Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 06-07-2020 às 01:45

Como lidar com o machismo cultural e estrutural?

Por que ainda somos a família que educa o motorista do aplicativo?

| Creditos: Divulgação

 Há algumas semanas uma menina pegou um carro de aplicativo e durante sua viagem, apesar de demonstrar claramente que não queria as investidas do motorista, passou por uma situação de assédio sexual.

O individuo alegou que a culpa do assédio era da adolescente, porque ela estava vestindo um short curto, como também culpou a forma como ela estava sentada.

Esse triste e lamentável fato mostra como o machismo cultural e estrutural faz parte da sociedade, enrustido na piadinha de todos os dias, até a violência declarada, como neste caso.

Machismo é um preconceito, expresso por opiniões e atitudes, que se opõe à igualdade de direitos entre os gêneros, favorecendo o gênero masculino em detrimento ao feminino. O pensamento machista é cultural e inerente aos diversos aspectos de uma sociedade, como a economia, a política, a religião, a família, a mídia, as artes, etc. Tendo sido normalizado por muito tempo, há apenas algumas décadas esse comportamento é problematizado, pelos movimentos, que buscam pela igualdade de gênero, isto é, pela extinção da cultura machista nos diversos âmbitos da sociedade. Mas não é todo mundo que concorda que o machismo deve ser combatido, o que faz com que, apesar dos esforços, ele ainda esteja presente em tantos ambientes.

De acordo com a Educadora em Sexualidade Lilian Macri , o machismo tem sido a causa de muitos abusos e crimes cometidos contra o gênero feminino. “Claro, fiquei revoltada e até enjoada quando vi o vídeo e imaginei minha filha de 16 anos naquela situação! Mas, outra pergunta veio à minha mente: o que estou fazendo para que meu filho de 9 anos não seja o motorista do aplicativo? Nossos filhos não nascem machistas e não existe trabalho científico sério e ético que sustente que a testosterona é a causa deste tipo de comportamento. Quero dizer que educamos nossos filhos para isso, em relações abusivas que existem em número muito maior e muito mais próximo de nós que imaginamos e às vezes estamos numa sem nem percebermos. E quando falo em relação abusiva muitas vezes não é aquela onde existe violência declarada com luta física, e sim aquela velada, onde o pai decide que roupa a mãe usa (maquiada pela crença que ele me ama e tem ciúmes de mim), onde pais e mães deixam o irmão decidir a roupa da irmã, onde as liberdades de uma mulher são retiradas aos poucos em nome do amor. E você acha que seu filho não está vendo nada? Na verdade, ele esta aprendendo um modelo de se relacionar com mulheres onde há objetificação dela, no dia a dia”, explica a educadora.

Macri acrescenta que o machismo não impacta somente as mulheres. “O machismo é prejudicial também para os homens, desde, não ter os devidos cuidados com a saúde até a exposição à violência nas ruas que aumenta quando criamos o menino para não levar desaforo para casa. Aprendemos a relacionar autocuidado com o corpo e sentimentos com fraqueza. Na ânsia de cuidar para que nossos meninos sejam “machos de verdade” e não seres humanos com sentimentos e necessidades, nós nos perdemos no caminho. Não podemos mais negar que tenhamos de fazer diferente. A grande questão é que para fazermos diferente precisamos aprender a lidar com as nossas próprias dificuldades e sentimentos e não fomos treinados para isto. As gerações anteriores lidavam com sentimentos de forma prática: simplesmente os negavam e tocava o barco. Se não consigo lidar com meus próprios sentimentos e dificuldades, como vou conseguir ajudar meus filhos, netos, sobrinhos, alunos?”, reflete.

Para a especialista a forma de combater o machismo cultural e estrutural é a disposição que os pais têm para entender  a necessidade da mudança e voltar a serem alunos e aprender por seus filhos. E assim, oferecer uma educação sadia, livre de preconceitos e crenças que limitam e reprimem.

 

Sobre Lilian Macri

Mãe, médica (CRM 99193), pós-graduada em sexualidade pela Universidade de São Paulo, em educação em sexualidade pela UNISAL e especialista em terapia sexual pela SBRASH.

Autora do livro "Mamãe, o que é sexo? Vem que eu te ajudo com a resposta!", com a proposta de sanar dúvidas, esclarecer o papel da família e da escola, alertar sobre a prevenção de abuso sexual infantil e ajudar pais e educadores, através de uma metodologia, desenvolver uma educação em sexualidade sadia e eficiente.

Atua como colaboradora do Projeto Afrodite da UNIFESP, no ambulatório de disfunções sexuais femininas. Atende em seu consultório e ministra palestra sobre sexualidade pelo país, com foco em orientação de famílias e educadores sobre a sexualidade infantil.

É idealizadora do Método Educando para a Vida, que visa à inclusão da família e da escola na construção de valores éticos com os filhos/alunos, priorizando a humanização das relações e pessoas envolvidas. A ideia é trabalhar os três pilares: família, escola e filhos/aluno.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.