Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 11-04-2021 às 06:32

Cuidados para investir na crise

Entenda os melhores investimentos do mercado. | Creditos: Shutterstock

Não é novidade para ninguém o cenário atual da economia no país. As inconstâncias levam muitas pessoas a sérios problemas financeiros, não só pela falta de educação financeira – que é cultural da população –, mas também pela realização de investimentos errados.

A Caderneta de Poupança não vem sendo considerada ótima escolha desde que começou a render menos que a inflação. Segundo o IBGE, em 2015, a poupança teve valorização de 8,15%, enquanto que a inflação oficial foi de 10,67%. Paralelo a isso, o Tesouro Direto começou a se destacar; passou por algumas mudanças, se tornou mais atraente e ganhou muitos adeptos.

Mas o que antes era considerado uma garantia de baixo risco, hoje, é motivo de cautela: o governo. A modalidade funciona como se o investidor emprestasse dinheiro para o Governo Federal, e em troca, depois de um período, recebesse o valor de volta corrigido.

Os investidores estão sujeitos a pagamento de duas taxas na aquisição: uma cobrada pela BM&FBovespa e outra cobrada pela instituição ou intermediário financeiro com quem operará. Aí é que vem o impasse: se a situação do Governo é uma incógnita e já estamos sentido alguns desses efeitos colaterais na microeconomia, como podemos ter total segurança do pagamento dessa dívida?

As perspectivas realmente não são boas. Recentemente, o fundador do antigo Pactual, Luiz Cezar Fernandes, deu uma entrevista ao site O Financista, na qual diz que, até 2018, a dívida pública deverá crescer substancialmente, impossibilitando que o Governo a honre. Ele diz que “nem mesmo a inflação alta será capaz de corroê-la”.

O que podemos entender é que o calote será tão expressivo que quebrará as instituições bancárias. O resultado disso, se a situação se confirmar, é que os investidores do Tesouro Direto serão afetados e sofrerão prejuízos. Por isso, a recomendação agora, sem dúvida nenhuma, é de cautela.

Não é para se desesperar, tirar todo o dinheiro dessa modalidade – caso já tenha aplicado – ou qualquer atitude extremista. O interessante é analisar o todo, buscar se informar o máximo possível e, para quem tem dinheiro para investir, espalhar seus recursos, ou seja, fazer uma carteira de investimentos. Procurar destinar no máximo 20% para o Tesouro Direto, como uma tentativa de proteger as finanças do que há por vir.

E para finalizar, buscar por conhecimento sobre educação financeira. Diversos livros, palestras e cursos abordam o assunto de maneira descomplicada e eficaz. Não há saída melhor do que essa para agir corretamente em relação ao uso e à administração do dinheiro, em qualquer situação.

Reinaldo Domingos é mestre em Educação Financeira e terapeuta financeiro, presidente da DSOP Educação Financeira, Abefin e Editora DSOP, autor do best-seller Terapia Financeira, dos lançamentos Papo Empreendedor e Sabedoria Financeira, entre outras obras.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.