Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 29-11-2021 às 21:03

Pandemia incentiva a humanização e saúde nas empresas

Grandes empresas independente do porte, já adotaram programas voltados à saúde do colaborador. E essa é uma tendência que deve crescer ainda mais no “novo normal”, diz Tomás Camargos é sócio-fundador da VIK, startup

É sabido que grande parte dos funcionários em home office passaram a trabalhar muito mais e a produzir mais, porém, resta-nos saber até quando o corpo vai aguentar | Creditos: Pixabay e divulgação

 

A saúde mental dos brasileiros já estava em estado de alerta mesmo antes do isolamento social. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) somos o país mais ansioso do mundo e o mais depressivo da América Latina. O cenário, que já não era dos melhores, se tornou ainda mais agravante em uma situação de pandemia, em que sentimentos como angústia, estresse e incertezas podem prevalecer. Para se ter uma ideia, 53% das mulheres e 37% dos homens entrevistados por um estudo feito pela ONG americana Kaiser Family Foundation estavam mais preocupados e estressados em decorrência do coronavírus. Por isso, muitas empresas já começaram a colocar a saúde mental e física dos profissionais na lista de prioridades.
É  fato que os transtornos mentais relacionados ao trabalho e o sedentarismo afetam negativamente a saúde dos colaboradores dentro e fora das empresas, por conta disso é fundamental levar o bem-estar ao local de trabalho. Precisamos mostrar aos colaboradores o quanto eles são importantes naquela empresa, proporcionando momentos de lazer, atividades físicas em grupo, meditação e confraternização - tudo de uma maneira humanizada. Agora na pandemia, essas medidas tiveram que ser adaptadas, mas ainda é importante que as corporações se adequem e não deixem essa questão de lado, pois a felicidade no ambiente corporativo se torna cada dia mais a chave para manter colaboradores engajados e aproveitar 100% o potencial humano.

É sabido que grande parte dos funcionários em home office passaram a trabalhar muito mais e a produzir mais, porém, resta-nos saber até quando o corpo vai aguentar. Pela natureza da minha função, tenho conversas diárias com as áreas de Recursos Humanos e Saúde das organizações e pasmem, esse aumento de produtividade momentâneo tem se dado pela insegurança das pessoas em imaginar que seus líderes possam supor que o mesmo está fazendo “corpo mole” por não estar sendo visto. Então, estimular os colaboradores a cuidar da sua saúde passou a ser um “recado” muito forte que a empresa passa para seu time: “Pode parar um pouquinho para se cuidar, estamos do seu lado!”

Grandes empresas independente do porte, já adotaram programas voltados à saúde do colaborador. E essa é uma tendência que deve crescer ainda mais no “novo normal”. Hoje, 92% dos diretores de organizações no Brasil acreditam que o bem-estar dos colaboradores é um fator importante no dia a dia e trabalham com ações de saúde corporativa, segundo uma pesquisa de tendências de RH da Deloitte. E quando se fala em “saúde” também envolve bem-estar físico, mental e social, e não somente a ausência de doenças, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Programas focados na melhoria da qualidade de vida impulsionam tanto o colaborador como a empresa. Investir em melhorias internas para o funcionário, como o incentivo a atividades físicas, programas de gamificação, traz benefícios para todos dentro e fora do ambiente corporativo, fazendo com que os colaboradores se sintam mais saudáveis e confortáveis com seu estado físico, emocional e social. 

Um estudo realizado pela Universidade da Califórnia diz que um trabalhador feliz é, em média, 31% mais produtivo, três vezes mais criativo e vende 37% a mais em comparação com outros Trazer humanização e integração para as empresas está entre os principais pontos que levam qualidade de vida e satisfação para os colaboradores, investir na melhoria do clima organizacional e também entender/valorizar cada um na equipe, pode ser a chave para levar felicidade a sua empresa. E não se esqueça: atividade física libera endorfina, invista nisso!

* Tomás Camargos é sócio-fundador da VIK, startup que nasceu para ajudar as empresas a melhorarem a saúde de seus colaboradores, implementando um programa que transforma a vida das pessoas e das corporações, combinando gamificação com técnicas de alto rendimento do esporte, além do fator social da empresa.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.