Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 02-12-2020 às 15:19

Pandemia e o comportamento das crianças

Os pais devem conversar explicando o que está acontecendo e que é algo passageiro

Tutores também devem colocar a questão de uma forma racional, tranquila e disponibilizando-se para receber as angústias do filho.  | Creditos: Canva

Pesquisa realizada em agosto de 2020, pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) em parceria com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), mostrou a influência da pandemia nas crianças. Cerca de 88% dos pediatras relataram que os pacientes apresentaram alterações comportamentais e 75% oscilações de humor. 

Os efeitos da pandemia causam três vertentes. A primeira é a ansiedade, medo e insegurança vendo a movimentação da família e noticiário sobre a doença. A segunda é a mudança da rotina. Antes ela ia à escola, brincava e corria, agora fica em casa o dia inteiro. Ela também fica mais na TV, computador e internet. Além disso, as tecnologias já têm demonstrado em artigos que modificam o comportamento infantil. Terceira, quando se tem um transtorno de desenvolvimento, neuropsiquiátrico ou alguma condição médica, pode-se piorar a situação.  

Os pais devem conversar explicando o que está acontecendo e que é algo passageiro.  Eles também devem colocar a questão de uma forma racional, tranquila e disponibilizando-se para receber as angústias do filho. 

Outra preocupação é que os pais estão adiando ou não vacinando. Eles não precisam ter medo, devem ir seguindo as recomendações de proteção e o distanciamento. Não vacinar é mais prejudicial. A vacinação leva o sistema imunológico a criar uma reação contra o agente daquela vacina.  E existe a proteção cruzada, que leva a proteção daquela doença e uma carga de proteção para outros agentes.  

A pesquisa também mostrou um dado positivo, 69% das mães continuam amamentando na mesma intensidade. A amamentação deve ser à vontade, de acordo com a solicitação da criança. Não dá para programar nem cadenciar as mamadas porque ela alimenta e sacia a sede. 

 

Sobre o especialista:

Dr. Clay Brites é pediatra, neurologista infantil e um dos fundadores do Instituto NeuroSaber.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.