Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 22-09-2019 às 23:41

Obras de artistas mulheres são destaque na Bienal de Veneza

Problemas sociais da migração e as alterações na política externa são tema de exposição em Veneza

Sun and Sea (Marina). | Creditos: Biennale de Venezia/Teresa Margolles/Giacomo Cosua/CASACOR

Começou a 58ª Bienal de Arte de Veneza, feira internacional que reúne o melhor do cinema, arquitetura, dança, música e teatro. Mais de 70 artistas internacionais irão rechear a cidade com exposições culturais dos mais variados tipos, mas são as mulheres que vêm roubando a cena de verdade.

Neste ano, a Bienal tem como tema “may you live in interesting times“, fazendo com que os artistas se desdobrem para encontrar maneiras criativas de retratar as complexidades da vida moderna. De muro do Trump à ópera em praia, confira 8 mulheres que não pouparam no caráter político e ambiental de suas obras.

A França está sendo representada no pavilhão líquido de Laure Prouvost, que criou um projeto de resina que simula a água do mar. Os visitantes são surpreendidos por uma sala inteira branca, colorida apenas por um belo piso azul claro coberto de impurezas, em denúncia à poluição marítima.

A apresentação é centrada na exibição de um filme de ficção que retrata o início de uma jornada pela França, executada por personagens de diferentes idades e origens sociais, em uma reflexão sobre quem somos, de onde viemos e para onde vamos.

A obra de Teresa Margolles é constituída por um muro: essa é a forma que a artista mexicana encontrou para explorar visualmente o cenário político atual. Fazendo alusão ao muro de Trump na fronteira do México com os Estados Unidos, a artista buscou protestar no arame farpado e no concreto contra a impotência das classes sociais mais baixas.

A Frontera conclui em si uma tendência de Margolles de questionar a sociedade atual a partir dos problemas de seu próprio país, dando voz à população mexicana e levantando discussões acerca de temas como o narcotráfico.

O pavilhão da Lituânia reescreve aquilo que se entende por praia: dentro de um prédio histórico, os visitantes são convidados a acompanhar os banhistas de todas as idades, estilos e gênero em uma performance de ópera.

Durante uma hora, as vozes dos cantores em roupa de banho se unem numa melodia comovente, que rendeu à apresentação Sun and Sea (Marina) o prêmio Golden Lyon. As mulheres  que idealizaram e deram vida ao projeto são Lina Lapelyte, Vaiva Grainyte e Rugile Barzdziukaite, com curadoria de Lucia Pietroiusti.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.