Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 03-12-2020 às 03:58

25 anos depois: aventuras de aluno com professor são resgatadas

Documentário revela a história que inspirou o autor e editor Beto Junqueyra a escrever a obra O Código de Camões

Envolto nessa aventura cheia de mistérios, o leitor interage com o livro para decifrar as pistas. | Creditos: Canva

Já imaginou tirar uma nota baixa e guardar ela com você por 25 anos?

Pode parecer loucura, mas foi exatamente isso que aconteceu com o autor Beto Junqueyra! 25 anos após zerar uma redação no colégio, o editor da Estrela Cultural reencontrou o Mestre Alceu, seu professor de português, para apresentar, em primeira mão, o original de sua obra O Código de Camões.

Na narrativa, Beto resgata a relação de aluno com professor e faz uma singela homenagem ao mestre. Para conhecer mais sobre a história por trás do livro, a Estrela Cultural produziu um documentário de 10 minutos contando os detalhes biográficos do autor que o levaram a publicar a obra. Abaixo, confira na íntegra o vídeo. 
 

Sinopse:

Uma declaração sem pé nem cabeça de uma professora do Timor-Leste que, logo em seguida, desaparece. Uma carta misteriosa deixada pelo poeta Luís de Camões, que revela a existência de um valioso tesouro escondido no Brasil. Um código secreto a ser decifrado nos versos de Os lusíadas. Um objeto que teria poderes mágicos, chamado portulábio. E um grupo de adolescentes, Os Natos, do qual o leitor é convidado a fazer parte. Esses são os ingredientes de uma incrível aventura pelos países de língua portuguesa a bordo do Ícaro, um hidroavião movido a energia solar. Em uma disputa contra o ambicioso empresário Jack Stress, Os Natos vão fazer de tudo para provar que a língua portuguesa ainda está viva nos quatro cantos do mundo. Envolto nessa aventura cheia de mistérios, o leitor interage com o livro para decifrar as pistas.

 

Sobre o autor:

Beto Junqueyra cresceu entre as fazendas de Minas Gerais, as vilas do norte de Portugal e os livros de Monteiro Lobato e Jules Verne. Aos 9 anos, escrevia contos e, após viagens para várias partes do mundo, ganhou muita inspiração para escrever e adaptar narrativas de aventura. Travou contato com culturas distintas ao visitar países e territórios como Portugal, Índia (esteve em Goa, pequeno território que fazia parte do antigo Império Português) e Macau (antiga colônia portuguesa, devolvida à China na virada do século, mas que ainda mantém o português como língua oficial). Ao mesmo tempo, o autor travou contato com gente de todos esses cantos do mundo onde se fala português. Seu texto foi referendado por nativos como, entre outros, o ministro da Cultura de São Tomé e Príncipe e Luciana Mancini, assistente direta do diplomata brasileiro Sérgio Vieira de Mello, que liderou a missão da ONU no processo de independência do Timor-Leste. Assim como Jules Verne frequentava clubes e entidades de Ciências e Geografia, Beto Junqueyra “criou” o hidroavião movido a energia solar tripulado pelos Natos, com subsídios da Aerovironment, empresa norte-americana que projetou o primeiro avião movido a energia solar. Entre suas obras, destacam-se Deu a louca no mundo, Pintou sujeira!, Ecopiratas em Fernando de Noronha, Uma luz na ilha Escura e Quem tem boca vai ao Timor.

 

Sobre o ilustrador:

Bruno Ferraz é graduado em Desenho Industrial pela Escola de Belas Artes – UFRJ e Mestre em Engenharia de Sistemas e Computação/Computação Gráfica. Atua na área de desenvolvimento de narrativas visuais em diversos segmentos como jogos, animação e ilustração. Tem vasta experiência em criação de storyboard de filmes animados e gerenciamento de projetos multimídia. Retornável, filme de sua produção e direção, recebeu o prêmio Animamulti 2015 (Júri Popular) do Anima Mundi e os troféus Green Nation 2016 (Júri oficial e popular).

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.