Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 17-11-2019 às 08:47

Comportamento: preço é o principal fator de escolha

O IEMI - Inteligência de Mercado, acaba de lançar seu novo estudo sobre “Comportamento de Compra do Consumidor de Vestuário”, atualizando o estudo realizado em 2017

Mudanças no comportamento de compra de vestuário: preço é o principal fator de escolha e e-commerce cresce | Creditos: Divulgação

Realizado em agosto deste ano, abordando o comportamento de compra de 1.250 consumidores de vestuário em sua última compra, de todas as faixas etárias, poder de compra e regiões, o novo estudo do IEMI - Inteligência de Mercado apresenta mudanças em relação à versão anterior, de 2017.

Dois anos atrás, o bom atendimento superava todos os requisitos na tomada de decisão. Já o estudo atual indica que os consumidores passaram a se preocupar principalmente com a questão de preços mais baixos e a variedade de produto por parte das lojas. O bom atendimento passou a ocupar a quarta posição em relevância.

“Este dado reflete a retração da economia nos últimos anos que obrigou os consumidores, especialmente das classes C e D, a reduzirem os gastos em geral”, analisa Marcelo Prado, diretor do IEMI.

  

Outra mudança foi o crescimento do e-commerce. Ainda que as lojas físicas predominem na comercialização de vestuário, sendo a opção preferida para 79% dos consumidores, 17% deles relataram ter realizado a sua última compra em uma loja online, contra 14% em 2017. “Ainda que incipiente, o e-commerce vem ganhando participação crescente no setor”, acrescenta Prado.

 

Opção de compra

 

Dentre os consumidores que optaram pelo varejo físico, 50% deles realizaram sua última compra em shopping centers, havendo um leve aumento por esta preferência em relação à pesquisa de 2017, quando este índice era de 49%. Já a preferência por lojas de rua permaneceu igual, com 32% dos respondentes.

Frequência de compra

Mesmo após o período pós crise, o consumidor ainda está cuidadoso na retomada do consumo. Em geral, a frequência média de compra dos consumidores caiu de 6 para 5,6 compras por ano em relação à pesquisa de 2017. Exceto pelos consumidores da classe A, que aumentaram sua frequência de compra de 8 para 8,8 compras de vestuário por ano em média, nestes dois anos. Por outro lado, o consumidor está levando mais peças: média de 3,1 peças por compra contra 3 peças em 2017.

Motivações do consumidor

Dentre os principais motivos de compra, “substituir uma peça antiga” foi o mais indicado, por 22% dos consumidores, principalmente entre os homens, tendo 28% deles manifestado esta resposta. Esta motivação também foi a mais informada pelas mulheres (17% delas), porém, em menor número. Neste quesito, as mulheres mostraram-se mais engajadas às respostas emocionais, como: “queria me dar um presente” e “vontade de me sentir bonita ou bem vestida”.

Mais de 51% delas compraram influenciadas por estes tipos de motivações. Os homens por outro lado, se engajaram mais com motivações pragmáticas, como: “substituir uma peça antiga”, “uma festa ou um evento especial” e “comprei para dar de presente”. Cerca de 50% informou estes tipos de motivações.

Motivo que o levou a comprar (% dos consumidores)

Sobre o IEMI

IEMI - Inteligência de Mercado foi criado em 1985 para atender a crescente demanda por dados numéricos e comportamentais relativos aos mercados das empresas e entidades de todos os tamanhos, bem como ajudar a sustentar o planejamento de suas ações. O IEMI tornou-se a principal fonte de informações para importantes setores da economia brasileira, como vestuário, têxtil, calçados, linha lar, móveis e colchões.

Suas pesquisas de mercado e de comportamento oferecem diretrizes de futuro para as empresas.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.