Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 24-09-2020 às 00:22

Como lidar com seu filho na pré-adolescência

Pais devem entender que esse é um período de transformação, tratando como algo natural e, em vez da repressão, apostar na orientação

Nessa fase, as regras devem ser estabelecidas, pois é agora, entre a infância e a adolescência, que os filhos devem incorporar os limites. | Creditos: Canva

A fase da pré-adolescência, que engloba a faixa dos 10 aos 13 anos, não é um momento fácil. O período é de imensas transformações que mexem tanto com o lado físico como o psicológico, quando há maior interesse pela sexualidade, ainda que o fluxo mental continue mantendo-se no nível do brincar. E quando seu filho chega a esta fase turbulenta, é hora de saber como agir, sem desrespeitar este momento tão importante da vida dele.

Os pais devem compreender que esse é um período de mudanças fundamentais no gosto e nas características comportamentais dos filhos. Ao compreender esta transformação, os pais devem tratá-la como algo natural e, em vez da repressão, apostar na orientação.

Nessa fase, as regras devem ser estabelecidas, pois é agora, entre a infância e a adolescência, que os filhos devem incorporar os limites. Caso contrário, quando adulto, seu filho terá uma baixa capacidade de suportar frustrações e não saberá lidar com os desafios da vida.

Tanto as concessões como os limites devem ser estabelecidos de acordo com situações e comportamentos do pré-adolescente que, geralmente, tende a confrontar os pais.

As influências dos amigos começam a aparecer com bastante frequência, o que torna ainda mais importante conhecer a turma do seu filho, tanto para saber com quem ele está andando como para entender suas novas preferências e intenções.

Uma dica importante é incentivar a prática da atividade física, que favorece o desenvolvimento social e corporal, preparando o pré-adolescente para completar sua maturação no final da sua adolescência.

Vale lembrar que o vínculo de confiança mútua se estabelece quando os pais contam um pouco sobre a própria adolescência e passam também a escutar seus filhos de uma forma menos crítica e autoritária.

É fundamental se mostrar presente, sem parecer intrometido, respeitando o momento de ouvir e o momento de silêncio e de intimidade do filho. Em vez de ajudar, o questionamento constante e inquisitório pode gerar apenas ansiedade, medo e insegurança. Há situações em que tudo o que o pré-adolescente precisa é refletir sozinho.

 

Sobre o especialista:

Alexandre Pedro, Psicanalista pela Sociedade Internacional de Psicanálise de São Paulo; Master Practitioner de PNL filiado ao NLP Academy; Hipnoterapeuta filiado ao International Board of Hipnosys e ao National Guild of Hipnotists

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.