Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 14-08-2020 às 10:55

Para psicóloga catarata influencia no aparecimento da depressão

No Brasil, 11,5 milhões de pessoas sofrem com a depressão; entre os pacientes há alta incidência de brasileiros com mais de 60 anos

Em 2020, a patologia se tornará a mais incapacitante do mundo, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A convite da Central da Catarata, a psicóloga clínica Eliane Mello analisou o possível impacto de doenças como a catarata na incidência da d | Creditos: PixaBay

O Brasil lidera os casos de depressão na América Latina. A doença acomete 5,8% da população, ou seja, 11,5 milhões de brasileiros – de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). No âmbito global, o número de casos cresceu mais de 18% nos últimos 10 anos; o avanço rápido impulsiona a previsão de que, em 2020, essa será a enfermidade mais incapacitante do mundo. A Pesquisa Nacional de Saúde, conduzida em 2013, apontou que no país, as pessoas com idade entre 60 e 64 anos – início da velhice – são as mais acometidas pelo mal psiquiátrico. A convite da Central da Catarata, a psicóloga Eliane Pereira Mello, especialista em Psicologia Hospitalar em Reabilitação pelo Hospital das Clínicas de São Paulo (HCFMUSP), analisou as possíveis causas da incidência da doença na maturidade e apontou a catarata como um dos fatores que pode debilitar a saúde emocional do idoso, podendo causar depressão.

De acordo com a psicóloga, somos seres influenciados, ou seja, recebemos estímulos do meio e reagimos; por isso, a perda da visão tem impacto na incidência da depressão, assim como a perda de outros sentidos. “Existe uma fala comum aos pacientes idosos sobre a constante perda na vida trazida pela idade, seja na convivência com os demais, relacionamentos ou atividades diárias”, afirma. Segundo a especialista, a alteração na visão gerada pela catarata influencia na dinâmica emocional do idoso, que passa a não ver as coisas como antes. “A visão opaca, ocasionada pela doença, com decorrer do tempo debilita a saúde emocional do indivíduo. Ele passa a ver a vida sem brilho e as relações sofrem alterações. Essa baixa qualidade da visão afeta a questão psicológica e a motivação para fazer as coisas que gosta como, por exemplo, assistir tevê. Em muitos casos, o idoso se queixa que o aparelho está com problemas, sem admitir que é a visão. Com isso, o indivíduo se isola, não tem a vivacidade para passear e ver os lugares bonitos”, afirma.

A especialista em Neuropsicologia Clínica afirma que, normalmente, a família não associa as mudanças de comportamento ocasionadas pelas limitações de saúde trazidas pelo envelhecimento. Dessa forma, generaliza a forma de agir do idoso sem saber quais são os reais motivos para ele se comportar de determinada maneira. O cuidador familiar do idoso também não entende que o isolamento pode ter inúmeras causas – e que, uma delas, pode estar relacionada à perda ou diminuição da visão. “O diagnóstico da catarata acarreta medo entre os pacientes idosos; eles ficam receosos em fazer a operação; e têm receio de ficarem cegos. Após o procedimento cirúrgico e melhora na visão, percebem que não correm risco de cair na rua; que podem sair e retomar as atividades que antes estavam esquecidas. Já aconteceu de um paciente relatar que, ao voltar a enxergar, passou a ir toda hora na padaria para tomar café com os amigos, conversar com os vizinhos e ter qualidade de vida”, relata Eliane, acrescentando que a família tem um papel fundamental na busca por um diagnóstico correto. “A grande questão do idoso é a dependência. São os filhos que levam o paciente ao médico ou avaliação psicológica. Mas, o idoso nega a velhice; nega que tem problemas de visão, porque não quer gerar incômodo para o filho ou ser acompanhado. Deseja realizar as atividades sozinho e nega as dificuldades para tal”, afirma.

Com medo de perder a autonomia e independência, o idoso vai protelando a busca por atendimento médico e se isola – tudo para evitar falar sobre o assunto com os filhos e não ter que assumir as dificuldades. “Na terapia, vamos trabalhando as questões do envelhecimento. Explico que em vários momentos podemos depender de alguém, mas a autonomia é algo nosso. É preciso empoderar o idoso para que possa fazer as próprias escolhas; para que tenha autonomia por um tempo maior. Para isso, existem ferramentas auxiliares como bengala, aparelho auditivo ou óculos, que muitas vezes, despertam um incômodo na utilização em sua rotina, mas que ajudam o idoso a interagir com o meio, sair do isolamento, ter qualidade de vida e se manter atuante e ativo no meio de convivência com os amigos e familiares”, finaliza.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.