em se tratando de uma discriminação de gênero, colocando a mulher mais uma vez como menos capaz. Perguntamos: qual seria a razão de não ter sido dito para André Mendonça, que o STF não seria lugar de mocinhos ? 

Por outro lado,  pensamos que ao  inverter o negativo, levando para uma crítica feita por um membro do STF, contra o próprio espaço de poder em que ele vive, poderia o dito apresentar-se como  uma outra  interpretação, pois recorrendo ao  “mocinha” em seu significado, a crítica sairia como um tiro no pé, porque o termo se caracteriza como heroína, que por sua vez é o substantivo feminino de mulher de grande coragem, dotada de sentimentos nobres e sublimes. 
Então como fica o comentário? Talvez se o ministro que disse “mocinhas” aparecesse para esclarecer,  ele poderia dizer se trata-se de discriminação ou uma crítica ao próprio STF.  Na realidade para a juíza ela considera importante chamar a atenção, para o fato de que, apesar de ela ter  a mesma idade, do André Mendinça, o termo  pejorativo ficou para ela, mesmo sendo a mais titulada que o preferido e com maior produção social e acadêmica. Então vale lembrar que existe  ainda a interpretação de Mendonça, que falando sobre o seu entendimento, destacou  que o ministro estava  “querendo dizer que é necessário ter capacidade de resistência a pressões que um ministro ou ministra do STF sofre, vindo de diferentes lados”. Quiz ele amenizar? Como podemos entender isso afinal? 

Andréa Barbosa
Presidente da BPW Cuiabá

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.