Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 16-10-2019 às 04:00

Repto em nome da dignidade acadêmica

Casa Barão, sede da AML | Creditos:

 Nas ultimas semanas vimos pela imprensa e mídias sociais anunciar-se uma suposta “guerra entre imortais”. Todo o alarido surgiu em razão da disputa entre duas chapas pela Diretoria da Academia Mato-Grossense de Letras. Disputa legitima, natural e, de certa forma, bem vinda à medida que isso poderia representar um diálogo construtivo em torno do futuro de uma entidade que é a mais antiga das instituições culturais de Mato Grosso. No entanto, o que deveria ser um saudável e democrático debate interno, injustificadamente transbordou, levado que foi ao conhecimento de toda a sociedade mato-grossense. Ainda assim poderia ter sido positivo se, ao invés de questiúnculas, miudezas e idiossincrasias pessoais, tivesse sido colocado em discussão os problemas maiores ligados à cultura, ao conhecimento e, particularmente, a uma forma eficaz de procurar fazer aportar à instituição recursos financeiros que venham a contribuir para melhor dinamizar suas atividades. Lamentavelmente isso não foi, e não é, o que testemunhamos.

         Se não procedia a informação de que seria esta a primeira vez em que duas chapas estavam disputando a Diretoria é certo, porém, que esta é a primeira vez em nossa história quase centenária que um assunto que dizia respeito única e exclusivamente aos acadêmicos foi levado a público de modo tão desairoso, tão afrontoso, atingindo não somente os atuais acadêmicos mas todo o nosso passado de convivência respeitosa. E é por esta razão que estamos vindo a publico repudiar o comportamento nefasto, pernicioso e deletério de uma minoria de ressentidos. A pirotecnia verbal criada por uns poucos, unicamente para satisfazer o próprio egocentrismo, levou deliberadamente à distorção da verdade. Daí à ignominia dos assaques pessoais foi um passo apenas. Este informe tem o objetivo de esclarecer aos interessados e aos desavisados que a mentira, embora repetida várias e seguidas vezes, não pode jamais se sobrepor à verdade. Vamos então aos fatos.

         Uma acadêmica, antes mesmo da publicação do Edital de eleição, açodadamente lançou-se candidata e deu inicio à sua campanha. Após a publicação oficial, outra chapa se inscreveu. A partir desse momento, pessoas da chapa prematura deram inicio a uma série de atitudes pueris, desafiadoras e provocativas que resultou em grave e inédita desavença na família acadêmica.

         Tal comportamento solerte, desconhecido em nossa história, que em absoluto se coaduna com a vida acadêmica, teve efeito contrário ao pretendido, pois serviu para unir ainda mais todos os membros mais antigos e sóbrios da instituição. Em decorrência, de antemão sabendo-se derrotado, e embora tendo participado do processo eleitoral até a ultima hora, esse grupo deixou de cumprir a obrigação estatutária de votar. Ao ausentar-se da votação de forma inglória, demonstrou um comportamento indigno àqueles que devem dar o exemplo de respeito à instituição a que pertence e de reverencia à Democracia. As esfarrapadas justificativas, que depois da derrota passaram a apresentar, não encontram o mínimo amparo no Estatuto, qualquer respaldo na história da Academia, tampouco sustentação ética. Deste modo é que salta aos olhos que a derrota sofrida não foi apenas pelo voto. O bom senso, a seriedade e a serenidade do espírito acadêmico prevaleceram. As pseudos justificativas apresentadas não passam de esperneios de derrotados, embora seja deplorável que entre estes se encontram pessoas que participaram da elaboração do Estatuto o que significa, no mínimo, que deveriam conhecê-lo e respeitá-lo.

         Vale dizer que o inócuo boicote não é o primeiro que essa minoria realiza. Já há algum tempo seus componentes não comparecem nem às reuniões mensais e extraordinárias relativas aos eventos promovidos pela instituição, tampouco às sessões solenes de posse de eleitos e mesmo à Sessão Magna da Saudade, criada para homenagear acadêmicos falecidos. Com tal comportamento maldoso não atingem colegas seus, mas sim a própria dignidade acadêmica. Tais ações desagregadoras nunca foram vistas em nosso meio acadêmico.

         Como encenadores do desdém, do desrespeito e da intolerância assumem, com falso orgulho, o deplorável comportamento que espalha falsas notícias, que tenta torpedear as iniciativas da instituição e que visa a criar a cizânia. Ora, essas são as características dos autoritários e daqueles que lhes são servis. E, o que nos deixa abismados, é como alguns se dispõem a ser subordinados, numa deplorável servidão voluntária. A estes últimos, recomendamos a que leiam La Boétie que escreveu sobre A servidão voluntária, no qual recomendava como o caminho do verdadeiro cidadão: “Tomai a resolução de não mais servides e sereis livres”.

         Sob a pretensa fala de “defenderem” a literatura, como se dela fossem os donos, causam a divisão em um campo já frágil e desprotegido. Por vias transversas estão na realidade combatendo uma instituição – a Academia Mato-Grossense de Letras – que, a duras penas, vem se mantendo impávida, por empenho quase que exclusivo de seus membros, ao longo dos últimos noventa e oito anos.

         Mas, daqui da Casa Barão de Melgaço, símbolo majestoso da tradição mato-grossense, lançamos um repto aos protagonistas da desavença e do desdém: não conseguirão destruir a nossa instituição. Atitudes demagógicas, estimuladas por um pedantismo, que é fruto da arrogância e da soberba, em nada contribuem para o verdadeiro conhecimento e o autentico labor em favor da cultura. Não permitiremos que pseudo intelectuais, distanciados da realidade de seu povo e movidos apenas pelo ressentimento, pelo ódio e pela frustração enodoem a nossa tradição. A Academia mantém-se renovada e, sendo fiel ao seu passado, olha para o futuro.

 

Casa Barão de Melgaço, 24 de setembro de 2019.

 

A DIRETORIA

 

Sebastião Carlos Gomes de Carvalho – Presidente

José Cidalino Carrara – Primeiro Secretário

Sueli Batista dos Santos – Segundo Secretário

José Ferreira de Freitas - Decano

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.