Cuiabá - MT, 27-05-2022 às 11:25

Páscoa sem açúcar: crianças recusam chocolate e pais evitam oferecer doces

Segundo diretrizes da OMS, até os dois anos de idade não é indicado que os bebês consumam alimentos açucarados. Além disso, crianças com seletividade alimentar recusam o chocolate

Nem todas crianças gostam de ovos de as Páscoa | Creditos: Pixabay e Divulgação

Seja pela textura, pelo sabor, cores ou pela temperatura, acredite se quiser, algumas crianças não querem ganhar ovos de chocolate na Páscoa. Um dos motivos é a decisão de alguns pais em seguir a diretriz da Organização Mundial de Saúde que não incentiva a oferta de alimentos açucarados antes dos dois anos de idade. O outro motivo para a recusa é justamente a seletividade alimentar, ou o Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo (TARE), que é uma aversão sensorial e que pode se tornar uma fobia de determinados alimentos.

Segundo Daniella Brom, fonoaudióloga e diretora do BakyKids Centro de Especialidades, a seletividade alimentar é muito mais comum do que se pensa, inclusive em crianças típicas. “O chocolate em si é um dos alimentos que muitas crianças recusam. Primeiro, por causa da seletividade alimentar em relação às alterações de textura ou sabor em si, e em segundo lugar pela dificuldade no quesito de mastigação e deglutição do alimento. Crianças com dificuldades de neurodesenvolvimento também apresentam dificuldades sensoriais”, explica Brom.

Daniella tem um exemplo de seletividade alimentar dentro de casa. A filha Clara, de 6 anos, possui seletividade alimentar em relação à alimentos doces e não consome bebidas além de água e leite. Apesar de ser uma criança típica, só come três tipos de frutas: banana, pera e maçã. “Quando chega a época da Páscoa, a gente faz adaptações para as brincadeiras de caça aos ovos. Em festas de aniversário, ela não come bolo nem docinhos, então eu sempre levo pipoca, petas e leite”, diz.

Já com a alimentação de rotina, Clara não tem nenhuma restrição. Come bem o arroz com feijão e gosta de todas as verduras, inclusive o quiabo, rejeitado por muitos. Com a ajuda da parceira e psicopedagoga Mônica Cerqueira, elas iniciaram a aproximação sucessiva, um trabalho lento que ajuda a criança a conhecer e aceitar novas texturas.

“Nós nem queremos que ela consuma o açúcar em si porque a seletividade dela é justamente para alimentos doces, mas os exercícios que faço com ela em casa são para aceitação das texturas. Outro dia, ela abriu um bombom e quando ele começou a derreter nas mãos dela, ela saiu desesperada para lavar as mãos”, conta Daniella

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.