Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 11-04-2021 às 06:53

Mães com múltiplas jornadas

Em 2016, no Brasil, a presença de mulheres em cargos de CEO aumentou de 5% a 11% em relação ao ano anterior, segundo pesquisa International Business Report (IBR)

| Creditos: shutterstock

A cada dia a mulher veem se destacando nas organizações, principalmente em cargos de alto escalão. A maternidade e a vida familiar já não são considerados empecilhos para o desenvolvimento da carreira. Conforme dados do Governo Federal, 40% dos lares brasileiros são comandados por mulheres. “Esses dados são um marco histórico na nossa sociedade porque mostram que tem diminuído a diferença salarial entre os gêneros”, afirma Neusa Pereira Bojikian, professora do curso de Relações Internacionais da Faculdade Santa Marcelina (FASM).

No Brasil, diferentemente de Estados Unidos, Papua-Nova Guiné e de outros países na Oceania, as mulheres têm o direito à licença maternidade sem qualquer prejuízo da respectiva remuneração, assegurado por lei (Artigo 7o, Constituição Brasileira de 1988).

Apesar da cláusula trabalhista representar um avanço e proporcionar ganhos à sociedade de um modo geral, garantindo o bem-estar físico e mental das mães e bebês, o período da licença acaba gerando custo adicional às empresas com a substituição das licenciadas e com isso possíveis indisposições em relação às mulheres, e isso ainda é um problema para as mulheres no mercado de trabalho, ressalta a professora.

A especialista destaca que mesmo com um avanço considerável, um dos problemas que as mulheres ainda enfrentam nas corporações é a falta de reconhecimento profissional. "Alguns colegas ou mesmo chefes acabam direcionando projetos de maior escopo para pessoas do sexo masculino”. 

Fazendo um balanço, a professora destaca que mesmo com existência de dificuldades, a mudança de comportamento na sociedade deu origem as mães que são profissionais dedicadas e que encaram as múltiplas jornadas primeiramente por necessidade financeira ou motivadas à construção de uma carreira profissional repleta de conquistas. “Com isso, essas mulheres se tornam mais engajadas, produtivas e acabam conciliando relativamente bem a vida profissional e a maternidade” - afirma a coordenadora.

 

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.