Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 02-12-2020 às 01:57

O empoderamento da mulher na política é ampliado em Cuiabá

Das 25 cadeiras de vereadores na Câmara Municipal de Cuiabá, nenhuma delas é ocupada por mulher. Em 2021 a história será diferente.

Edna Sampaio e Michelly Alencar vereadoras eleitas em Cuiabá | Creditos: Divulgação

As mulheres de Cuiabá, principalmente as que trabalham pelo empoderamento feminino, tem o que comemorarem. Na noite de domingo, a notícia de que a educadora  Edna Luiza Almeida Sampaio (PT) e a jornalista Michelly de Alencar Neves (DEM), foram eleitas vereadoras, com expressivas votações,  trouxe um alento e novas perspectivas de que as mudanças ocorrerão e elas fazem mais sentido com representantes femininas na política partidária. 

Edna Sampaio (PT), a primeira mulher negra eleita na Câmara Municipal de Cuiabá, e também a mais votada, com 2.902 votos,  é professora da Universidade do Estado de Mato Grosso-UNEMAT. Tem um currículo que mostra que valeu a pena buscar através da educação  uma grande ascensão. Doutora em Ciências Sociais, Mestre em Ciências Política e graduada em Serviços Social. Michelly Alencar é jornalista e  trabalhou por  12 anos na TV Centro América, como repórter e apresentadora. Levou ao público matérias com imagens muito positiva, no programa É Bem Mato Grosso, que deixou para ingressar na política.

"Queríamos mais, tinham muitas mulheres concorrendo com grande capital intelectual, humano e social, além de trajetórias honradas, que mereciam ser eleitas". Foi o que disse a presidente da Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais-BPW Cuiabá, Zilda Zompero. Por outro lado, entretanto, disse que a ONG Feminina tem o que comemorar, porque ambas vereadoras eleitas estão comprometidas com as políticas públicas voltadas ao emproderamento feminino.

Edna chega com a força e a raça da mulher negra, defendendo um  mandato coletivo, pela vida e pelos direitos humanos, “isso vai ao encontro do que pregamos, em especial a igualdade de gênero, a não violência contra a mulher, e uma  cidade sustentável com trabalho e renda", destacou.

Com relação a Michelly, a presidente acredita que ela, apoiada pela primeira dama Virgínia Mendes deve priorizar projetos  voltados a equidade de gênero,  pois também teve em sua plataforma a não violência contra as mulheres, e para que  as vítimas tenham acompanhamento emocional e psicológico, junto da qualificação e empreendedorismo, e isso é fundamental”, destacou.

Zilda disse que a BPW Cuiabá trabalha há mais de 18 anos em prol do empreendedorismo e do empoderamento da mulher e  certamente  terá muito a contribuir com as novas vereadoras. Já teve em seus quadros como associadas, mulheres influentes na política, Iracy França, Serys Slhessarenko, Celcita Pinheiro, Telma Oliveira, Chica Nunes e Verinha Araújo.

Segundo Zilda, a BPW Brasil, da qual a BPW Cuiabá faz parte, este ano trabalhou mais fortemente para apoios às candidaturas femininas, tivemos no grupo da associação em nível de Brasil, 17 candidatas, das quais, 12 da região centro-oeste. “Zilda Castanho pertence a nossa organização, não venceu, mas teve a atitude de colocar seu nome e isso foi muito válido e não deve desistir”, frisou.

Zilda Zompero também comentou que embora não tenha sido eleita uma senadora, sendo que a coronel  Rúbia Fernanda Diniz Siqueira, não teve a melhor votação, há de se comemorar também o fato da empreendedora do setor  de pneus, Margareth Buzetti ter ficado com a vaga de primeira suplente, na chapa do candidato ao Senado, Carlos  Favaro, que venceu o pleito.

A organização é apartidária, mas tem uma missão, e defende que ao estimular a participação da mulher no processo político também busca garantir uma sociedade mais justa e igualitária. “Certamente as duas vereadoras eleitas e uma primeira suplente no Senado já estão trazendo um impacto positivo para a sociedade que defende a maior participação da mulher na política", salientou.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.