Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 21-09-2020 às 08:24

Cães sozinhos: torne o momento menos estressante

Médica veterinária lista quatro dicas para ajudar os cães durante os períodos longe da companhia do tutor

Alguns cuidados são imprescindíveis para garantir que passar alguns períodos sozinhos não cause problemas para a saúde do cão, e principalmente para o seu bem-estar. | Creditos: Canva

Os cães são extremamente sociáveis, por isso ficar longe dos tutores, após a quarenta, período onde ficaram praticamente 24 horas na companhia dos humanos, é um verdadeiro desafio para os pets, que podem sentir medo e desconforto diante dessa nova situação.

Alguns cuidados são imprescindíveis para garantir que passar alguns períodos sozinhos não cause problemas para a saúde do cão, e principalmente para o seu bem-estar.

O ideal é que o animal seja acostumado gradualmente à ficar sem a companhia do tutor e que algumas medidas, como enriquecimento ambiental sejam adotadas, dessa forma o animal aprenderá que não é preciso ter medo de ficar sozinho.

Para tornar o processo mais tranquilo a médica-veterinária e Gerente de Produtos da Ceva Saúde Animal, Priscila Brabec listou quatro dicas para ajudar os cães a lidar com a situação.

1 –  Aposte nos brinquedos: Os brinquedos inteligentes são ótimos aliados para distrair os cães, especialmente quando eles estão sozinhos.  Existem itens especiais que permitem deixar petiscos escondidos, o que garante entretenimento para os cães durante o período. Outra dica é separar alguns itens apenas para esse momento, dessa forma a novidade estimulará a distração do pet.

 

2 – Atenção especial aos filhotes: No período de isolamento muitas famílias ganharam um novo membro, os filhotes. Porém os jovens animais, que antes estavam na companhia do tutor por longos períodos precisam agora entender que ficar parte do tempo sozinhos também faz parte da rotina. Como esses pets têm muita energia e costumam ser curiosos o ideal é deixá-los em uma área restrita da casa, onde tenham acesso ao banheiro, comida/água e brinquedos. Isso evitará uma série de riscos, como por exemplo que o pet se machuque ao tentar explorar a casa sozinho.

 

3 – Saída tranquila, sem ansiedade:  O tutor deve evitar exaltar a saída para o cão, pois esse comportamento poderá com o tempo gerar ansiedade no animal. O ato de sair de casa deve ser tratado como parte da rotina, assim o pet entenderá que aquela é uma situação normal. Ao voltar para casa é indicado que o tutor também não se exalte com o cão com euforia. O ideal é tratar as saídas e o retorno para casa com o máximo de naturalidade possível, dessa forma o pet não ficará tão ansioso pelo retorno do tutor.

 

4 – Considerar utilizar um análogo sintético do odor materno canino no ambiente.

Em todas os momentos desafiadores para os cães, o uso de um odor específico pode ajudar na adaptação e transmitir a sensação de conforto, segurança e bem-estar para eles. Trata-se do análogo sintético do odor materno canino que é vendido na apresentação de difusor ou spray nos Petshops. Esse odor só é detectado e reconhecido apenas pelo cão e quando presente no ambiente, transmite a sensação de conforto e bem-estar, tornando a adaptação mais rápida por diminuir a ansiedade e estresse.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.