Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 21-07-2019 às 10:45

BPW Cuiabá e Assembleia Legislativa promovem debate sobre igualdade salarial em audiência pública

Embora tenha amparo legal, a igualdade salarial entre homens e mulheres não é respeitada por todas as empresas no país, há dados fidedignos que comprovam a disparidade que beneficia o masculino, em detrimento do feminino no mundo do trabalho.

Mulheres de negócios e profissionais estão sendo mobilizadas para participarem da audiência pública a exemplo do ano passado | Creditos: Paulo Moraes

Visando minimizar o problema de desigualdade salarial, entre homens e mulheres, ocorre mundialmente a campanha “Equal Pay Day” 2019 – traduzida no Brasil por Trabalho Igual. Salário igual, promovida pela BPW Internacional (Business and Professional Women), e amplamente difundida pela BPW Brasil, que estimula todas as suas afiliadas a participarem. Em Mato Grosso, a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais- BPW Cuiabá, através da sua Diretoria Jurídica, solicitou para a Assembleia Legislativa, através do deputado Max Russi, uma audiência pública, que vai acontecer no dia 27 de maio, às 19 horas, no  auditório Deputado Milton Figueiredo.

A presidente da BPW Cuiabá, Zilda Zompero nomeou a Diretoria Jurídica, que tem como primeira diretora Cláudia Aquino e segunda diretora, Marilza Moreira, para a organização da campanha em nível local. Elas atuarão  juntamente com a Coordenação do Comitê de Projetos da BPW Brasil, que tem a frente a primeira vice-presidente nacional, Mariza Bazo, e com a Coordenação do Comitê dos Direitos da Mulher, da BPW Brasil, Margarethe Nunes, que é também a primeira vice-presidente da BPW Cuiabá, e diretora secretária do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher de Mato Grosso. Vale destacar que a BPW Brasil, através da presidente Eunice Cruz  e sua diretoria, estimula a participação de todas as BPWs locais na realização da campanha.

As diretoras Cláudia Aquino e Marilza Moreira, estiveram reunidas com o deputado Max Russi, autor do requerimento Audiência Pública - Trabalho Igual, Salário Igual, que irá debater sobre a desigualdade salarial entre homens e mulheres, quando exercem a mesma função com a mesma competência. Além da audiência pública, ficou definido que serão entregues Moção de Aplausos às personalidades que dedicam o seu tempo e trabalham por essa causa. “Um relevante reconhecimento  para quem se dedica voluntariamente para o empoderamento, empreendedorismo e direitos femininos”, pontuou a presidente Zilda Zompero.

Cláudia Aquino que também coordenou a mesa de trabalhos na audiência pública da campanha “Trabalho Igual- Salário Igual”, no ano de 2018, disse na oportunidade que a remuneração de homens e mulheres que ocupam o mesmo cargo só será a mesma em 2095. A informação, que assusta, foi levantada junto ao Fórum Econômico. O que ela apontou como mais preocupante, foi que no ranking de igualdade de gênero de 2017, o Brasil ter caído 11 posições, em relação ao ano anterior, ocupando o 90º lugar, dentre 144 nações. “É de importância, fundamental, o  debate promovido pela BPW”, deixou claro Cláudia Aquino, e isso passa por políticas públicas efetivas.

O evento é gratuito, e foram convidados nomes expressivos para o debate. Já confirmaram presença os Juizes Federais do Trabalho da 23a Região, Graziele Lima e João Humberto Cesario, a Presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Mulher, Glaucia Amaral, o presidente da Associação Comercial e Epresarial de Cuiabá, Jonas Alves, dentre outros.

Informações na BPW Cuiabá: Fone: 3052.2872, das 13 às 19 horas.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.