Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 17-01-2021 às 00:00

BPW Cuiabá assina termo de cooperação com a Associação Cultural Flor Ribeirinha

O Projeto Chita & Fuxico, da BPW Cuiabá avança nas parcerias. A Associação Cultural Flor Ribeirinha assina com a ONG Feminina termo de cooperação técnica que beneficiará a comunidade de São Gonçalo Beira Rio

Zilda Zompero, Domingas Leonor e Sueli Batista, unidas pelo sucesso do Projeto Chita & Fuxico | Creditos: Divulgação

“Estou muito emocionada e especialmente feliz por receber o projeto Chita & Fuxico que vai beneficiar diretamente 82 mães. Este dia vai ficar gravado em minha vida, e especialmente no dia-a-dia da comunidade ” Foi o que disse Domingas Leonor da Silva, que trabalha há cerca de 25  anos no resgate, manutenção, proteção e difusão da cultura popular. Na noite do dia 2 de dezembro a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais-BPW Cuiabá, através da sua presidente, Zilda Zompero e  a Associação Cultural Flor Ribeirinha, através da presidente Maria Cristiana da Rocha,  assinaram o primeiro Termo de Cooperação Técnica  que contempla a formação de um ateliê de confecções e aprendizagem no bairro São Gonçalo Beira Rio.

Domingas, como presidente de honra da instituição cultural e Sueli Batista, presidente fundadora e coordenadora de Responsabilidade Social da BPW Cuiabá também chancelaram o termo. O Projeto Chita & Fuxico que há um ano foi criado e registrada sua marca, e está desde então buscando parcerias para ter um ateliê oficial. O início é singelo, mas com máquinas próprias, e todo apoio para a implantação. A costura da dignidade cidadã começou com o registro da marca, que segundo a presidente Zilda Zompero pretende-se tornar uma griffe da costura criativa, visando conquistar o mercado local, nacional e internacional.  Compareceram na solenidade de entrega, também representando a BPW Cuiabá,  as diretoras secretária, Rubia Ranzani, a segunda secretária, Zilda Castanho e a de Comunicação, Neide Alves. 

Na parceria, a Associação Cultural Flor Ribeirinha deverá disponibilizar espaços da sua sede para a produção e aprendizagem, coordenar o projeto localmente, selecionar as participantes e as facilitadoras de confecção de chita e do fuxico, que inicialmente serão custeadas com recursos próprios da BPW Cuiabá, e depois com o valor arrecadado com a venda dos produtos, sendo que as aprendizes já ganharão também pelas peças produzidas, contribuindo assim para a geração de renda familiar.

“O Chita & Fuxico contempla em seu eixo estrutural a qualificação e a  autonomia econômica de mulheres em situação de vulnerabilidade social, por renda, vítimas de violência doméstica e mães com filhos portadores de necessidades especiais e também captar recursos financeiros e material para o fomento de outras iniciativas da BPW Cuiabá, que impactam positivamente a sociedade, e promovem o empoderamento e a autonomia econômica da mulher”, disse a presidente.

Sueli Batista, autora do projeto também se mostrou especialmente feliz com a parceria, pois conhece Domingas do Flor Ribeirinha há mais de 30 anos e sabe a seriedade do seu trabalho e a força de liderança que tem na comunidade de São Gonçalo. Como especialista em terceiro Setor e Políticas Públicas, ao elaborar o projeto pensou em contemplar ações voltadas às diretrizes dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) , que trata-se de uma agenda mundial adotada durante a Cúpula das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável em setembro de 2015 composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidos até 2030.

“O estimulo ao empreendedorismo e a economia popular solidária, fazem parte do projeto, sendo fatores considerados como determinantes para o desenvolvimento comunitário, uma vez que de forma cooperativa ou de grupos formais é possível combater as desigualdades e empoderar a sociedade”, frisou. Domingas disse que para sua surpresa os homens também querem aprender as técnicas de costura, ela já foi procurada, ocorre que o projeto é voltado para a autonomia econômica feminina e os mesmos terão em suas famílias mulheres sendo empoderadas, e tendo uma profissão, o que será um grande ganho.

A ONG Feminina em plena pandemia realizou projetos em andamento, e decolou com o Chita & Fuxico, não ficou na zona de conforto. Iniciou a captação de forma muito simples,  com palestra, tendo como pagamento de cachê, em tecidos de chita e linha, contribuindo para a confecção em parceria com a Igreja Jesuas Cristo e os Santos do Último Dia, e a Assembleia Social, para a produção de 9 mil máscaras, com detalhes de chita. Fez ainda, com costureira que será uma das facilitadoras, as primeiras produções, que servem de modelo para o aprendizado, e apresentou no Business Day BPW Cuiabá. Recentemente, em uma live musical solidária, em parceria com o cantor Carlos Navas, de São Paulo conseguiu arrecadar máquinas e matérias primas para iniciar o ateliê, e recursos para pagar facilitadoras, tanto de costura, quanto da arte do fuxico.

