logomarca
Cuiabá, 21 de Junho de 2024.

A | A

Agro & Future

Um ambiente alinhado com o “Corpo & Morada”

Quatro cabeças antenadas com o design, arquitetura moderna e a sustentabilidade criam um ambiente que está em sintonia fina com o tema da CASACOR 2023.

 
 

Divulgação

07E9EA17-2ED9-4F4D-B326-2E616EB9DA2F.jpeg

 

“O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza de seus sonhos”. A frase da ex-primeira-dama norte-americana Eleanor Roosevelt, pode ser aplicada perfeitamente ao entusiasmo de quem vê seus projetos tornarem-se realidade. É o caso de quatro profissionais, a lighting designer e designer de interiores Zilda Zompero e as arquitetas Juliana Tanaka, Carolinne Volek e Lays Marcelle, que embarcaram juntas na concepção do “Agro & Future Home Office”, o espaço 12 da Casa Cor Mato Grosso 2023, mostra que fica em cartaz até o dia 10 de dezembro, com o tema “Corpo & Morada”, que se traduz por um conjunto de macrotendências, que as profissionais muito bem sintetizaram na criação.

Se de um lado, quatro pilares deram base para a Casa Cor dentro do mapeamento da sua criação, “Corpo & Morada”, contemplando o subjetivo, o maternal, a permanência e o conhecimento; do outro lado, as quatro cabeças do “Agro & Future” criaram uma conexão interessante com o tema, respeitando-se as expertises e vivências profissionais de cada uma, formando um time de trabalho sinérgico que coloca a natureza cada vez mais próxima da moderna construção. No ambiente, o qual fica visível a força e a delicadeza, o sensorial permeia promovendo sensações agradáveis entre os contornos em que o feminino se revela. Foram utilizados os conhecimentos da neuroarquitetura, da bioconstrução, do design de ambiente e do light design, na perfeita  composição.

 

Divulgação

3A28671D-B8F5-4AB0-8FDF-8B1CEC16FBF2.jpeg

Zilda Zompero, lighting designer e designer de interiores


O “Agro & Future Home Office” foi iniciado a partir de uma ideia de Zilda Zompero, que já é veterana e premiada na Casa Cor e Morar Mais. No projetado, ela deixa claro que a escuta ativa junto ao público alvo foi essencial. Afinal contemplou a mulher que se empodera e empreende nas atividades do campo.
A composição perfeita foi possível trazendo-se junto a voz do segmentoatravés do Agroligadas, um movimento associativo feminino voltado àquelas que dedicam-se ao agro em diversas modalidades.
Partindo da premissa que não existe futuro sem o passado e o presente, quem desbravou o campo, juntamente com a família, constituindo suas moradas, erguendo cidades mereceu um espaço especial, concebido com os contornos da feminilidade na construção, porém respeitando-se um composto histórico que vem dos que antecederam a história atual da construção e do próprio agro.
Juliana Tanaka, especialista em neuroarquitetura, recorda que a presidente do Agroligadas Geni Caline Schenkel foi tratada como se fosse a cliente. Ela expôs as necessidades que deveriam ser atendidas pelo espaço, a exemplo de ser amplo, integrativo e acolhedor, inclusive contemplando-se de alguma maneira a criança, que muitas vezes fica ao lado da mãe nas atividades laborais. Foram também ouvidos os parceiros, que somaram-com suas ideias e deram até mesmo, de forma espontânea insights surpreendentes para a decoração.

Divulgação

9BE9580A-C33D-4F74-B1AE-5364A3C8962D.jpeg

Ambiente contempla as tendências da neuroarquitetura,da bioconstrução, do light design e do design de interior


Foi numa visita às empresas parceiras, que a iluminação do ambiente teve um valor agregado juntando- se à atmosfera, que valorizou o projeto luminitécnico do “Agro & Future”. O plus, neste sentido, ocorreu na visita de Zilda Zompero e Juliana Tanaka à Áster Máquinas, quando uma réplica do arado desenvolvido por John Deere no século 19 estava exposto. O artefato inspirou a lighting designer para a criação do pendente, “Raiz da inovação” que foi assinado com Marina Vasques, a empreendedora da Áster, que contribuiu com informações importantes para a elaboração do design. Com isso a iluminação passou também a revelar a história e respeito a tradição, numa celebração entre o passado, o presente e o futuro, sendo que o último sempre se anuncia e pela inovação.

Divulgação

AA58D2AF-4075-4A01-80C5-CF01ECEB1221.jpeg

Juliana Tanaka, arquiteta especialista em neuroarquitetura


Juliana ao falar da neuroconstrução na composição do ambiente destacou que foi trabalhado quatro dos cinco sentidos humanos: visão, tato, olfato e audição. Neste contexto facilitou-se a interação com a incorporação dos elementos biofílicos, as cores, formas, texturas, a música ambiente, o som da água e o cheiro produzido especial para exalar a feminilidade.

