Cuiabá - MT, 10-04-2020 às 02:29

Empreendedora cria agência de intercâmbio para empoderar mulheres

Sílvia Regina da Silva conseguiu superar infância difícil e relação abusiva para ajudar mulheres

Sílvia Regina da Silva, da Intercâmbio Woman | Creditos: Sebrae-SP

A empreendedora Sílvia Regina da Silva é fundadora da Intercâmbio Woman, uma agência de intercâmbio que busca apoiar e empoderar mulheres. Ao Jornal de Negócios do Sebrae-SP, ela falou sobre os desafios que superou ao longo de sua trajetória pessoal e empreendedora . Leia abaixo:

“Sempre fui empreendedora. Ao criar a Intercâmbio Woman, consegui transformar o meu propósito de vida – empoderar mulheres e ajudá-las a crescer pessoal e profissionalmente, com foco na carreira internacional – em um negócio. A ideia surgiu das dificuldades que tive ao longo da minha vida e de como, com o apoio e as oportunidades certas, consegui superá-las.

Venho de uma família grande e muito humilde. Somos em nove filhos e vivíamos na periferia de São Paulo, em Itaquaquecetuba. Aos cinco anos, comecei a trabalhar com a minha mãe e meus irmãos recolhendo lixo nas ruas do Brás (bairro da região central), separando o que era reciclável e vendendo. Muitas vezes, não conseguíamos vender o material recolhido e não podíamos voltar para casa. Então, minha mãe improvisava um abrigo e dormíamos por lá. No dia seguinte, começávamos tudo de novo.

Mesmo a educação não sendo uma prioridade para minha mãe, nunca deixei de estudar. E nem de empreender. Aos nove anos, comecei a minha vida empreendedora. Escrevi, dirigi e atuei em uma peça de teatro. Consegui R$ 0,10 com a venda de ingressos. Aos 14 anos, vendia peças de roupas íntimas femininas na região central. Até que aos 16 anos, engravidei. E, além de ter vergonha de ir para a escola, eu vivia um relacionamento abusivo. Por isso, precisei parar de estudar.

Grávida do meu segundo filho, consegui terminar esse relacionamento e voltar a estudar. Aos 18 anos, terminei o ensino fundamental. E, mais uma vez, tive que parar meus estudos. Dessa vez o motivo eram as crianças pequenas – nessa fase já tinha mais uma menina – e os ciúmes do meu novo marido. Até que, por questões profissionais, meu marido voltou a estudar. Aproveitei a oportunidade e terminei o ensino médio em 2006. Depois de sete anos trabalhando e empreendendo em vários comércios, ingressei em um curso superior de Comunicação Institucional e, em 2015, comecei a graduação em Administração.

Durante a graduação, tive a oportunidade de fazer um curso, Business and Professional Communication, na McGill University, em Quebec, no Canadá. Durante a viagem ao Canadá, entendi que meu propósito era este: ajudar mulheres em situação vulnerável a mudar a realidade de vida delas e a estudar em outros países. Surgiu, então, a ideia da Intercâmbio Woman.

Em 2018, vendi meu carro e voltei para o Canadá. Dessa vez, passei três meses estudando francês e firmando parcerias para a empresa. No início de 2019, participei do programa Speed Mentoring do Sebrae-SP, que foi um divisor da minha vida e na vida da minha empresa.

Durante o Speed Mentoring, aprendi a gerenciar melhor os recursos disponíveis, a fazer networking, a estabelecer parcerias e a ampliar meus horizontes. O programa me deixou mais segura sobre os rumos que quero seguir e trouxe mais credibilidade para minha empresa.

Atualmente, o principal produto que oferecemos é um programa com duração de seis meses. Além de aulas de inglês com estrangeiros aqui no Brasil, as alunas podem fazer um intercâmbio de um mês para alguns países e treinar a língua na prática. Elas também podem fazer cursos de inglês com foco em negócios, com duração de seis meses.

Para o futuro da empresa, os planos são buscar novos apoiadores e patrocinadores do projeto e formar mais parcerias com escolas de idiomas e universidades internacionais renomadas; sempre com o objetivo de inserir cada vez mais mulheres capacitadas no mercado de trabalho nacional e internacional. Minha expectativa é atingir 1,2 mil mulheres por ano com nossos programas de desenvolvimento pessoal e profissional.”

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.