Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 17-11-2019 às 08:17

4 dicas para não comprar azeite fraudado

Saber analisar o rótulo é o segredo para fugir de produtos de baixa qualidade

Os fabricantes que adulteram produtos estão utilizando técnicas cada vez mais aprimoradas para ludibriar o consumidor e a fiscalização | Creditos: PixaBay

Nesse mês de outubro, o Ministério da Agricultura anunciou a punição com a suspensão da venda de 32 marcas de azeites de oliva que sofreram adulteração. A maioria delas misturou o azeite com óleos de soja e outros óleos de origem desconhecida. A Operação Isis do Ministério começou em 2016 e realizou a análise dos produtos entre 2017 e 2018.

Apesar da suspensão, não é fácil garantir que os produtos que estão disponíveis nas gôndolas são de confiança. Os fabricantes que adulteram produtos estão utilizando técnicas cada vez mais aprimoradas para ludibriar o consumidor e a fiscalização. Portanto, saber os detalhes para identificar um bom azeite é essencial para não levar um produto de baixa qualidade para casa.

E para ajudar nessa tarefa, Chiara Tengan, gerente de marketing da Ajinomoto® Food Service, divisão responsável pela distribuição dos azeites Terrano™, trouxe dicas de ouro para aprender a verificar a qualidade de um azeite:

 

Produção

Os dados de origem do produtor devem estar descritos no rótulo e se o local de produção e envase forem iguais, melhor. Não é uma regra, mas existe uma chance maior de fraude quando essas informações são diferentes. A melhor alternativa é sempre optar por marcas já reconhecidas onde há maior controle sobre a qualidade e segurança alimentar. Se essas informações não estiverem disponíveis ou se os locais forem diferentes, desconfie. “A omissão da origem do produtor pode ser um indicativo de que o produto veio de locais diversos, o que sugere que pode ter ocorrido mistura de óleos”, explica Chiara.

 

Certificados de qualidade

Selo de qualidade no rótulo é um bom indicativo de que a mercadoria é confiável. Por exemplo, a Casa de Azeite de Portugal fornece o certificado para os produtos com padrão de qualidade português, como os da linha de azeites Terrano™. “Todo azeite certificado passa por uma rigorosa análise de qualidade, que verifica se todas as etapas de produção, acidez e procedência estão de acordo com os parâmetros de exigência para que seja consumido”, afirma Chiara.

 

Tipo

Os azeites devem ser “catalogados”, ou seja, o tipo do produto deve estar descrito na embalagem (virgem, extravirgem ou tipo único). A falta de classificação pode ocorrer quando o produto é misturado com outros óleos, que faz com que a acidez do azeite seja modificada e a qualidade prejudicada.

 

Preço

É aquele velho ditado: o barato sai caro. O valor deve ser razoável. Desconfie de azeites com preço muito reduzido, pois a produção de boa qualidade não tem custo baixo. Ainda há muitos consumidores que compram óleo de soja com azeite de baixa qualidade pensando que é azeite extravirgem.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.