Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 24-09-2021 às 18:16

Satisfação ao se olhar no espelho traz sensação de bem-estar e aumenta a imunidade 

O biomédico e professor Dr. Thiago Martins e o neurocientista Fabiano de Abreu garantem que os benefícios vão além da autoestima

Admirar o reflexo e gostar do que vê. O ato pode parecer simples, mas desencadeia sensações que se estendem por corpo e mente | Creditos:

Admirar o reflexo e gostar do que vê. O ato pode parecer simples, mas desencadeia sensações que se estendem por corpo e mente. O motivo? Um neurotransmissor relacionado ao bem-estar e à recompensa conhecido como Dopamina, que é liberado quando o indivíduo obtém o que deseja ou pratica atividades que lhe são agradáveis.  

O neurocientista Fabiano de Abreu explica que no universo onde a imagem é uma das principais vitrines, procedimentos estéticos e até mesmo as redes sociais podem liberar esse neuro-hormônio, o que provoca benefícios além do que os olhos podem ver.  

“A dopamina é um neurotransmissor que se relaciona com imunidade, sendo fundamental para o equilíbrio do organismo. Fazer algo que faz com que você se sinta bem, mesmo que gradativamente, previne alterações químicas desencadeadas pela tristeza e apatia, que podem culminar em dificuldade de transmissão de impulsos nervosos entre as células”, alerta. 

Dr. Thiago Martins, biomédico e professor, aponta que para que o hormônio seja liberado, o procedimento deve ser feito de maneira cuidadosa e respeitando os limites dos traços e da parcimônia.  

“Na era das redes sociais, está se tornando cada vez mais comum a vontade dos pacientes de alterarem seus corpos e faces para se parecerem com alguém que admiram, ou ganhar traços que não necessariamente seriam cairiam bem”, alerta. 

A filosofia de trabalho do professor e biomédico gira em torno da valorização da naturalidade durante os procedimentos. Esse cuidado, segundo ele, é o que proporciona aos pacientes a sensação de se sentir mais bonito, sem necessariamente perder a identidade.  

“Quando as modificações são muito bruscas, o efeito pode ser justamente o contrário e o fato do paciente mudar tanto ao ponto de não se reconhecer, tende a desencadear não apenas processos depressivos como transtornos de imagem”, comenta o professor Dr. Thiago Martins.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.