Zilda Zompero lembrou que a BPW Cuiabá, ganhou por período determinado um espaço, inaugurando a Loja do Bem do Goiabeiras Shopping, no 1° Piso, número 164, próxima das escadas rolantes, em frente ao café. As doações poderão ser feitas em horário de funcionamento, basta chegar entrar na loja e  deixar o que está ofertando, em uma das prateleiras. Foi deixado um caderno para que a pessoa doadora escreva sobre a importância de ser solidária, e o que doou, caso queira deixar registrado.

 “Estamos precisando de máquinas de costura reta, overlock e mais tecidos de chita e cones de linha. Toda ajuda é bem vinda, até mesmo de calças jeans usadas, que servem para confecção de aventais, tapetes, lixeira para carro, nécessaire etc... Somente a coordenadora de Cultura da BPW Cuiabá, Deize Águena conseguiu 100 calças para doação, finalizou  a presidente.

A parceria, conforme disse Domingas, em sua simplicidade, foi batizada com a dança do siriri, entoada com viola de cocho e a composição musical Nandaia, que ganhou força no folcore cuiabano. O coreografo do grupo, Avinner  Augusto, neto de Domingas ressaltou a importância do projeto para o empoderamento feminino. A iniciativa veio ao encontro dos anseios da instituição. As integrantes da BPW Cuiabá vestiram as saias das dançarinas do Siriri, dança típica de Cuiabá, exibindo seu colorido e alegria, como da própria estampa da Chita. A BPW Cuiabá levou uma de suas associadas, Bercallem Salazar que tem construtora, para fazer um projeto para captação de recursos visando a construção do ateliê, na parte superior da Associação Flor Ribeirinha, e está otimista de conseguir, já fazendo articulações.

Está prevista ainda para este ano, no dia 10 de dezembro, uma ação do projeto na Casa do Amparo, para o objetivo de entregar máquinas para atender mulheres vítimas de violência doméstica. Para o próximo ano, a última etapa definida inicialmente será com a Associação de Mães Unidas pelo Amor, que tem filhos portadores de microcefalia. Sueli está pretendendo ter ainda uma nova linha para o projeto, que é atender mulheres privadas de liberdade, do Sistema Penitenciário de Mato Grosso, com a qual a BPW Cuiabá já trabalhou na gestão de Mariza Bazo, com muito sucesso.

SOBRE O FLOR RIBEIRINHA

Idealizada e fundada pela Mestre da Cultura Domingas Leonor da Silva, a Associação Cultural Flor Ribeirinha trabalha há cerca de  25 anos no resgate, manutenção, proteção e difusão da cultura popular, sobreturo o Siriri e Cururu, bem como com outras formas de expressão da cultura regional em todo o Estado de Mato Grosso. Atua como grupo de Siriri e Cururu com o nome "Flor Ribeirinha" na comunidade histórica onde nasceu, chamada de São Gonçalo Beira Rio, onde se vivenciam e preservam as tradições cuiabanas nas celebrações tradicionais das festas de santos, na produção da cerâmica em argila e comidas e bebidas típicas, na confecção e uso da viola de coho nas atividades, além do modo de vida dos ribeirinhos com seus costumes e tradições. Historicamente em sua longa trajetória, a Flor Ribeirinha realiza a importante tarefa de divulgar a cultura popular não só em nosso estado, mas para todo Brasil e o mundo.

Saiba mais em http://www.florribeirinha.com.br/

 

SOBRE A BPW CUIABÁ

A sigla BPW vem de Business Professional Women, da Federação Internacional de Mulheres de Negócios e Profissionais. A BPW Cuiabá, portanto, tem 19 anos, mas pertence a uma rede de cuja raiz tem dez décadas. Sua missão é Agregar mulheres de negócios e profissionais, orientando e coordenando seu desenvolvimento pleno nas esferas de poder público e de mercado. Dentre seus objetivos, constam:  Desenvolver o potencial profissional e de liderança de mulheres em todos os níveis, através de conquistas de direitos, mentoring, networking, capacitação e programas de empoderamento econômico e projetos ao redor do mundo. Faz parte de seus princípios: ; Promover a igualdade de oportunidades; Atuar com transpararência nas decisões e ações;  Estimular e encorajar a amizade, a cooperação e a integração; Priorizar a alegria e o bom humor como visão do mundo; Atuar e gerir recursos com responsabilidade e compromisso e Promover o exercício da cidadania, por meio da participação comunitária efetiva.

@bpwcuiaba

 

 

 

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.