Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 27-01-2020 às 11:01

Ousadia ao empreender sem abrir mão da carreira

De acordo com o Sebrae, nos últimos dois anos, o número de mulheres empreendedoras que são “chefes de domicílio” saltou de 38% para 45% em todo o país

| Creditos: Divulgação

De acordo com o Sebrae, nos últimos dois anos, o número de mulheres empreendedoras que são “chefes de domicílio” saltou de 38% para 45% em todo o país.

Em relação aos setores que elas mais investem, quase metade delas apostam no segmento de serviços (43,9%); 36,42% na indústria; 1,34% na construção civil; e apenas 0,15% na agropecuária.

Atualmente é possível encontrar mulheres que conciliam o próprio negócio com uma carreira já consolidada, que investem em setores onde elas até então eram minorias ou até mesmo que decidiram ousar e optaram em explorar alguns ramos inusitados.

 

Arquitetando um empreendimento

Idade não é mais um impedimento quando se fala em empreender, como mostra a empresária Selma Barbugian. Hoje com 58 anos, ela decidiu se arriscar no mundo dos negócios com 56, mesmo já com uma carreira consolidada como arquiteta. A ideia de empreender partiu de sua amiga, que até então era apenas colega, Raquel Damasceno. “Em um final de semana, na minha casa, a Raquel contou o plano de montar uma boutique de luxo, e logo eu me prontifiquei a ajudar, no entanto ela disse que não queria ajuda, e sim que eu fosse a sócia da empresa”, explica Selma.

Em 2017 então surgiu a loja virtual Bloom me, uma loja feita para mulheres que buscam produções sofisticadas e ideais para qualquer ocasião. A ideia inicial era que a boutique fosse exclusivamente online, mas a Bloom Me fez tanto sucesso que, em 2019, elas decidiram transformá-la em loja física também. “Não abri mão da minha carreira, decidi conciliar meu trabalho de arquiteta e de empresária. É um pouco corrido, mas ao tempo, é bastante prazeroso e satisfatório”, explica a empresária.

Sem a loja física, em 2018, o faturamento médio mensal da marca não passava de R$ 10 mil. Hoje, ele ultrapassa os R$ 30 mil. O tíquete médio é de R$ 400. Todos os produtos são vendidos tanto na loja quanto no e-commerce.

 

Negócios prazerosos

O mercado erótico tem conquistado cada vez mais espaço no país. Várias empresárias decidiram investir no setor e criaram marcas conceituadas no mercado, como foi o caso da INTT Cosméticos. A marca surgiu em 2007, após a família Seitz desembarcar no aeroporto de Munique, na Alemanha, e se surpreenderem com a qualidade dos produtos que eram vendidos no sex-shop do local.

Após estudarem bastante sobre o mercado, a marca foi lançada no mesmo ano. “Hoje as pessoas estão mais esclarecidas, não ficam com receio de entrar em uma loja de produtos eróticos pois sabem que é possível encontrar uma variedade de produtos sofisticados, então o mercado passou a ser levado a sério”, explica Stephanie Seitz, diretora da INTT Cosméticos.

Hoje, a INTT Cosméticos acumula cifras interessantes, como um crescimento de 500% em uma década e a comercialização de 600 milhões de itens. Com 200 produtos no portfólio e 40 funcionários, os Seitz decidiram expandir os seus negócios e atravessarem o oceano Atlântico rumo à Europa, levando na bagagem ativos e a qualidade brasileira, com os quais pretendem despertar o interesse dos consumidores ávidos por novidades eróticas.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.