Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 26-08-2019 às 01:10

Dermatologista ensina a cuidar da pele no inverno

Quadros de dermatite atópica e psoríase costumam piorar na época mais fria do ano por conta de hábitos inadequados

| Creditos: PixaBay

Com a chegada do inverno, não são somente os pacientes com problemas respiratórios ou ósseos que sofrem, mas também quem possui alguma doença crônica de pele. O período de frio leva a um maior ressecamento da pele, justamente porque as pessoas costumam tomar banhos mais quentes, o que provoca danos às camadas superficiais do órgão, responsável por manter nosso organismo protegido e hidratado. 

Em geral, as partes do corpo mais afetadas são os membros inferiores, as mãos e o rosto, mas o cenário é ainda mais prejudicial para quem convive com doenças de pele. Patologias como psoríase e dermatite atópica tendem a piorar e necessitam de atenção redobrada.

Vermelhidão, placas descamativas na pele e coceira são sintomas comuns tanto na psoríase quanto na dermatite atópica. As duas condições são crônicas e inflamatórias, não contagiosas, têm influência genética e podem ser devidamente tratadas, porém conservam origens e implicações distintas.

“Enquanto a dermatite atópica é uma doença que costuma aparecer principalmente na infância, podendo ou não persistir ao longo dos anos e está relacionada a um processo alérgico (atopia), a psoríase acontece na fase adulta e está relacionada a uma anormalidade na renovação celular”, informa a dermatologista Aline Magalhães, diretora médica da LEO Pharma.

Abaixo a Dra. Aline elenca alguns cuidados que podem ajudar no controle do ressecamento da pele no inverno:

Beber grandes quantidades de líquidos: água, chás e sucos com baixo índice glicêmico são os tipos de bebidas mais recomendados.

Utilizar hidratante após o banho: aplicar cremes e loções de hidratação específicos para peles sensíveis logo depois do banho ajudam a pele a recuperar a barreira cutânea e restaurar a oleosidade perdida devido à alta temperatura da água e o uso de sabonetes.

Proteger-se contra raios UVA e UVB: o sol pode aparecer com menos intensidade, mas os raios ultravioletas ainda causam o envelhecimento e aparecimento de manchas na pele – que podem evoluir para um quadro de câncer. O uso de filtro solar é indispensável.

Evitar a utilização de materiais abrasivos na pele: esfoliantes, toalhas ásperas e buchas também podem contribuir para a retirada da oleosidade natural e protetora da pele. Opte por materiais mais macios e realize um intervalo maior no uso de sabonetes ou cremes esfoliantes.

Manter tratamento e acompanhamento clínico: a adesão ao tratamento indicado pelo dermatologista para a doença de pele é essencial. Além disso, é necessário visitar o consultório regularmente, conforme recomendação do profissional de saúde responsável pelo caso. 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.