Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 19-06-2019 às 19:46

Como fazer uma transição segura de empregado para empresário

Para fazer algo bem, você tem que não somente gostar muito do que faz, mas acreditar no seu projeto

O bom empreendedor: É aquela pessoa que continua quando todos parariam, que está disposto a dedicar tempo e dinheiro, falhar e recomeçar | Creditos: Divulgação

Ter o próprio negócio é o desejo de 58% dos brasileiros, de acordo com a pesquisa Amway Global Entrepreneurship Report. Não à toa, 11,1 milhões de empresas foram criadas nos últimos 3,5 anos no Brasil, segundo o Sebrae-SP. De fato, há muitas pessoas deixando de bater ponto para realizar o sonho de ser empresário. Mas quando você decide iniciar um negócio, é preciso muita cautela, pois o universo do empreendedorismo é bem diferente do emprego fixo. Primeiro, é preciso ter a resposta para a seguinte pergunta: porque realmente eu quero abrir esse negócio?

Muitas pessoas decidem empreender por motivos equivocados. Há quem queira unicamente ganhar dinheiro, mas sem avaliar se possui o perfil dinâmico e aberto a riscos. Ou quem abre qualquer negócio simplesmente por parecer a solução mais rápida para sair de um emprego que não aguenta mais. Motivos assim não são fortes o suficiente para você seguir em frente quando as maiores adversidades surgirem.

Segundo Vivian Wolff, Coach de Vida e Carreira pelo Integrated Coaching Institute (ICI), com MBA em Marketing Estratégico pela University de Catalunya, Barcelona; ao começar um negócio próprio, é preciso escolher algo que você goste muito e que tenha conhecimento.

“Analise as condições do mercado, público-alvo, localização e, principalmente, se é mesmo o seu perfil. Ser empreendedor não é o glamour que muitos pensam e não representa garantia de sucesso. Você terá que trabalhar o dobro do que trabalhava no seu emprego até sua empresa engatar, começar a se pagar e a gerar lucro. Terá que tomar decisões difíceis, descobrir como conseguir o investimento para seu negócio e como vai se sustentar enquanto o projeto não gera receita. Poucos pensam sobre isso e, de repente, o fluxo de caixa entra em pane”, explica Vivian.

Para quem está desempregado, avaliar os recursos e economias é fundamental. Para quem está pensando em uma transição de carreira, uma mudança progressiva e planejada antes de largar o emprego é o recomendado. “Verifique se seu projeto de negócio é realmente interessante. Muitas vezes, e com a boa intenção de te motivar, as pessoas não lhe dirão a verdade sobre suas ideias. Portanto, fique atento. Se não está recebendo nenhum feedback negativo ou questionador, reflita”, pontua Vivian.

Segundo o monitoramento do Sebrae-SP, 27 em 100 empresas paulistas fecham no 1º ano, e 58% fecham até o 5º ano. Ou seja, menos da metade sobrevive. Por que isso acontece? De acordo com Vivian Wolff, a razão número um para a falência de um negócio recém-aberto é a falta de mercado para um determinado produto ou serviço.

“Muitas empresas se baseiam na estratégia de criar uma necessidade inexistente ou, em outras palavras, usam o ‘as pessoas não sabem que precisam de algum produto ou serviço até você convencê-las de que sim’. Essa premissa já foi defendida por grandes executivos, e às vezes até funciona, mas para a maioria não acontece com essa facilidade”.

Portanto, se você vai investir tempo e recursos na criação de um negócio, procure se certificar ao máximo que é o produto certo para o mercado certo.

Outras razões não menos importantes que justificam o fracasso são a falta de planejamento, de capital de giro, de equipe qualificada, de estudo sobre a concorrência, além de problemas com o preço oferecido.

 

Confira 5 fatores que contribuem para o fortalecimento do novo negócio

1 - A motivação: Para fazer algo bem, você tem que não somente gostar muito do que faz, mas acreditar no seu projeto

2 - O bom empreendedor: É aquela pessoa que continua quando todos parariam, que está disposto a dedicar tempo e dinheiro, falhar e recomeçar

3 - O produto ou serviço: Deve ser ideal e necessário para o mercado de atuação escolhido. Se não tem público para seu produto/serviço, a chance de fracassar é grande

4 - A equipe: Cuidar das pessoas que embarcaram na aventura de empreender com você é uma ótima estratégia para a saúde a longo prazo de todos, inclusive do seu negócio. Lembre-se de que há um limite que a maioria dos membros da sua equipe está disposta a tolerar. Doses de reconhecimento e gratidão devem estar sempre presentes

5 - O imprevisível: Tenha a clareza de que coisas inesperadas acontecem e que os prazos podem se estender muito mais do que o planejado. Você talvez demore mais tempo para levantar o financiamento que deseja ou para começar a gerar receita, mas executando os passos corretamente, em vez de rapidamente, você terá mais chances de conseguir.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.