Um mix de sensações, que remete inclusive às
memórias afetivas, a otimização das influências positivas junto a conexão com a natureza e o próprio sagrado. Foi pensado até num canto cultural alusivo ao projeto Inclusão Literária. É o espaço no qual a criança permanecerá ampliando seu conhecimento no home Office enquanto a mãe trabalha. Outros componentes da natureza fez parte da arte na decoração do ambiente. O artista plástico, Rafael Jonnier
foi desafiado a criar esculturas a partir do algodão, o resultado foi surpreendente, e o seu personagem pescador de sonhos está presente no “Agro & Future” caminhando pela cadeia produtiva do algodão.

Divulgação

ADCE66F9-93FC-4969-A59E-00FAEE2674B8.jpeg

Carolinne Volek, arquiteta e designer de interiores

Arquiteta e designer de interior, Carolinne Volek gosta de trabalhar com espaços funcionais e que
também despertam sensações positivas. No ambiente ela deu para a madeira um certo protagonismo na composição da decoração, com real função na parte interna da casa, já que é muito usada nos ambientes externos. As peças feitas a partir dessa matéria prima foram produzidas exclusivamente para o ambiente, dando mais personalidade. Ela juntamente com Celi Volek, leia-se Criarte Dubai, discutiu cada design das peças que foram confeccionadas dentro de um conjunto estético que passasse o
sentimento de responsabilidade e cuidados com a natureza, aliados ao conforto, em contato natural da madeira rústica, com a leveza da resina. O resultado agradou e tem recebido feedback muito positivo por parte de quem visita a mostra, pois a madeira compôs a decoração tendo uma real função. No trabalho desenvolvido ela destacou também a utilização de materiais sustentáveis, a exemplo do tapete confeccionado de garrafas pet.
Peças ornamental e com funcionalidade, portanto, foram utilizadas no “Agro & Future”. A mesa que fica junto a adega é de teca reflorastamento, trabalhada com base de resina importada traz um efeito sensorial de água e luz ao ambiente que foi trabalhado de maneira que não tirasse a leveza, deixando-o ambiente clean e delicado. Na mesa do home office a madeira utilizada foi a pequiá de área de manejo sustentável e tem chamado muito a atenção por seu design. A peça funcional tem na sua lateral uma parte iluminada que traz a própria marca do agroligadas., deixando o móvel totalmente dentro do objetivo de homenagear as mulheres do campo. Foi utilizado ainda na composição, um banco que é de tronco de cumaru colhido após a queimada. A sustentabilidade foi trabalhada de forma chique, personalizada, repaginada, com beleza atemporal da natureza.

Divulgação

2906B322-02DA-4A3F-8E5F-ABDB8167542C.jpeg

Lays Marcelle, arquiteta especialista em Bioconstrução

Soluções com técnicas de baixo impacto e que não liberam resíduos químicos, foram também
priorizadas na concepção do “Agro & Future” e foi a arquiteta Lays Marcelle, de Curitiba-PR, a
convidada para integrar a equipe cuiabana do “Agro & Future”, contribuindo com seu conhecimento de Bioconstrução. Ela remeteu o ambiente ao “pé no chão, ao pé no barro”, por mais que isso pareça uma metáfora, a melhor tradução, conforme destacou é o contato direto com a natureza, com materiais que trazem vários benefícios via elementos originários do bio sistema, que remetem inclusive as funções
sensoriais contempladas na neuroarquitetura. As soluções que trouxe ao projeto fechou o ciclo pelo qual fluiram as ideias. Quem visitar o espaço vai perceber que no local há mais troca do ar, porque suas paredes respiram e são muito mais sustentáveis, aproveitando-se de uma ventilação muito mais natural.

Lays disse que no projeto foram utilizados, para as paredes, o barro, água, cal, areia e cola. Empregou-se ainda placa cimentícea de taipa verde. A arquiteta utilizou, portanto, materiais que mostram a versatilidade na construção, com aplicações rápidas, preços moderados, durabilidade e beleza, não se perdendo por nenhum momento da transmissão da ideia do aconchego e da tranqüilidade que o corpo sempre busca numa morada.

Os parceiros

Foram parceiros no ambiente “Agro & Future Home Office” a Arbor Cortinas Cuiabá, Agroligadas-
Movimento de mulheres ligadas ao agronegócio, Áster Máquinas, Casa Bellarte, Casa Prado, Criarte

Dubai Home, Eletro Fios, Esi Exata Soluções Integradas, Esi.agro, Georgia Ateliêr, Rafael Jonnier, Senac e Viña Bebidas Finas.




Comente esta notícia