Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 22-09-2019 às 22:53

Leishmaniose: prevenção e diagnóstico da doença crônica

Doença infecciosa pode trazer sérios danos à saúde, inclusive levar à morte; prevenção deve ser feita por meio de combate ao mosquito transmissor e proteção dos cães

De evolução crônica, a leishmaniose visceral quando não tratada pode levar a óbito até 90% dos casos, de acordo com o Ministério da Saúde. | Creditos: PixaBay

Embora pouco conhecida em alguns grandes centros urbanos, a leishmaniose visceral éuma doença infecciosa grave, causada por um parasita transmitido ao humano por meio da picada de mosquitos. Segundo o Ministério da Saúde¹, só em 2017 foram 4.103 novos caso, com expressivo crescimento nas regiões Nordeste e Sudeste. O problema traz riscos à saúde humana e dos cães. O combate ao mosquito transmissor, uso de coleira antiparasitária e vacinação nos animais de estimação são as principais medidas preventivas a serem adotadas.

De evolução crônica, a leishmaniose visceral quando não tratada pode levar a óbito até 90% dos casos, de acordocom o Ministério da Saúde. A sua transmissão se dá a partir da picada do mosquito-palha (Lutzomyia longipalpis) infectado pelo protozoário Leishmania chagasi. Nas regiões urbanas o cachorro é o principal reservatório da doença, já que também pode ser picado pelo inseto. 

 

Como prevenir?

Importante destacar que o cachorro não transmite a doença para os humanos. Marcio Barboza, gerente técnico Pet MSD Saúde Animal, explica que quando contaminado, o pet torna-se um reservatório do parasita. No entanto, um novo mosquito pode picá-lo e picar os humanos com quem convive, completando assim o ciclo de transmissão einfecção.

Quando contaminado, o animal pode adoecer e vir a óbito se não diagnosticado e tratado a tempo.

Para o especialista, medidas preventivas são essenciais e mais práticas que o tratamento depois da infecção, já queeste exige um alto investimento financeiro e não traz a cura – apenas melhora os sintomas e diminui a carga parasitária. Além disso, o Brasil é o país com maior número de casos de pessoas infectadas em toda a América Latina, sendo por isso essencial a prevenção para evitar a proliferação da doença.

“O ideal é que, estando ou não em uma área endêmica, o cão seja protegido com a coleira antiparasitária, que costuma ter 98% de efetividade na proteção. A vacina também é indicada, mas possui uma eficácia ao redor de 70%”, afirma Marcio, que complementa “a limpeza do ambiente e abrigo do animal é também essencial para manter o mosquito afastado”.

O mosquito transmissor da doença tem preferência por locais ricos em matéria orgânica, plantas e árvores. Paraaqueles que moram em ambientes mais arborizados, recomenda-se o uso de telas finas ao redor do abrigo do cão, mantendo-o nesse local durante o período do entardecer à noite, período que os mosquitos costumam atacar mais.

 

Diagnóstico

Entre os principais sintomas da doença nos animais estão a perda de peso repentina – mesmo sem a alteração deapetite -, pelagem falha e opaca, anemia, apatia, vômitos e diarreia.

Vale ressaltar que o diagnóstico não deve ser baseado em um único exame e o médico veterinário é o único profissional habilitado a fazê-lo, bem como para indicar terapia e cuidados preventivos adequados. 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.