Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 12-11-2019 às 06:40

Cinco dicas para compreender a asma

Apesar da gravidade, a asma tem tratamento, o que possibilita à grande maioria dos pacientes levar uma vida normal

A asma atinge aproximadamente 20 milhões de brasileiros 1; seis pessoas morrem diariamente no Brasil por causa da doença | Creditos: PixaBay

Com a chegada da estação mais fria do ano, especialistas alertam sobre a doença crônica que afeta as vias respiratórias e o pulmão. Apesar de não ter cura, a asma tem tratamento e com os cuidados corretos é possível controlar a doença, permitindo ao paciente levar uma vida normal.

Nesse período do ano, é preciso ficar ainda mais alerta para evitar as crises que tanto prejudicam os pacientes. Cuidar da alimentação também é essencial, pois o excesso de peso dificulta o controle da doença por interferir no metabolismo e na capacidade de respirar. A gordura do corpo produz substâncias que agravam inflamações em estruturas do pulmão.

Outro ponto de atenção refere-se às substâncias que causam alergia, pois elas podem gerar inflamações nas vias respiratórias, como ácaros, mofo, pelos de animais, entre outros.

 

Sintomas, sinal de alerta

Os sintomas da asma são falta de ar, chiado, aperto no peito, despertar noturno e dificuldade para a realização de atividades rotineiras. E, apesar da asma não ter cura, há tratamento que permite 100% do controle da doença, fazendo com que o paciente leve uma vida normal.

Sobre a sua gravidade, a asma atinge 20 milhões de brasileiros e seis pessoas morrem diariamente por causa da doença. Em se tratando de asma infantil, aproximadamente 20% das crianças convivem com a enfermidade, o que significa que se não submetidas ao tratamento adequado, podem passar por restrições importantes justamente em uma fase de desenvolvimento.

A efeméride e o aumento das crises de asma por conta do inverno são oportunidades para esclarecer dúvidas sobre a doença e optar pelo caminho seguro do tratamento. Confira cinco dicas do Dr. Paulo Pitrez, pneumologista pediátrico do Hospital Moinhos de Ventos (RS) sobre a enfermidade:

 

Existe diferença entre asma e asma grave?

A asma grave é a doença na qual o paciente precisa de muita medicação preventiva, como corticoides inaláveis em doses mais altas, associados a outros medicamentos como broncodilatadores ou até medicamentos de última geração como os imunobiológicos, para o controle da doença, ou mesmo assim não consegue controlar a doença.

 

Asma e bronquite: é tudo a mesma coisa?

A asma é uma forma de bronquite, mas bronquite é o termo usado para chamar a asma no Brasil. Asma, bronquite alérgica e bronquite asmática são a mesma coisa, mas asma é o termo médico correto de usar.

 

Dá para controlar a asma?

Sim, é possível. A partir do tratamento disponível, é possível manter o paciente saudável, levando uma vida normal. O objetivo do controle da asma é diminuir/acabar com o sofrimento do paciente, fazendo com que ele não tenha sintomas. Controlar a asma, de modo geral, significa, inclusive, evitar mortes desnecessárias (5-7 óbitos por dia no Brasil, segundo o DATASUS). É importante saber que a asma é uma doença crônica e sem cura, apesar de poder melhorar em alguns pacientes durante a vida. A asma grave costuma ser persistente por toda a vida do paciente.

 

Como saber se a asma está, de fato, controlada?

A partir das observações rotineiras do paciente. Tosse, falta de ar ou chiado no peito recorrente, despertar noturno por sintomas ou sintomas aos exercícios são indicativos de ausência de controle da doença. Crianças que não brincam tanto, que ficam mais cansados, é outro sinal de alerta. Uma crise de asma (piora dos sintomas que duram vários dias) é um sinal de total descontrole da doença.

 

É normal ter sintomas?

Não é normal ter sintomas. A asma tem uma particularidade: as pessoas se acostumam com ela e com as limitações decorrentes dela. E consideram essas limitações como algo normal e não é. O ideal para o paciente com asma é ter o controle completo da doença.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.