Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 23-01-2021 às 09:03

Indignação pelo assassinato da juíza Viviane Vieira do Amaral Arronenzi

Nota de pesar divulgada pela juíza Amini Haddad Campos, do NEVU/FD-UFMT

VIVIANE VIEIRA DO AMARAL ARRONENZI, | Creditos: Divulgação

O Núcleo de Estudos Científicos sobre as Vulnerabilidades da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Mato Grosso – NEVU/FD-UFMT vem a público externar consternação e indignação pelo assassinato (Feminicídio) que vitimou VIVIANE VIEIRA DO AMARAL ARRONENZI, mulher, mãe e Juíza de direito do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Seu algoz? O ex-marido, engenheiro, de 52 anos, que não titubeou ao esfaquear Viviane na frente das suas três filhas, mesmo diante dos gritos desesperados das meninas que pediam: - Pai, pára. Pára, pai! Resta-nos questionar o que está por trás das diversas facadas, tiros, estrangulamentos, golpes violentos. Há algo anterior que precisa ser enfrentado.

O que leva um passageiro de metrô ou ônibus, a se achar no “direito” de explorar o corpo de uma mulher desconhecida para satisfazer a “sua libido”. Isso é crime de importunação sexual (art. 215-A do CP) e, ainda assim, alguns se acham até “no direito de ejacular” em mulheres, mesmo em aeronaves, quando em viagem.

Resta-nos perguntar o que leva um empresário a ofertar um salário menor às mulheres, mesmo diante de mesmo trabalho e carga horária, ou até a pagar um cachê diminuto às atrizes pelo simples fato de serem mulheres. Qual seria o pensamento sobre o feminino?

É importante questionar as razões de exposição de nudez das ex-companheiras, ex-namoradas em vídeos íntimos, quando do término da relação. 

Resta-nos questionar o que leva a uma comum ocorrência de mulheres serem interrompidas em suas falas, em condição naturalizada, onde se impõe uma permanente tentativa de submissão e de silêncio.

Resta-nos indagar o que leva ao esvaziamento da representação feminina nos espaços de poder, retirando-lhe o direito de deliberar sobre importantes políticas públicas de Estado e de governo, quanto à educação, ao atendimento de saúde, à realização de ações ou de projetos de desenvolvimento social e comunitário.

Resta-nos indagar o que está por trás dos diversos “golpes” impingidos ao feminino no transcorrer de suasexistências.

E isso deve ser dito não somente quando dos abortamentos seletivos de fetos femininos, ou quando da seleção deembriões masculinos em tantas sociedades e culturas, ou até quando da ocorrência do tráfico de mulheres e meninas, ou exploração sexual destas, ainda crianças, com a apropriação de seus corpos como se fossem objetos, sempre disponíveis.

Viviane foi vítima de um crime horrendo que nos leva a perquirir sobre a desqualificação e apropriação do feminino, trazendo à tona a realidade de que mesmo juízas, médicas, advogadas,  promotoras, delegadas, engenheiras e outras profissionais qualificadas não estão imunes a esses crimes. Criaram uma cultura onde a dignidade é garantida ao homem. A mulher não foi somente excluída da Declaração Francesa de Direitos. A exclusão permeia crenças, pensamentos, estruturação do Poder, sistemas. 

Antes da facada, do tiro, do estrangulamento, do estupro, da importunação, da perseguição, há um elementoinvisível determinador de todas essas ocorrências.

É necessário ampliar o olhar para além do espaço doméstico. É necessário perceber todos os condicionamentos culturais e sociais que agravam e colocam em risco a existência do feminino.

O agressor Paulo José Arronenzi desconsiderou não somente a dignidade de Viviane, de seu direito de decidir pelo fim de um relacionamento abusivo e almejar horizontes melhores para ela e suas filhas. O agressor Paulo José Arronenzi desconsiderou o custo de sua terrível conduta para Viviane e às filhas. 

A violência tem um custo muito maior com o passar do tempo. Ele retirou o direito das filhas terem a presença da mãe, de poderem crescer com a experiência desse compartilhar único, em sorrisos, colo, presença, ensinamentos e amor ofertado desde a gestação às filhas. 

Paulo José Arronenzi não conseguiu ver e respeitar a decisão de Viviane. Não conseguiu sequer ver as filhas e perceber a tragédia que estaria sendo imposta a elas. Aprendeu, desde muito cedo, a assumir um privilégio existencial dado culturalmente somente aqueles que nascem homens. 

Um masculino que quer se manter no topo em um lugar que nunca existiu. Pois, a existência é um espaço de compartilhamento, respeito, crescimento mútuo eaprendizados constantes.

Cruel é a ordem do patriarcalismo (autoridade do pai, do homem para o homem), da cegueira do androcentrismo (o masculino no centro), do sexismo (onde se hierarquiza os sexos, com o superlativo do masculino) que retira, todos os dias, o direito de meninas e mulheres construírem as suas histórias.

É preciso olhar para além da facada, do tiro, do estrangulamento, do estupro, do tráfico de meninas e mulheres, das agressões físicas, da exploração sexual de meninas, da exposição de seus corpos, dentre tantos outros crimes cometidos contra meninas e mulheres. É preciso olhar para o invisível que alimenta a violência contra o feminino.

Amini Haddad Campos é Professora da UFMT, Coordenadora do Núcleo de Estudos Científicos 

sobre as Vulnerabilidades da Faculdade de Direito da UFMT. Juíza de Direito – TJ/MT

Endereço para acessar currículo lattes: http://lattes.cnpq.br/4301365834354786

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.