Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 02-12-2020 às 03:05

Causado pelo tratamento do câncer, o ressecamento vaginal tem solução

Falta de hidratação leva ao surgimento de úlceras e fissuras que causam dor durante a relação sexual

A mulher pode sofrer com os diversos efeitos colaterais do tratamento de câncer, que inclui o ressecamento vaginal, mas há solução | Creditos:

No Brasil, o câncer de mama é o que mais acomete as mulheres. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), somente em 2020, já são 66.280 novos casos diagnosticados, seguidos de 20.470 de câncer no cólon e reto, e 16.710 no colo do útero. A luta contra essa doença é um processo muito difícil e doloroso. E, como se não bastasse, durante e após o processo, a mulher pode sofrer com os diversos efeitos colaterais do tratamento, que inclui o ressecamento vaginal.

A maioria dos casos é recorrente, pois todos os tipos de tratamento da doença que causam alterações na função ovariana, como a anexectomia, radioterapia e quimioterapia, resultam em um quadro chamado atrofia vaginal. A complicação pode impactar diretamente no desejo e vida sexual da mulher.

A ginecologista e assessora médica da FQM, Dra. Ana Carolina Gabina Lazari, explica que quando o epitélio vulvovaginal (tecido que reveste a vulva e a vagina) encontra-se mais fino e não existe lubrificação, é bastante possível o surgimento de úlceras e fissuras locais, que causam dor durante a relação sexual. Assim, o vaginismo – espasmos dolorosos da musculatura vaginal – pode ocorrer, pelo estado de ansiedade pela expectativa de dor durante o ato.

“Essa combinação de fatores leva a transtornos de desejo sexual hipoativo. Podemos acrescentar a esses termos as mudanças no corpo da mulher referentes ao climatério e/ou as alterações decorrentes de procedimentos cirúrgicos, como mastectomia, a fibrose e o encurtamento da vagina por lesões radio-induzidas”, afirma a especialista.

Na busca por soluções, mulheres em tratamentos oncológicos acabam recorrendo aos lubrificantes íntimos que, apesar de trazer uma solução momentânea durante o ato sexual, não proporciona um resultado duradouro. O hidratante vaginal, por sua vez, é um tratamento que restaura, de forma natural, a umidade local. “Os hidratantes vaginais são livres de hormônio, podem ser usados independente do ato sexual e promovem uma ação de longa duração”, esclarece a Dra. Lazari.

Hidrafemme é o gel hidratante vaginal da FQM, grupo farmacêutico que atua no Brasil desde 1932. O produto é composto por três polímeros que aumentam a adesividade da mucosa e maximizam a hidratação vaginal. Já o lactato de sódio, presente em sua fórmula, reduz o pH vaginal e promove o equilíbrio da microbiota da região íntima. Dessa forma, previne a infecção vaginal e urinária.

Hidrafemme deve ser usado continuamente ou quando houver necessidade, com aplicação duas vezes na semana, ou de acordo com a indicação do ginecologista. O produto pode ser encontrado nas principais farmácias brasileiras. Saiba mais sobre o produto em www.hidrafemme.com.br e no Instagram e Facebook.

 

Sobre a FQM

A FQM é uma empresa do setor farmacêutico, que está presente no Brasil desde 1932. Possui amplo portfólio de produtos que abrange tanto os destinados à prescrição médica, por diversas especialidades, assim como OTC. Seus produtos se enquadram em importantes categorias do mercado: medicamentos, cosméticos, correlatos e suplementos alimentares.

A empresa tem como compromisso a busca constante por inovação, visando atender com excelência às necessidades do mercado farmacêutico no país, o que reafirma a sua consciência pela saúde, autoestima e qualidade de vida de toda a população.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.