Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 25-06-2021 às 10:09

Queda capilar após recuperação de Covid-19: há com o que se preocupar?

A cientista e pesquisadora Jackeline Alecrim aponta que o sintoma acomete cerca de um terço dos infectados, mas é possível reverter o quadro

A Especializada em Cosmetologia Avançada e Farmacologia Clínica, Dra. Jackeline Alecrim explica que o cabelo possui três fases de crescimento | Creditos:

Apesar de completos um ano da descoberta do novo coronavírus, o Sars-Cov-2, cientistas e pesquisadores ainda têm muito a descobrir sobre a ação do vírus, desenvolvimento da Covid-19, e, principalmente, sobre as sequelas e sintomas pós-doença. Entre uma das queixas que insiste em permanecer mesmo após a recuperação da doença está queda de cabelo, que atinge cerca de um terço dos infectados e pode durar meses conforme comprovou um estudo conduzido pela Escola de Medicina da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos. 

Especializada em Cosmetologia Avançada e Farmacologia Clínica, Dra. Jackeline Alecrim explica que o cabelo possui três fases de crescimento: a anágena, de crescimento ativo, a catágena, que representa o final da fase de crescimento e entrada no período de repouso, e a telógena, fase de queda natural dos fios. “O que ocorre no pós-Covid é que os fios que estavam em anágena, ou sejam, em crescimento ativo, migram precocemente para a telógena, de queda, em um processo que se denomina eflúvio telógeno”, elucida.  

 

Não se trata, porém, de um sintoma exclusivo de Covid-19 — a queda de cabelo é comum às doenças infecciosas que causam estresse persistente e modificações metabólicas severas no organismo. “O menos preocupante é que não se trata de uma doença que atacou o couro cabeludo, mas uma condição transitória devido ao estresse imunológico e fisiológico que o vírus causou no organismo”, tranquiliza.  

 

Essa queda de cabelo pode persistir por até seis meses após a doença, mas existem tratamentos que podem regularizar o processo de crescimento em um espaço de tempo menor. “É possível tratar o couro cabeludo com ativos locais, como é o exemplo do extrato biotecnológico de café, que contém substâncias capazes de estimular fisiologicamente o folículo piloso, melhorando a circulação sanguínea e restabelecendo o funcionamento do folículo capilar”, explica a cientista, pioneira no estudo do ativo, que deu origem a um dermocosmético denominado Caffeíne’s Therapy que apresentou altíssima eficácia no controle da queda e reposição de novos fios e que já é inclusive prescrito em consultórios médicos.  

 

Além disso, o tratamento também pode envolver suplementação vitamínica adequada e reposição de glutamina. “Além de terapias utilizadas diretamente no couro cabeludo, como é o caso do dermocosmético mencionado acima, que terão absorção e ação local, restabelecendo o ciclo do crescimento capilar. De qualquer forma, um médico qualificado precisa analisar o caso para que o tratamento seja efetivo”, alerta Dra. Jackeline Alecrim. 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.