Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 06-12-2019 às 08:45

Menopausa sob ótica existencial

Filme "Pause" mostra a vida complexa de protagonista que ao atingir a idade madura busca se refazer para encontrar a felicidade

A liberdade só pode ocorrer com a saída de casa ou com a morte do companheiro opressor. | Creditos: Reprodução

Você, que é mulher, já sentiu que a vida não tem sentido algum, principalmente se chegou na faixa dos 40 anos, com a proximidade da menopausa e, muitas vezes, com uma existência afetiva e emocional bem distante daquilo que esperava? Pensou em largar tudo e recomeçar a vida, mas fica indecisa perante as âncoras que te prendem ao passado?

Veja então o filme “Pause”, da cipriota Tonia Mishiali. A protagonista Elpida (Esperança, em português), vivida com surpreendentes mudanças de tom dramático pela atriz Stella Fyrogeni, está na situação que ninguém gostaria de vivenciar. O marido mal a olha, a sua filha e neta moram distantes e parece haver poucas possibilidades daquela realidade se alterar.

Uma escapatória são as aulas de pintura, nas quais Elpida não demonstra nenhum talento especial. Isso, porém, não a impede de viver um cotidiano em que começa a olhar para o mundo e a fantasiar situações com as pessoas ao seu redor, desde o bruto marido ao sexy pintor de paredes do prédio.  

Aquilo que é e o que gostaria de ser começam a se confundir de maneira progressiva na mente da protagonista. A liberdade só pode ocorrer com a saída de casa ou com a morte do companheiro opressor. E todos esses caminhos têm ônus e bônus, ações e reações. A cena final aponta para uma alternativa, mas também traz dúvidas. Nada é tão simples perante as consequências físicas e emocionais do envelhecimento para uma mulher em numa sociedade machista e preconceituosa.

Ideal para refletir sobre o posicionamento da mulher atual. O filme mostra como as questões existenciais envolvendo a mulher contemporânea, como o machismo, a opressão, o sexo sem amor e o sem sentido da vida, e as resoluções cotidianas, como pintar o cabelo, divertir-se e simplesmente, aquilo que é mais difícil, ser feliz, caminham lado a lado com o passar do tempo.

Nesse contexto social e individual, “Pasue”, filmaço denso e amedrontador, demanda coragem do espectador da primeira até a última cena. O coração acelera e o corpo se incomoda, pois o dilema de sobreviver da protagonista esbarra no viver de cada um de maneira diferente, mas sempre com profundidade e com a esperançosa percepção de que algo pode ser feito a cada instante para mudar o panorama apresentado.

 

Sobre o especialista:

Oscar D’Ambrosio é jornalista pela USP, mestre em Artes Visuais pela Unesp, graduado em Letras (Português e Inglês) e doutor em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e Gerente de Comunicação e Marketing da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.