Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 31-07-2021 às 17:54

Covid-19 pode desenvolver perda de cabelo?

Queixa é comum de pacientes após infecção. Fátima Tubini, especialista em dermatologia, explica possíveis relações

Devido a fata de resultados científicos, a perda de cabelo que acontece pós-covid ainda é um mistério. | Creditos: Pixabay e montagem RCQ

É comum dúvidas sobre os cuidados que devem ter com os cabelos, se devem cortar ou deixá-los presos, em razão da pandemia. Para a população em geral, ainda não existem estudos que comprovem efeitos diretos do Coronavírus sobre os cabelos.

Diversas pessoas relatam a perda de cabelo após terem sido infectadas pela Covid-19, mas o que muitos querem saber é se a doença desenvolve ou não a queda. Porém, até o momento, não existem estudos concluídos para responder à pergunta ou esclarecer os motivos desse fato.

Com a pandemia mais acelerada, a dermatologista Fátima notou um aumento de pacientes pós-covid na busca por tratamentos capilares. “Existia um número recorrente de pacientes que já tratavam perda capilar, tanto homens quanto mulheres, predominando as mulheres. Mas hoje, o número de pacientes que procuram tratamento por causa dessa perda com relação à doença causada pelo coronavírus, aumentou e vem se tornando frequente”, revela. 

Devido a fata de resultados científicos, a perda de cabelo que acontece pós-covid ainda é um mistério. Estudos preliminares feitos por pesquisadores dos Estados Unidos, México e Suécia estima-se que essa condição aparece em 25% dos pacientes com covid longa.

Com à falta de informação, a dermatologista ressalta que diversas hipóteses também são motivo da queda de cabelo. Mas muitas dessas perdas correspondem com doenças que já são conhecidas, como:

 - Alopecia que abrange a repentina perda de cabelo do couro cabeludo e que pode ocorrer em homens e mulheres de todas as idades. “A doença faz com que o cabelo caia em grandes quantidades e em determinadas áreas, deixando visível o couro cabeludo. Inúmeros fatores estão envolvidos com o desenvolvimento dessa doença, como fatores emocionais, traumas físicos e quadros infecciosos que também podem desencadear ou agravar o quadro”, ressalta a especialista.

- Eflúvio telógeno: Uma condição que está associada a eventos que podem acontecer a três meses antes da queda, esse é o tempo para a doença se “preparar” e começar a desenvolver a queda. “Os eventos mais associados à queda são: pós-parto, febre, infecção aguda, sinusite, pneumonia, gripe, entre outros”, revela Tubini.

“Nestes dois casos temos situações que podem remeter a pandemia e a própria infecção do Covid-19, que, atualmente estão sendo os casos que mais aparecem em meu com consultório”, explica a especialista.

Sobre Fátima Tubini

Referência em cuidados e tratamentos dermatológicos, a Dra. Fátima Tubini atua na área da dermatologista há quase 20 anos. Com ampla experiência, a especialista é graduada em Ciências Médicas e possui o título de Especialista em Dermatologia concedido pela AMB e Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.