Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 06-12-2019 às 08:58

Cuiabá é a cidade que mais cresceu em unidades de franquias

7 municípios subiram posições na lista dos 30 maiores em número de operações de franquias entre o 1º semestre de 2019 e o mesmo período do ano passado

Cuiabá, capital do Mato Grosso, foi a cidade que mais cresceu em unidades, saltando do 29º para o 1º lugar no ranking dos 30 municípios com maior variação nesse quesito. | Creditos: PixaBay

Há um movimento mais intenso de expansão das redes de franquias para o interior – a chamada interiorização –, fora do eixo Rio – São Paulo e, dentro dele, observa-se também um crescimento considerável das marcas nas regiões metropolitanas. É o que revela o estudo divulgado pela ABF – Associação Brasileira de Franchising sobre os 30 municípios que registraram maior número de unidades e redes no 1º semestre deste ano em relação a igual período de 2018. A entidade avaliou também as cidades que tiveram maior crescimento dentre essas 30 em número de operações e marcas.

De acordo com o levantamento, Cuiabá, capital do Mato Grosso, foi a cidade que mais cresceu em unidades, saltando do 29º para o 1º lugar no ranking dos 30 municípios com maior variação nesse quesito, registrando 20% de crescimento, maior porcentual no grupo pesquisado. O levantamento indica que os segmentos que registraram maior variação em Cuiabá no período foram: Limpeza e Conservação (44%), Moda (40%), Comunicação, Informática e Eletrônicos (40%).

O município da Região Centro-Oeste subiu 4 posições no quadro geral de unidades, passando de 534 para 642 operações abertas. Segundo o IBGE, a capital mato-grossense tem uma população estimada em mais de 600 mil habitantes e registrou um PIB per capita de R$ 37.930 em 2016, 24% a mais do que a média nacional.

Uma das razões que projetaram Cuiabá entre as 30 maiores em unidades de franquias foi a abertura de shopping centers na cidade. Os segmentos que representaram 77% do aumento do número de operações na capital mato-grossense nos semestres analisados foram:  Moda, que cresceu 40%, Alimentação (12,8%), Serviços e Outros Negócios (37%) e Saúde Beleza e Bem-Estar (14%).

De acordo com André Friedheim, presidente da ABF, “o estudo comprova o aumento da capilaridade das redes de franquias em todas as regiões do Brasil. Além da vocação natural das marcas por expandir, há uma conjunção de fatores que estimulam a ampliação dessa capilaridade, entre eles eu destaco: as redes buscam novos mercados internos também como estratégia para manter sua rentabilidade; para explorar melhor o nosso país, que tem dimensões continentais, e pelo fato de que há uma demanda por produtos e serviços de marcas conhecidas por todo o País”.

O levantamento mostra também que no ranking dos 30 maiores municípios em unidades, 36,7% deles não são capitais. Entre eles, os que subiram de posição nesse quesito foram: na Grande São Paulo: Guarulhos, de 15º para 14º lugar; São Bernardo do Campo, de 17º para 16º; e Santo André, de 19º para 18º. O quarto município em destaque foi São José do Rio Preto, no interior do Estado, da 24ª para a 22ª posição.

Teresina, no Piauí, foi, além de Cuiabá, a única capital que subiu de posição no ranking das 30 maiores cidades em operações de franquias. A capital piauiense, na Região Nordeste, avançou 3 posições, do 27º para o 24º lugar. Já na lista das cidades com maior variação nesse item, Teresina subiu ainda mais, saltando da 27ª para a 6ª colocação. Os segmentos que responderam por 61% da variação positiva da capital nordestina em unidades foram: Comunicação, Informática e Eletrônicos (138%), Serviços e Outros Negócios (33%), Limpeza e Conservação (15%) e Moda (12%).

Já as cidades que, além de Cuiabá, apresentaram maior variação em unidades no período analisado foram: Santo André (17%) e Sorocaba (14%), no estado de São Paulo; Londrina (13%), no Paraná; e São José do Rio Preto, SP (13%).

As capitais do Nordeste de maior destaque em número de unidades foram, respectivamente, Salvador (BA), em 6º lugar, Fortaleza (CE), 9º, e Recife (PE), em 10º.

 

Redes

O estudo mostra que dentre os 30 municípios brasileiros com maior número de marcas de franquias presentes, 17 são capitais (56,7%) e dentre estas, 33% são das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Porém, duas cidades, não capitais, estrearam no ranking das Top 30 nesse quesito: Londrina, no interior do Paraná, e Santos, no litoral paulista.

Ainda de acordo com o levantamento, as cidades com maior crescimento em número de marcas no primeiro semestre de 2019 não são capitais: foram os municípios de Guarulhos (SP) e Londrina (PR).

Para Marcelo Maia, diretor executivo da ABF, “os dados reafirmam a força do franchising e que há um enorme mercado a ser explorado pelas redes de franquias Brasil afora, com novos modelos de negócios, adaptados regionalmente, inclusive, e para todo perfil de investidor”.

A maior variação registrada entre as cidades em número de marcas em operação nos semestres pesquisados foram: Guarulhos (SP), Londrina e a capital paranaense Curitiba, São Paulo, capital e, por fim, Goiânia, capital do estado de Goiás.

Já 5 capitais fora do eixo Sul – Sudeste apareceram nas 10 primeiras colocações no 1º semestre deste ano frente ao mesmo período de 2018 em número de redes: a capital federal Brasília (DF) e Recife (PE), Goiânia (GO), Salvador (BA), e Fortaleza (CE).

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.