Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 15-09-2019 às 09:53

Como a arquitetura garante bem estar aos funcionários?

O projeto de um escritório tem papel ativo na mobilidade de centenas de profissionais e cabe às empresas de arquitetura corporativa promoverem espaços que estejam de acordo com as iniciativas público-privadas para resolver a questão dos congestionamentos

É preciso pensar na qualidade de vida dos funcionários dentro e fora da empresa | Creditos: Divulgação

Os maiores desafios da arquitetura corporativa do século XXI são promover a sinergia e gerar engajamento doscolaboradores, porém sempre focando em uma qualidade de vida essencial para os tempos atuais, e levar em consideração a questão o trânsito das grandes cidades é uma grande premissa. O projeto de um escritório tem papel ativo na mobilidade de centenas de profissionais e cabe às empresas de arquitetura corporativa promoverem espaços que estejam de acordo com as iniciativas público-privadas para resolver a questão dos congestionamentos e outros problemas comuns às metrópoles.

O principal é entender que o escritório não está flutuando no espaço, mas em um endereço definido e em uma vizinhança determinada e é preciso levar em conta a mobilidade urbana do entorno e também o trajeto dosfuncionários - se utilizam automóveis particulares, transporte público, transporte fretado, bicicletas ou patinetes. A partir destes dados fica mais fácil entender as demandas reais de quem vai utilizar aquele espaço pelo menos cinco vezes na semana.

Mais do que isso, é necessário estar atento às demandas futuras. Cada vez mais pessoas estão trocando o transporte particular pelas bicicletas, patinetes entre outros, mas não farão essa transição se não encontrarem uma infraestrutura como um bicicletário, por exemplo. "Em projetos recentes da Studio BR, para a ConectCar e para o Banco BMG, os diretores das empresas abriram mão de algumas vagas de garagem para ganhar um bicicletário - que incentivou muitos funcionários a adotar de vez as bicicletas. Em outros projetos como da Autopass e Banco Pine o prédio teressa infraestrutura era premissa essencial pra a escolha do novo local", afirma Rodrigo Mancini, Co Partner na Studio BR Arquitetura.

É claro que essa iniciativa gera novas demandas. Esses projetos de arquitetura contam com ambientes que, até então,eram raros em escritórios corporativos - como chuveiros, armários e um vestiário bem equipado para atender plenamente às necessidades de quem opta por esse modal de transporte. Assim, entramos em um ponto importante: não é suficiente abrir um espaço qualquer para guardar bicicletas, é preciso integração.

Em momentos anteriores a arquitetura corporativa buscava criar ambientes hierárquicos e verticais, houve uma grande mudança com o entendimento de que o bem-estar dos colaboradores poderia guiar os projetos arquitetônicos e isso já é realidade. Agora, estamos passando por um novo momento: é preciso pensar na qualidade de vida dos funcionáriosdentro e fora da empresa. Este desafio está longe de ser um problema, pelo contrário, mostra o valor da arquitetura para o mercado corporativo e para a vida das pessoas. gerando maior produtividade e assertividade nas empresas além de uma qualidade mais plena de vida para os colaboradores.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.